Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Vacinação

RELATÓRIO oficial: vacinados estão perdendo cerca de 5% da imunidade a cada semana, consequências a longo prazo que refletem a AIDS

Vacinação: RELATÓRIO oficial: vacinados estão perdendo cerca de 5% da imunidade a cada semana, consequências a longo prazo que refletem a AIDS... Uma comparação de relatórios oficiais do governo sugere que os totalmente vacinados estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida

Fabio Allves
Compartilhe:
RELATÓRIO oficial: vacinados estão perdendo 5% da imunidade a cada semana, consequências a longo prazo que refletem a AIDS
Dados foram atualizados 25/10/2021
Uma comparação de relatórios oficiais do governo britânico sugere que os totalmente vacinados com as injeções experimentais de mRNA estão sofrendo uma degradação do sistema imunológico, o que a longo prazo, pode refletir em um desenvolvimento da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS)”. Visto que isso potencialmente está sendo induzido pelas injeções anteriormente aplicadas, podemos supor que esses são os eventos adversos de médio prazo que estão começando a se revelar.

Pessoas de 40 a 69/70 anos que receberam a dose dupla já perderam 40% da função do sistema imunológico e estão perdendo progressivamente de 3,3% a 6,4% por semana, de acordo com análise do The Exposé. Essas são as primeiras vítimas vacinadas de 2 doses, eram grupos de pessoas mais velhas lembra? Logo poderemos ver esses eventos adversos em pessoas mais jovens?) E a terceira rodada de injeções, reforçará ainda mais a rapidez da 
degradação imunológica após alguns meses de eficácia?

Um artigo do portal da Forbes de outubro de 2020, também correlacionou as vacinas da Covid com a HIV, intitulado: Notícia de outubro de 2020: pesquisadores alertam que algumas vacinas contra a Covid-19 podem aumentar o risco de infecção por HIV. *A Forbes alterou o artigo publicado, modificou seu artigo original, veja o print abaixo. Que absurdo o que está acontecendo! O HIV é o vírus da Imunodeficiência Humana é um lentivírus que está na origem da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, uma condição em seres humanos na qual a deterioração progressiva do sistema imunitário propicia o desenvolvimento de infeções oportunistas e cancros potencialmente mortais. Com Fernando Conrado: A verdade é alterada ao bel-prazer- Vídeo.

Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS) é conhecido por destruir ou prejudica as células do sistema imunológico e, progressivamente, a capacidade do organismo para combater infecções e certos tipos de câncer. Se isso estiver realmente acontecendo, a tendência se mantiver, principalmente com novas injeções de “reforço”, possivelmente nos próximos seis meses haverá uma onda global de vítimas morrendo de câncer e infecções comuns. Isso explica porque a maioria das hospitalizações e mortes está ocorrendo entre populações quase (100%)  totalmente vacinadas. Também explica porque quase 90% dos jovens no Reino Unido adquiriram imunidade natural contra o vírus de acordo o o portal Daily Mail.

Esse é um print que tiramos pouco antes deles modificar o artigo!

A revista exame também publicou a matéria da Forbes: De acordo com a mídia independente, Brasil Sem Medo, a  Exame publicou em outubro de 2020 um estudo da revista The Lancet, o mesmo citado pelo portal Forbes, indicando que a tecnologia empregada na produção das vacinas contra a covid-19 poderia aumentar o risco de infecção do vírus HIV. A Revista alterou matéria após fala de Bolsonaro ser classificada como "fake news". Matéria completa no BSM - Veja também nosso artigo: Revista Exame relaciona vacina com Aids e altera matéria após Bolsonaro citar estudo



A queda na resposta imunológica entre as vítimas da vacina Covid significa que as fatalidades por câncer, doenças auto-imunes - e por infecções comuns, como resfriados, toxinas no ar e gripes no inverno - devem disparar nos próximos seis meses. Afinal, é um sistema imunológico em pleno funcionamento que mantém o câncer sob controle e evita que patógenos comuns do tipo selvagem espalhem o caos por todo o corpo.

A informação alarmante constava do último “relatório de vigilância da vacina Covid-19 ” do governo do Reino Unido, que observou que “os níveis de anticorpos N parecem ser mais baixos em pessoas que adquirem infecção após duas doses de vacinação”.

O pesquisador de vacinas Alex Berenson primeiro destacou a admissão alarmante do governo do Reino Unido, alertando que isso significa que as pessoas vacinadas nunca poderão adquirir imunidade total, mesmo após se recuperarem de uma infecção;

“O que os britânicos estão dizendo é que agora descobriram que a vacina interfere na capacidade inata (natural) do seu corpo após a infecção de produzir anticorpos não apenas contra a proteína do pico do vírus, mas também contra outras partes do vírus”, explicou Berenson.

“Especificamente, as pessoas vacinadas não parecem produzir anticorpos para a proteína do nucleocapsídeo, a casca do vírus, que é uma parte crucial da resposta em pessoas não vacinadas”.

O resultado é “as pessoas vacinadas serão muito mais vulneráveis ​​a mutações na proteína do pico MESMO DEPOIS DE TEREM SIDO INFECTADAS E RECUPERADAS UMA VEZ”, escreve Berenson.

“Isso também significa que é provável que o vírus selecione mutações que vão exatamente nessa direção, porque isso basicamente dará a ele uma enorme população vulnerável para infectar. E provavelmente é ainda mais evidência de que as vacinas podem interferir no desenvolvimento de uma imunidade robusta de longo prazo após a infecção ”.

A pesquisa de Berenson se encaixa nos resultados de um estudo independente conduzido por um médico de Illinois que demonstrou como a vacina Covid suprime o sistema imunológico adaptativo do corpo , deixando os indivíduos vacinados mais suscetíveis a doenças e possivelmente explicando o fenômeno das “infecções invasivas”.

Como The Exposé explica, seguindo uma análise detalhada dos dados de Vigilância de Vacinas (PHE) do Reino Unido:

Os números mais recentes do UK PHE Vaccine Surveillance Report sobre os casos da Covid mostram que pessoas de 40 a 70 anos duplamente vacinadas perderam 40% da capacidade do sistema imunológico em comparação com pessoas não vacinadas. Seus sistemas imunológicos estão se deteriorando em cerca de 5% por semana (entre 2,7% e 8,7%). Se isso continuar, então as pessoas de 30-50 anos terão 100% de degradação do sistema imunológico, defesa viral zero no Natal e todas as pessoas duplamente vacinadas com mais de 30 anos terão perdido seu sistema imunológico em março do próximo ano.

De acordo com a tendência descrita pelos dados atuais, como acrescenta The Exposé:

Qualquer pessoa com mais de 30 anos terá perdido 100% de toda a sua capacidade imunológica (para vírus e certos tipos de câncer) em 6 meses. 30-50 anos terão perdido no Natal. Essas pessoas, então, terão efetivamente a síndrome da imunodeficiência adquirida desenvolvida e destruirão o SNS.

Os "verificadores da fatos", afirmam que a informação não consta nos documentos do Reino Unido. No entanto, de acordo com a análise detalhada da The Exposé, a evidência é clara. Com certeza, merece mais investigação sobre essas substâncias e seus potenciais efeitos a longo prazo.  As injeções possivelmente aceleram ainda mais a destruição do sistema imunológico, o que explica por que 90% das internações em pelo menos um dos hospitais dos EUA ocorreram entre indivíduos vacinados, de acordo com um novo denunciante que deu um passo à frente via The Highwire.

O Relatório mostra um potencial dano progressivo que as vacinas estão causando à resposta do sistema imunológico.


A função imunológica é apoiada e aprimorada pela vitamina D, zinco e outros nutrientes essenciais, e é exatamente por isso que a mídia pró-genocídio e os chamados jornais “científicos” atacam a nutrição (assim como a ivermectina). A deficiência de nutrientes prejudica a função imunológica, razão pela qual pessoas com deficiência de vitamina D tendem a ficar doentes com muito mais frequência do que outras.

E agora, com as vacinas possivelmente destruindo literalmente a função imunológica por semana, temos a derrubada deliberada da função imunológica humana combinada com deficiências nutricionais e restrições intencionais às intervenções de tratamento precoce que pode salvar vidas.

As injeções de reforço da vacina devem ser as mesmas das próprias vacinas, porque leva uma eternidade para fazer testes clínicos e obter aprovação para algo diferente. Portanto, se você tomar uma injeção de reforço, esses números mostram que você está aplicando a si mesmo uma forma progressiva ainda mais rápida de síndrome da imunodeficiência adquirida (após alguns meses de suposta eficácia).

A única explicação para tudo isso que outrora foi alertado por especialistas de renome, mas foram censurados e ridicularizados pela grande mídia, é que são injeções de redução populacional... vacinocídio silencioso.


A única explicação plausível para tudo isso é que as vacinas são de fato, um sistema de arma biológica de despovoamento, e funcionam tanto em mutação e transmissão, quanto em destruindo o sistema imunológico do hospedeiro lentamente e, silenciosamente, fazendo com que sejam mortas por câncer ou infecções comuns. 

Como os pacientes com AIDS sabem muito bem, aqueles indivíduos que sofrem de função imunológica fortemente suprimida podem ser mortos por resfriados de inverno de baixo nível ou patógenos de gripe que normalmente não representariam risco algum para uma pessoa saudável. Mal sabíamos que um sistema de armas semelhante à AIDS seria carregado em agulhas e desonestamente chamado de “vacinas” para enganar os fracos e crédulos.

O gênio do mal neste plano de despovoamento é que as mortes por destruição imunológica induzidas pela vacina nunca serão atribuídas à própria vacina. Aqueles que morrem de câncer depois que as vacinas destruíram seu sistema imunológico serão registrados como mortes por “câncer”, não como mortes por vacinas. E aqueles que morrem de cepas comuns ou cepas de gripe serão descritos como infectados com cepas de "supergripe" que, é claro, serão atribuídas aos não vacinados.

Mesmo se milhões de pessoas morrerem nos próximos seis meses e os hospitais ficarem completamente lotados, vacinas covid nunca estarão vinculadas a nenhuma genocídio. A mídia financiada pela indústria farmacêutica se certificará disso.

Artigo foi atualizado!
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas, questionando as raízes que constitui aparentemente nossa realidade, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tenho como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.

MAIS RECENTES