Vacinação

Alerta: cientistas procuram criar vacinas quiméricas de mRNA que podem ser implantadas através dos alimentos

Vacinação: Os cientistas têm feito pesquisas para criar mRNA quimérico e entregá-lo através dos alimentos em que consumimos. Sim, os cientistas estão ...

Fabio Allves
Compartilhe:
Nos Apoie
Alerta: cientistas estão criando vacinas quiméricas de mRNA que podem ser implantadas através dos alimentos

Os cientistas têm feito pesquisas para criar mRNA quimérico e entregá-lo através dos alimentos em que consumimos. Sim, os cientistas estão agora estudando se podem ou não transformar plantas comestíveis em fábricas de vacinas de mRNA.

No episódio de 24 de março de “War Room”, a denunciante da Pfizer, Karen Kingston, falou sobre o desenvolvimento de vacinas que podem ser lançado por meio do consumo de alimentos .

Pesquisas da Universidade da Califórnia Irvine e da Universidade da Califórnia em Riverside descobriram que o futuro das vacinas pode ser agora não uma injeção no braço, mas implantada através dos próprios alimentos em que comemos.

“O que [o presidente Joe] Biden está dizendo é que na Nova Ordem Mundial, eles vão reduzir a população, quer estejamos em conformidade ou não”, disse Kingston. Ela acrescentou que há evidências disponíveis que mostram que os cientistas pegaram um mRNA armado com quimera e o tornaram comestível em alfaces, tomates e outras formas de alimentos.

“Então, o que você verá na mídia é como o Medicago, que acabou de ser aprovado no Canadá como uma vacina à base de plantas. Ou seja, eles realmente usam o citoplasma da planta para produzir o mRNA”, explicou Kingston.

No entanto, a palavra “vacina” neste caso se traduz na inoculação do vírus quimérico, então eles estão apenas sendo infectados com o vírus mRNA multiespécies. Em termos mais simples, explicou Kingston, “eles estão basicamente colocando o mRNA nas plantas. Eles estão apenas pegando vírus sintéticos e colocando-os em plantas.”

Quimera é essencialmente um único organismo composto de células de dois ou mais “indivíduos”. Em outras palavras, contém dois ou mais conjuntos de DNA.

Os pesquisadores falaram sobre a obtenção de uma bolsa de meio milhão de dólares da National Science Foundation. Embora não se saiba muito da pesquisa em andamento, houve um trabalho publicado em 2006, em colaboração com cientistas de Hong Kong, para vacinação contra SARS e proteína spike.

O estudo afirma que a geração de plantas transgênicas – em que elas pegam plantas e as combinam com vírus de outras espécies e animais – produziu com sucesso vacinas para cólera, vírus Norwalk, hepatite B e febre aftosa por transmissão costeira.

Há também estudos e financiamentos desde 2011, que podem ser conferidos no site do National Institutes of Health , onde a agência financiou o desenvolvimento de vacinas à base de tomate contra o vírus sincicial respiratório (VSR). O estudo disse que eles vão fazer a diferença e um impacto duradouro na saúde humana, criando uma vacina barata.

Os defensores afirmam que as vacinas produzidas em plantas comestíveis seriam de baixo custo e não exigiriam refrigeração , tornando-as mais acessíveis às pessoas nos países em desenvolvimento.

As vacinas que usam plantas comestíveis como veículo de entrega podem produzi-las sem agulhas, sem necessidade de adjuvantes (ou produtos químicos que estimulam uma resposta imune). Quando a planta é ingerida, as paredes celulares da planta podem proteger os antígenos da vacina da degradação por ácidos estomacais e enzimas digestivas. As vacinas comestíveis também estimulariam a imunidade mucosa e sistêmica que fornece um nível mais alto de proteção em comparação com as injetáveis ​​tradicionais.

Por exemplo, embora as batatas sejam opções viáveis, não há muitas pessoas que comam uma batata crua. Se, por exemplo, a comida for cozida, as vacinas permanecerão viáveis ​​e eficazes? Como garantir produtos uniformes ou determinar a dose adequada?

Outros cientistas também pensaram em produzir vacinas comestíveis em bananas ou batatas e processá-las em pó para torná-las mais utilizáveis ​​e consistentes, mas também não está claro se essa abordagem é comercialmente viável.

No entanto, essas vacinas ainda precisam ser aprovadas para comercialização, pois há muitas questões técnicas que precisam ser respondidas antes que possam ser uma opção viável, no entanto, com uma agenda 2030 sinistra em andamento, em que as liberdade e democracia estão sendo encaminhada para o abismo, as questões técnicas podem não ser mais um empecilho para o experimento em massa assim como ocorreu com a vacina de mRNA da COVID.

Assistir:

Publicidade
Publicidade
Explore mais em: Ciência , Ciência e tecnologia , descobrindo , Produtos químicos , Proteína Spike , Vacina , Vacinação
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor

Para impulsionar sua saúde:

MAIS RECENTES