A mídia quer convencer o público que mortes após vacinas Covid são "casos raros"

Vacinação: A mídia quer convencer o público que mortes após vacinas Covid são "casos raros"... As vacinas da Covid-19 tem causado milhares de reações graves e mortes por todo o mundo, além do fato que estão espalhando variantes.

Fabio Allves
Compartilhe:
A mídia quer te convencer que "morrer após uma vacina Covid é caso raro"

As vacinas da Covid-19 tem causado milhares de reações graves e mortes por todo o mundo, além do fato que estão espalhando variantes. Recentemente temos visto artistas que foram vacinados e acabaram sendo hospitalizados ou mortos, por exemplo, Ana Maria Braga, Agnaldo Timóteo, Rodrigo Faro,  presidente do Coritiba, Renato Follador e muitos mais que tomaram essas injeções Covid de experimento em massa resultando em óbitos e outros em hospitalizações, portanto, esses que citei são figuras públicas por isso, é difícil de esconder esses fatos do público. Agora pense em todas as outras vitimadas pela vacina e sendo colocadas como "casos raros", ou que foi a Covid e não as injeções.

Você simplesmente não pode inventar mais historinhas quando os fatos só aumentam e cedo ou mais tarde o público irá acordar da realidade falsificada da grande mídia e convulsões irá acontecer, as máscaras da grande mídia e organizações irá desabar. A grande mídia está literalmente tentando convencer as pessoas de que, embora a maioria das mortes por “COVID-19” sejam aquelas que foram totalmente “vacinadas”, isso significa apenas que são "casos raros" ou que a “vacina” é “eficaz e imperfeita”. 

Em outras palavras, querem convencer que foram apenas fatalidades por uma causa maior. Eles nem estão mais escondendo sua agenda porque, aparentemente, não importa mais se as pessoas veem ou não o que realmente está acontecendo. A maior parte do mundo parece simplesmente aceitar tudo o que aparece em seu caminho neste ponto, então por que tentar obscurecer a verdade?

O caso do cantor Agnaldo Timóteo, por exemplo, foi um dos mais recentes — e notórios. Ele já havia tomado a segunda dose do imunizante quando começou a apresentar sintomas do novo coronavírus e veio a falecer semanas depois.

Ele não foi — e provavelmente não será — o único. Mas casos assim, ainda que amplamente noticiados pela imprensa, devem ser tratado como um "evento raro" e não significa que as vacinas não funcionam, principalmente se forem tomadas as duas doses do imunizante, no intervalo correto. (BBC)

Mas espere: as injeções não deveriam manter alguém mais protegido contra o vírus chinês? Isso é o que todos nós fomos informados quando os tiros injetáveis foram revelados pela primeira vez como parte do programa de imunização em massa“.

Então, ficar doente e morrer da mesma infecção contra a qual a “vacina” deveria protegê-lo significa que ela está funcionando? O fato de a vacina não funcionar significa que está funcionando. Acho que agora entendi, não funcionam para proteger da infecção, mais funciona para ser fatal em alguns casos, agora é preciso definir quem serão esses próximos casos raros que aceitarão um tiro silencioso em seus corpos. Obrigado pelo esclarecimento, BBC.

Espere, então se a maioria das pessoas que morrem de COVID-19 estão totalmente vacinadas contra COVID-19, como no mundo isso são "casos raros" ou que é “eficaz” em qualquer nível? Os fantoches da mídia realmente esperam que acreditemos nesse absurdo. Quanto menos sentido faz, e piores são as notícias sobre esta “vacina”, que na verdade, é um experimento ilegal em massa, mais eles parecem insistir.

Agora sabemos que exatamente o oposto é verdadeiro, já que pessoas “vacinadas” estão contraindo e morrendo do coronavírus chineses em uma taxa muito maior do que pessoas não vacinadas. Nada disso faz sentido, para ser franco. ”

De acordo com um artigo do Guardian, intitulado (Porque a maioria das pessoas que agora morrem com Covid na Inglaterra foram vacinadas) afirma que a “vacina” é “eficaz e imperfeita”. Alguém vê alguma contradição nessas duas palavras? Pode me chamar de louco, mas se for eficaz, isso não impediria as pessoas de obter o COVID-19? Se a “vacina” é “eficaz”, então como pode ser imperfeita? Se for “imperfeito”, como pode ser eficaz e segura? Os governantes provavelmente estão apenas sentados em suas mansões rindo da propaganda ridícula que eles podem fazer para todos os obedientes acreditarem na mídia.

Aqui está a primeira linha:

Não pense nisso como um mau sinal, é exatamente o que se espera de um injeção eficaz, mas imperfeito. - The Guardian

A grande maioria das pessoas que estão morrendo das chamadas “variantes” são pessoas que receberam pelo menos uma dose de uma dessas vacinas de experimento em massa Apenas alguns poucos que nunca foram injetados estão com teste “positivo” para isso.

O Telegram de relatos das vacinas está repleto de casos de pessoas que agora estão permanentemente feridas ou mortas como resultado de “fazer a sua parte” para ajudar a “parar a propagação”. Se o objetivo é despovoar maciçamente o mundo, a resposta a essa pergunta é sim. Sugerir tal coisa apenas um ano atrás teria sido considerado uma teoria da conspiração, mas aqui estamos fazendo com que a grande mídia o admita à vista de todos.
Publicidade
Publicidade

Publicidade

Veja Também

Explore mais sobre:

apocalipse , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , manipulação , Pandemias , saúde , Sociedade , Vacina , Vacinação , Coletividade Evolutiva , A mídia quer convencer o público que mortes após vacinas Covid são "casos raros" ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.