As vacinas COVID-19 têm efeitos devastadores a longo prazo, alertou Montagnier vencedor do Prêmio Nobel

Vacinação: As vacinas COVID-19 têm efeitos devastadores a longo prazo, alertou Montagnier vencedor do Prêmio Nobel... As primeiras injeções se manifestaram atualmente em todo o mundo problemas de saúde, o que mais virá nos próximos anos?

Fabio Allves
Compartilhe:
As vacinas COVID-19 têm efeitos devastadores a longo prazo, alerta Montagnier vencedor do Prêmio Nobel

Luc Montagnier, um virologista vencedor do Prêmio Nobel francês, em Fisiologia ou Medicina em 2008 com um colega por sua descoberta do vírus da imunodeficiência humana, ou HIV, alertou que aqueles que tomam vacinas contra o coronavírus COVID-19 podem sofrer consequências devastadoras a longo prazo. O que posso dizer, é que Montagnier estava certo ao alertar o mundo sobre o perigo das vacinações em massa, surgimento de novas variantes e problemas de saúde, apesar, de alguns autores e toda a grande mídia tentar ridicularizá-lo.

Chamamos isso de efeitos adversos a longo prazo, não estudados ou observados em nenhum estudo, pois não existe, em outras palavras, os efeitos a longo prazo são desconhecidos, mas de acordo os efeitos das primeiras injeções se manifestando atualmente em todo o mundo, como miocardite, pericardite, inflamação do coração, doenças autoimunes, coágulos sanguíneos, entre outros, é de se esperar muitos problemas de saúde nos próximos anos, que provavelmente virá a quarta, quinta, sexta e assim por diante de novas vacinações mortais -  alguns especialistas alertam que vacinados sofrerão nos próximos 3, no máximo 8 anos.

Luc Montagnier alerta para os perigos das vacinações e o surgimento de novas variantes mais resistentes e mais mortais


Agora, Montagnier usou sua experiência no coronavírus e nas vacinas experimentais e mortais desenvolvidas para supostamente neutralizá-lo. Ele falou em várias ocasiões sobre como as vacinas COVID-19 estimulam o desenvolvimento de variantes mais mortais em vacinação em massa. Em outras palavras, ele está alertando que vacinados serão como um "casulo" para o surgimento de novas variantes mais transmissíveis e mortais. As próprias pessoas vacinadas, parece que serão como armas biológicas de auto-disseminação.

Só posso dizer uma coisa: a idade não impede o professor Montagnier de articular com clareza o seu pensamento e falar, entre outras coisas, sobre o mecanismo de multiplicação do vírus, citando muitos termos científicos. ( Recomendado: Vacinas Covid causam a MUTAÇÃO e vai manter o feedback de vacinação e mortes por vacinas )

À pergunta do entrevistador: “De onde vêm as cepas de vírus?” a resposta segue imediatamente:

- É muito simples: surgem da vacinação. O coronavírus tem uma tremenda capacidade de sofrer mutação, como outros vírus de RNA - veja, por exemplo, o vírus da gripe.

E mais adiante, desenvolvendo seu pensamento, Montagnier diz:

A vacinação universal é um grande erro. Este é um erro científico e um erro médico, por assim dizer. O que está acontecendo é completamente impensável e um dia você terá que responder por isso. É a vacinação que estimula a criação de novas cepas do vírus. O vírus chinês colide com os anticorpos criados pela vacina e tem dois caminhos: morrer ou procurar uma forma de contornar a vacina. As novas cepas são a resposta do vírus à vacinação.

Você pode rastrear em todo o país como a onda de vacinações e a onda de mortes coincidem. Eu acompanho casos de pessoas que foram vacinadas e ainda adoecem. E vou provar que esse vírus, com sua capacidade de mutação, pode resistir à vacinação.

- Se amanhã você for obrigado a se vacinar, o que você vai fazer? - pergunta o jornalista.

- Vou me recusar a ser vacinado. “E o professor Montagnier, ao longo do caminho, explica por que, em sua opinião, a vacina da Pfizer é insatisfatória, e não apenas porque vários milhares de mortes foram oficialmente registradas a partir de suas consequências.

Além disso, o professor Montagnier repete a tese sobre a natureza humana do vírus:

“Este vírus é uma quimera. Foi criado artificialmente a partir de uma base natural”.

Em entrevista anterior, o professor chamou o criador do vírus de “aprendiz de feiticeiro”, dando a entender que o autor não era muito competente. Uma das últimas declarações de Montagnier alertou para a possibilidade de as vacinas causarem aumento dependente de anticorpos (ADE).

O ADE ocorre quando os anticorpos gerados durante uma resposta imune não destroem o vírus, mas se ligam a eles de maneira inofensiva. Em vez de agirem como uma medida defensiva contra patógenos, os anticorpos permitem que as partículas estranhas entrem no corpo e tornam a resposta imunológica do corpo significativamente mais fraca.

Houve vários casos registrados de vacinas que causam ADE, incluindo vacinas para vírus sincicial respiratório, sarampo e, mais recentemente, a vacina desenvolvida para dengue.

Houve vários casos registrados de vacinas defeituosas que causam ADE. Isso inclui as vacinas desenvolvidas para HIV, Zika vírus, dengue e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS). Mais notavelmente, uma vacina desenvolvida para SARS-CoV-1 (ou o vírus SARS) também causou ADE. 
 É importante notar, que todas elas foram consideradas inseguras por conta desse defeito mortal de ADE, mas incrivelmente a vacina da COVID é mantida como "segura e eficaz", o que está mais claro do que nunca, é que isso não passa de "ciência" charlatã envolto de lobby e dólares -  causando mortes de milhões e jogado essas mortes induzidas pela vacina muitas vezes falsamente na conta da COVID.

Dados de todo o mundo já confirmaram que o ADE está ocorrendo com a vacina do SARS-CoV-2 


“Você vê isso em cada país”, disse Montagnier. “É o mesmo. A curva de vacinação é seguida pela curva de óbitos. Estou acompanhando isso de perto e estou fazendo experiências ... com pacientes que adoeceram com corona após serem vacinados. ”

A avaliação de Montagnier é apoiada por muitos médicos europeus que atestaram a revisão de dados que mostram que os lares de idosos e outras instalações experimentam um aumento nos casos de COVID-19 dias após seus residentes serem vacinados.

Como suas opiniões estão em oposição direta às defendidas pelos "principais cientistas" de saúde pública, a credibilidade de Montagnier foi sistematicamente destruída em uma tentativa de silenciá-lo sobre os acontecimentos. Muitos de seus colegas negaram suas conexões com ele. Uma rede de notícias na França afirmou que o virologista especialista está “perdido no deserto”, embora tenha recebido muitos elogios por seu trabalho anterior.

Muitos cientistas argumentam que a ciência a respeito dos ADEs relacionados às vacinas COVID-19 está estabelecida. Mas a realidade mostra que não é esse o caso. Muitas revistas científicas apontam para o fato de que o ADE foi observado em várias vacinas desenvolvidas para outros vírus.

Um artigo publicado na Nature apontou que a possibilidade de ADE em outros vírus “sugere um risco real de ADE para as vacinas SARS-CoV-2 e intervenções baseadas em anticorpos”.

Finalmente, um artigo pré-impresso do The Lancet de março de 2020 apontou que "estudos anteriores envolvendo vacinas candidatas para [coronavírus infeccioso felino] e [MERS] demonstraram aumento da doença dependente de anticorpos induzido por vacinação." O artigo acrescentou que “os riscos de ADE da vacina SARS e MERS podem prenunciar os riscos da vacina SARS-CoV-2”.

Isso mostra que a ciência não está estabelecida e os temores de Motagnier provavelmente se tornarão realidade se as vacinas COVID-19 continuarem a ser empurradas para a população.

“Este é ... um produto médico ainda em fase de testes clínicos e sem dados de segurança de longo prazo. A segurança não foi garantida e os efeitos colaterais dos medicamentos são inevitáveis”, escreveu Sara Middleton, jornalista da Natural Health 365 . “Com essas incógnitas em mente, você acha que as pessoas deveriam ser coagidas a receber a injeção e cumprir uma ordem federal de injeção?”

Essas injeções, provavelmente, não é para parar um vírus, parece ser para um extermínio silencioso em massa com várias rodadas de injeções em simultâneo, em que nos fazem de ratos de laboratório para uma futura injeção bem sucedida que liga tecnologia a biologia humana.

Explore mais sobre:

Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.