Absinto doce uma alternativa poderosa de até 1000 vezes contra o câncer, do que a quimioterapia

Absinto doce uma alternativa poderosa de 1000  vezes contra o câncer, do que a  quimioterapia

A erva absinto (artemisia absinthium) já era usada no século XV na Grécia Antiga como medicamento. É bem provável que a palavra venha do grego “apsinthion” que significa intragável.Naquela época grandes médicos, filósofos e matemáticos recomendavam a erva embebida em vinho, mas cada um utilizava a bebida para um tratamento diferente. Talvez esse seja o motivo para a bebida ficar conhecida alguns séculos depois como “o remédio para todas as doenças”.(fonte)

Os pesquisadores da indústria farmacêutica estão constantemente desenvolvendo e testando drogas, mas que não sejam eficazes contra o câncer em si, por que a industria visa lucrar em vez de curar. Mas então o que pode ser feito ? Os cientistas não vinculados com indústrias da saúde, estão cada vez mais demonstrando o quão poderosas substâncias naturais podem ser na luta contra o câncer. Em muitos casos, essas substâncias são capazes de destruir as células cancerígenas sem prejudicar as células saudáveis. Uma dessas soluções uma planta, que se chama doce absinto. 

Absinto cresce nativamente em partes da Europa, Ásia e Norte da África e é talvez mais famoso por seu uso em bebida alcoólica. O absinto doce, no entanto, contém o ingrediente ativo artemisinina, e tem sido usado na medicina chinesa há milhares de anos para impulsionar o sistema imunológico e parar os parasitas. Ela é boa para expulsar as lombrigas, vermes e tênias, criando um ambiente no intestino em que os parasitas não suportam. 

Pesquisadores da Universidade de Washington descobriram que um composto feito de uma forma altamente concentrada de absinto e ferro pode ser mais de 1.000 vezes mais eficaz do que a quimioterapia em atacar células cancerígenas, especialmente quando se trata de câncer de mama. A combinação é considerada uma "bomba-relógio" para as células cancerígenas

Tomikazu Sasaki, autor sênior do estudo, disse: "O composto é como um agente especial que coloca uma bomba dentro da célula". 

Como as células cancerígenas não dispõem de moléculas de ferro flutuantes, assim como as células saudáveis, a presença de ferro pode ser estressante para elas. Isso inspirou os pesquisadores a usar a holotransferrina de ocorrência natural para transportar ferro para as células e administrar as altas doses de artemisinina nas células da próstata e do câncer de mama.

Mata câncer sem comprometer células saudáveis


O composto descoberto pelos os pesquisadores supera o maior desafio enfrentado atualmente pelos desenvolvedores de tratamento de câncer, de fato as células cancerosas
 se desenvolvem a partir das próprias células normais do corpo, e a maioria dos métodos de matá-las também afeta as células saudáveis. Enquanto a maioria das quimioterapias atualmente disponíveis destrói aproximadamente uma célula normal para cada cinco a dez células cancerosas que elas matam, este método mata aproximadamente uma célula saudável para cada 12.000 células cancerosas. Também tem poucos efeitos colaterais. Embora a artemisinina seja tóxica na presença de ferro, geralmente é inofensiva. 

Todas as células cancerígenas que foram expostas a esta holotransferrina especialmente preparada morreram em apenas 16 horas. O melhor de tudo, a abordagem funciona em todos os tipos de células cancerígenas, em vez de servir apenas para alguns tipos específicos. A razão pela qual pode ser particularmente eficaz em células de câncer de mama é porque essas células às vezes têm até 15 vezes mais receptores de ferro do que as células que as cercam. 

Em um estudo semelhante realizado pelo Worcester Polytechnic Institute , os pesquisadores descobriram que a artemisinina reage com o ferro para formar radicais livres que levam as células cancerígenas a morrer; o aumento da absorção de ferro pelas células cancerosas as torna vulneráveis ​​aos radicais livres criados pela artemisinina. 

Além disso, o absinto doce contém outros compostos anticancerígenos, como a quercetina, o limoneno e o B-pineno. 

A artemisinina já é usada como medicamento contra a malária, e agora parece que ela pode se tornar a base de um tratamento eficaz contra o câncer no futuro.

Fontes para este artigo incluem:
Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais