Rio Grande do Sul Sob Ataque: O gigante do agronegócio sob efeito das manipulações climáticas globais

Recente calamidade das chuvas extremas induzidas pelos programas globais de modificação climática (Geoengenharia) está visando colapsar o agro

Rio Grande do Sul Sob Ataque: O gigante do agronegócio sob efeito das manipulações climáticas globais

O Rio Grande do Sul, conhecido como o "Celeiro do Brasil", tem desempenhado um papel fundamental no agronegócio nacional, contribuindo significativamente para a economia do país. No entanto, a recente calamidade das chuvas extremas induzidas (não naturais) pelos programas globais de modificação climática (Geoengenharia) está lançando uma sombra sobre esse gigante do setor, trazendo consigo uma série de desafios e impactos devastadores para a vida dos cidadãos e a economia local.

Como um dos principais produtores de grãos, carne, leite e tabaco do Brasil, o Rio Grande do Sul desempenha um papel vital no abastecimento de alimentos e na geração de empregos no país. No entanto, as chuvas extremas que assolaram o estado desde 2021, desde então intensificando, têm causado estragos em suas plantações, resultando em perdas significativas para os agricultores e afetando a produção agrícola como um todo.

A manipulação climática é uma realidade atual e aperfeiçoada - desregulando os padrões climáticos


A geoengenharia é uma realidade inegável e indiscutível, com vários governos em todo o mundo a cooperar em vários programas para alterar o clima e refletir a luz solar. Também é usado para guerra e interesses estratégicos geopolíticos.

Durante a guerra do Vietnã, técnicas de semeadura de nuvens já eram usadas, começando em 1967 sob o Projeto Popeye, cujo objetivo era prolongar a temporada de monções e bloquear as rotas de abastecimento inimigas ao longo da Trilha Ho Chi Minh.

Com tecnologias atualizadas: A Agenda globalista da ONU e Fórum Econômico Mundial, estão intencionalmente fabricando mudanças climáticas com essas armas climáticas para fomentar o medo e a sensação de falta de segurança, o que é sempre sua justificativa para medidas mais draconianas, como os bloqueios climáticos sugeridos, restrição de alimentos de origem animal, como carne bovina, para dietas baseadas em vegetais onde você come insetos e bebem leites de nozes nojentos, créditos de carbono para controlar o que você faz e como usa os recursos, pontuações ESG para negar crédito a empresas que não cooperam com o culto e todos os outros cenários totalitários de sonho molhado que eles escreveram e desejaram há décadas.

A engenharia climática é a maior e mais imediata ameaça contra a humanidade, alerta o especialista em geoengenharia Dane Wigington. Dane Wigington observou que as operações de intervenção climática estão desabilitando a capacidade do planeta Terra de se restaurar.

Wigington, o principal pesquisador da Geoengineering Watch, disse que essas operações visam o fornecimento de alimentos. Regiões agrícolas estão sendo alvo de armas climáticas, causando o colapso de plantações, seja pela seca extrema, inundações/tempestades, ciclones, terremotos ou até mesmo, furacões. A pesca também está sendo alvo, com 90% das populações globais de peixes pelágicos em declínio...

A agenda da ONU 2030 e das elites psicopatas do Fórum Econômico Mundial:


Evidências claras com o Jornalista Sérgio Tavares de Portugal:


Rio Grande do Sul: Os impactos da calamidade no gigante do agro e no país


Além dos danos às plantações, as inundações generalizadas também têm impactado o comércio e as empresas locais. Muitas empresas estão enfrentando dificuldades para operar devido à falta de acesso às áreas afetadas e à interrupção das cadeias de suprimentos. O comércio também foi prejudicado, com muitas lojas fechadas e uma diminuição no fluxo de clientes devido às condições adversas.

Os hospitais e sistemas de saúde também estão sob pressão devido à calamidade. As inundações dificultam o acesso aos serviços de saúde, colocando em risco a vida dos pacientes e dificultando o atendimento médico adequado. Além disso, o aumento do número de casos de doenças relacionadas à água contaminada e à falta de higiene representa um desafio adicional para os sistemas de saúde locais.

A calamidade das chuvas extremas induzidas também está causando perdas humanas e animais. Milhares de animais foram afetados pelas inundações, com muitos perdendo suas vidas devido às condições adversas (o que significa menos carne, leite e muito mais). Além disso, o número de mortes e desabrigados entre a população humana também tem sido preocupante, com muitas pessoas perdendo suas casas e suas vidas em decorrência das enchentes.

Diante desses desafios, a recuperação do Rio Grande do Sul será uma tarefa árdua e demorada, podendo afetar o sistema de alimentação de todo o país. Será necessário um esforço conjunto do governo, da sociedade civil e do setor privado para reconstruir as áreas afetadas, fornecer assistência às comunidades atingidas e restaurar a infraestrutura danificada. 

Além disso, medidas de prevenção e mitigação de desastres serão essenciais para reduzir os riscos de futuras calamidades induzidas pelos programas ilegais de manipulação climática que estar desregulando os padrões climáticos em todo o mundo, e proteger a população contra seus impactos devastadores é essencial.

No entanto, apesar dos desafios que enfrenta, o Rio Grande do Sul é conhecido por sua resiliência e determinação. Com solidariedade, cooperação e trabalho árduo, o estado poderá superar essa crise e se recuperar mais forte do que nunca. A força de seu povo e o potencial de seu agronegócio continuarão a ser os pilares de sua reconstrução e crescimento futuro.

Assista às evidências:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu