Quebrando o mito das "imunizações " induzidas por vacinas

Quebrando o mito das  "imunizações " induzidas por vacinas

A única vacina segura é uma vacina que nunca é usada. - Dr. James A. Shannon . Instituto Nacional de Saúde 

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que reúne normas, aparentemente com o objetivo de “proteger” o direito a vida e a saúde das crianças e adolescentes, estabeleceu a vacinação obrigatória porem ainda não forçada fisicamente , desde da década de 1970, com a formulação do Plano Nacional de Imunização (PNI) – mesmo com um vasto numero de provas confiáveis de que as vacinas contém vários tipos de toxinas altamente prejudiciais a saúde, além de ter vírus, fetos de bebês, e um vasto numero de outros compostos prejudiciais de longo e curto prazo. 

Porem estamos vendo a cada dia pessoas que estão despertando e enxergando a podridão por trás dos governos e instituições que se colocam aparentemente como pensadoras do bem está da saúde da sociedade em geral, mas na verdade o proposito de está gastando bilhões mais bilhões com campanhas de supostamente proteger todos para não obter alguma doença, vai muito além do que se possa imaginar. 

Uma pesquisa mostra que muitos estão desacreditados do que eu chamo - "governo e instituições ficaram boazinhas para com o povo" - de acordo com dados do Datasus, das 10 vacinas obrigatórias até o primeiro ano de vida, 9 estão com cobertura abaixo do esperado pela Organização Mundial da Saúde.(esperado por forças maiores que através das instituições regem a sociedade, tais como os investidores e donos que gastaram milhões para criarem as vacinas para te dar de graça - Quando a esmola é demais o santo desconfia )

Quanto às demais vacinas que devem ser tomadas até os 29 anos, menos de 66% das crianças foram vacinadas na campanha de vacinação contra a gripe em 2018. Em 2017, a cobertura vacinal contra o sarampo, a dose de reforço não passou dos 71%; a vacina contra a poliomielite, a cobertura nacional foi de 77% no ano passado e pelo menos 312 cidades estão com a cobertura vacinal contra pólio abaixo de 50% este ano.

As vacinas utilizam adjuvantes para inflamar o sistema imunológico e forçá-lo a responder a agentes patogênicos. O adjuvante mais popular usado em vacinas são sais de alumínio. Como o Dr. Chris Exley demonstra , após a administração de uma vacina, células imunes responsivas viajam rapidamente para o local da injeção e carregam seu citoplasma com o antígeno e os sais de alumínio da vacina. As células imunes-responsivas viajam em todo o corpo, levando cargas pesadas de alumínio a locais imprevisíveis, incluindo o cérebro. Quando as vesículas sofrerem acidificação, elas dissolverão o sal de alumínio fechado. As cargas positivas de alumínio A13 + biologicamente reativos rompem a membrana, entrando no citoplasma celular e causando a morte celular.

O mito da imunidade da sociedade induzida por vacinas 


A ideia de que as vacinas conferem imunidade a sociedade - se uma porcentagem suficientemente alta de pessoas em uma população for vacinada é usada repetidas vezes como ponto de referência  para a aplicação rigorosa de políticas e leis obrigatórias de vacinação para os que não querem. No entanto, as vacinas não funcionam da mesma maneira que a imunidade natural, e há evidências de que a imunidade das pessoas induzida pela vacina é, em grande parte, um mito. 

É importante entender que a vacinação e a experiência e recuperação de uma determinada doença infecciosa produzem dois tipos qualitativamente diferentes de respostas imunológicas. Essa é uma das razões pelas quais as vacinas, como as vacinas contra a coqueluche, apenas conferem uma imunidade artificial temporária que diminui e torna provável que as pessoas vacinadas se infectem e transmitam infecções, às vezes com poucos ou nenhum sintoma.

Em seu livro prestes a ser lançado, “Vacinas, Autoimunidade e a natureza mutável das doenças infantis”, o Dr. Thomas Cowan explica como as vacinas causam uma distorção nos dois ramos de sua resposta imune - a imunidade mediada por células (inata) e a imunidade humoral (adaptativa). Isso, por sua vez, aumenta radicalmente o risco de disfunção imunológica, incluindo o desenvolvimento de autoimunidade e até mesmo câncer. 

Em suma, quando você tem uma doença viral na infância, o vírus entra em seu corpo e infecta suas células. O processo subsequente da doença envolve sua resposta imune mediada por células, que ativa os glóbulos brancos e substâncias químicas que os atraem para o local da infecção, onde os glóbulos brancos basicamente mastigam e cospem as células infectadas. A função disso é limpar o vírus e rejuvenescer a água gelatinosa dentro das células. 

Durante a recuperação, seu sistema imunológico humoral entra em ação e começa a gerar anticorpos contra o vírus para ajudar a evitar que o mesmo tipo de processo e sintomas ocorram novamente, caso você seja exposto à mesma doença viral mais tarde. 

Desde que o sistema imunológico celular seja ativado primeiro, e o sistema imunológico humoral seja ativado em segundo lugar, você terá uma imunidade qualitativamente superior e duradoura contra essa doença. A imunidade de uma pessoa ou sociedade adquirida naturalmente em uma população entra em cena quando uma porcentagem muito alta de indivíduos passou por essa sequência de resposta imune mediada por células e humoral. 

As vacinas virais e bacterianas, no entanto, contornam a possibilidade de criar imunidade da sociedade  robusta em uma população, já que muitas vezes evitam uma resposta imune mediada por células. Em vez disso, as vacinas provocam uma resposta humoral. Em outras palavras, a vacinação desencadeia a criação de anticorpos da cepa vacinal, mas, como a vacinação pula a resposta mediada pela célula, ela apenas confere uma imunidade artificial artificial. 

É também por isso que a maioria das vacinas, especialmente vacinas inativadas, requerem doses de reforço para tentar estender a imunidade artificial. ( Acredita-se que as vacinas virais atenuadas vivas, como a vacina contra o sarampo , imitam mais de perto o processo natural da doença, mas até mesmo as vacinas com vírus vivos conferem uma imunidade artificial que não é idêntica à imunidade natural.) 

Nenhuma vacina é 100% protetora. Algumas vacinas deixam de dar imunidade temporária às pessoas vacinadas e podem não impedir a propagação da infecção. Se os indivíduos vacinados podem atuar como portadores assintomáticos da doença, a idéia de alcançar a imunidade de rebanho adquirida por vacina em uma população é uma ilusão total. 

Intimidando a sociedade 


Ao longo dos anos, autoridades da saúde pública e pediatras, mídia convencional, tornaram-se cada vez mais agressivos em sua insistência de que todas as pessoas recebam todas as vacinas recomendadas pelo governo, sem exceções, mas o uso de intimidação, assédio e insultos raramente inspiram confiança. Se você me perguntar, é muito mais provável que a confiança do público nas vacinas esteja diminuindo devido ao fato de mais pessoas experimentaram, em primeira mão, que as vacinas carregam riscos significativos e, muitas vezes, não funcionam como anunciado ou até mesmo funcional contrariamente. Eles estão descobrindo que:

  • As vacinas não estão funcionando como prometido e surtos de doenças estão ocorrendo em populações vacinadas
  • As pessoas estão sendo feridas pelas vacinas, mas essas lesões estão sendo consistentemente descartadas como muito raras ou como uma “coincidência”.
  • Solicita-se mais pesquisas sobre segurança de vacinas e a proteção da liberdade de fazer escolhas informadas sobre vacinas é ignorada ou violentamente atacada

Confiança pública já quebrada no FBI traidor, o CDC corrupto , a mídia "notícia falso" e a farsa da medicina convencional. Com isso, descobrimos que um artigo de ciência publicado identificou e nomeou o produto químico da infertilidade genocida que foi adicionado secretamente às vacinas aprovadas pela Organização Mundial de Saúde, administradas exclusivamente a mulheres negras na África. Você pode saber mais aqui
Author Image

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais