Tecnologia

Estudo bombástico confirma ligação entre exposição redes sem fio e 5G com doença COVID

Tecnologia: Nova pesquisa publicada no Journal of Clinical and Translational Research destaca a ligação entre os sintomas do coronavírus Covid-19 e a...

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Nos Apoie
Estudo bombástico confirma ligação entre exposição redes sem fio e 5G com doença COVID

Nova pesquisa publicada no Journal of Clinical and Translational Research destaca a ligação entre os sintomas do coronavírus Covid-19 e a radiação sem fio 5G.

Embora grande parte do foco tenha se centrado no próprio vírus, o artigo analisa os impactos ambientais que exacerbam a doença, incluindo radiofrequências de torres de telefonia móvel.

“Ao considerar a tríade epidemiológica (agente-hospedeiro-ambiente) aplicável a todas as doenças, investigamos um possível fator ambiental na pandemia de COVID-19: radiação de radiofrequência ambiente de sistemas de comunicação sem fio, incluindo microondas e ondas milimétricas”, explica o artigo.

“SARS-CoV-2, o vírus que causou a pandemia de COVID-19, surgiu em Wuhan, China, logo após a implementação da radiação de comunicações sem fio [WCR] em toda a cidade (quinta geração [5G]) e se espalhou rapidamente globalmente, inicialmente demonstrando uma correlação estatística com comunidades internacionais com redes 5G recentemente estabelecidas.”

Beverly Rubik e Robert R. Brown, os dois autores do estudo, analisaram a literatura científica revisada por pares sobre os bioefeitos prejudiciais de 
radiação de comunicações sem fio. Eles identificaram vários mecanismos pelos quais radiação de comunicações sem fio pode ter contribuído para a pandemia da gripe chinesa como um cofator ambiental tóxico. (Relacionado: Ativar torres 5G pode matar pessoas que tomaram vacinas COVID-19, alertam analistas)

Ao cruzar as fronteiras entre as disciplinas de biofísica e fisiopatologia, a dupla apresentou as seguintes evidências mostrando que a exposição 5G:

• Causa alterações morfológicas nos eritrócitos, incluindo formação de equinócitos e rouleaux que podem contribuir para a hipercoagulação.

Prejudica a microcirculação e reduz os níveis de eritrócitos e hemoglobina, exacerbando a hipóxia

• Amplifica a disfunção do sistema imunológico, incluindo imunossupressão, autoimunidade e hiperinflamação

• Aumenta o estresse oxidativo celular e a produção de radicais livres levando a lesões vasculares e danos aos órgãos

• Aumenta o Ca2+ intracelular (íons de cálcio) essencial para a entrada, replicação e liberação viral, além de promover vias pró-inflamatórias

• Piora arritmias cardíacas e distúrbios cardíacos

Curiosamente, a progressão da covid em termos de doença grave é paralela aos efeitos adversos causados ​​pela exposição ao 5G. Estes incluem alterações sanguíneas, estresse oxidativo, interrupção e ativação do sistema imunológico, aumento do cálcio intracelular e efeitos cardíacos.

“Por exemplo, a coagulação do sangue e a inflamação têm mecanismos sobrepostos, e o estresse oxidativo está implicado em alterações morfológicas dos eritrócitos, bem como na hipercoagulação, inflamação e danos nos órgãos”, explica o estudo.

“Existe uma sobreposição substancial na patobiologia entre a exposição ao COVID-19 e ao 
radiação de comunicações sem fio. As evidências aqui apresentadas indicam que os mecanismos envolvidos na progressão clínica do COVID-19 também podem ser gerados, de acordo com dados experimentais, pela exposição a radiação de comunicações sem fio. Portanto, propomos uma ligação entre os bioefeitos adversos da exposição a radiação de comunicações sem fio de dispositivos sem fio e o COVID-19.”

A exposição 5G causa covid realmente grave?


Não apenas 5G, mas também 
radiação de comunicações sem fio de baixo nível de vários dispositivos, incluindo sistemas de rede local, Wi-Fi (oficialmente protocolo IEEE 802.11b Direct Sequence; IEEE, Institute of Electrical and Electronic Engineers) e até mesmo os próprios telefones celulares estão criando toxicidade interna e dano celular.

Bioefeitos não térmicos, ou seja, a densidade de energia que causa o aquecimento do tecido, a partir da exposição a 
radiação de comunicações sem fio  de nível muito baixo, também foram relatados na literatura científica em densidades de energia abaixo das diretrizes de exposição da Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP).

“Descobriu-se que 
radiação de comunicações sem fio  de baixo nível afeta o organismo em todos os níveis de organização, do molecular ao celular, fisiológico, comportamental e psicológico”, explica o estudo.

“Além disso, demonstrou causar efeitos sistêmicos prejudiciais à saúde, incluindo aumento do risco de câncer, alterações endócrinas, aumento da produção de radicais livres, danos ao ácido desoxirribonucleico (DNA), alterações no sistema reprodutivo, defeitos de aprendizado e memória e distúrbios neurológicos”.

Embora a própria Terra sempre tenha emitido radiofrequências naturais de baixo nível em segundo plano, elas são tão baixas que nossos corpos não respondem negativamente a elas. Este não é o caso de RFs artificiais emitidas por uma presença cada vez mais difundida de 
radiação de comunicações sem fio na vida cotidiana.

Brasil já esse ano, de acordo Anatel, definiu que o 5G deve funcionar nas 26 capitais do Brasil e no Distrito Federal em julho de 2022. Isso ocorre apesar do fato de haver muitas evidências de que esse lançamento levaria a catástrofes e mortes, especialmente entre as pessoas totalmente vacinadas contra o coronavírus Wuhan (COVID-19) de acordo analistas.
Publicidade
Publicidade
Explore mais em: 5G , Câncer , Ciência , Ciência e tecnologia , descobrindo , saúde , Tecnologia
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor

Para impulsionar sua saúde:

MAIS RECENTES