Publicidade

Dizem que geoengenharia é teoria da conspiração, enquanto china e Rússia "modifica a atmosfera"

No Brasil e no mundo, as pessoas que acreditam na geoengenharia são, em grande parte, consideradas conspiracionistas. No entanto, os principais meios de comunicação em todo o mundo têm relatado recentemente como um…

Dizem que geoengenharia é teoria da conspiração, enquanto china e Rússia "modifica a atmosfera"

No Brasil e no mundo, as pessoas que acreditam na geoengenharia são, em grande parte, consideradas conspiracionistas. No entanto, os principais meios de comunicação em todo o mundo têm relatado recentemente como uma intervenção governamental normal e lógica que eles acreditam ser uma grande promessa na luta contra a suposta mudança climática, que segundo eles é causada pelo ser humano. 

Na verdade o especialista em geoengenharia e analista de controle climático, Dane Wigington, vem denunciando a arma climática e agenda globalista a anos, provando sua veracidade e seu poder de causar desastres, que muitos alegam ser naturais, e claro que em grande parte provocados pela a geoengenharia do clima.

Ataque por transmissões de microondas 


A instalação de aquecedores de ionosfera HAARP no Alasca é apenas um dos muitos transmissores de radiofreqüência / microondas localizados ao redor do mundo que são utilizados para fins de engenharia climática . 

Todos nós estamos nadando em um mar de transmissões de microondas que estão dizimando o sistema climático e são extremamente prejudiciais a todas as formas de vida. Muitos agora estão finalmente começando a olhar para cima e tomar conhecimento da pulverização atmosférica com aerossol que está ocorrendo nos céus de todo o mundo. Formas de nuvem incrivelmente anômalas e formas que só podem ser consideradas projetadas foram fotografadas por satélite. 

Transmissões de microondas extremamente poderosas são um aspecto importante do ataque de engenharia climática que muitas vezes passa despercebido por muitos, mesmo nas fileiras do movimento de engenharia anti-clima. Transmissões de radiofreqüência são utilizadas pelos engenheiros climáticos para manipular o metal pesado pulverizado com aeronaves e partículas químicas. Como as ondas sonoras, as transmissões de microondas se espalham pela atmosfera, deixando sua assinatura reveladora na cobertura de nuvem de aerossol de geoengenharia.

A corrida para controlar a ionosfera

Conforme relatado pelo South China Morning Post , China e Rússia recentemente colaboraram em uma série de experimentos controversos para manipular a atmosfera da Terra em uma tentativa de controlar a ionosfera, a parte da atmosfera que contém altos níveis de íons e elétrons livres que permitem rádio sinais para saltar longas distâncias

Os cientistas dos dois países realizaram cinco experimentos em junho do ano passado, na tentativa de modificar a ionosfera.

Apesar da arma climática ser uma realidade secreta do estado profundo, as forças militares em todo o mundo vêm tentando há décadas ganhar o controle da ionosfera. A capacidade de manipular essa parte da atmosfera permite a comunicação de alto nível com os submarinos, facilitaria a interferência com as comunicações via satélite inimigas, permitiria a manipulação do tempo e a produção de desastres naturais e até afetaria o funcionamento dos cérebros humanos

O Post relatou o seguinte sobre os experimentos que foram conduzidos:

Um total de cinco experimentos foram realizados em junho. Um deles, em 7 de junho, causou distúrbios físicos em uma área de até 126 mil quilômetros quadrados, ou cerca da metade do tamanho da Grã-Bretanha.

A zona modificada, com mais de 500 km de altura sobre Vasilsursk, uma pequena cidade russa no leste da Europa, experimentou um pico elétrico com 10 vezes mais partículas subatômicas carregadas negativamente do que as regiões vizinhas.

Em outro experimento, em 12 de junho, a temperatura do gás fino e ionizado em alta altitude aumentou mais de 100 graus Celsius (212 graus Fahrenheit) por causa do fluxo de partículas.

As partículas, ou elétrons, foram bombeadas para o céu pela Sura, uma instalação de aquecimento atmosférico em Vasilsursk, construída pelos ex-militares da União Soviética durante a Guerra Fria.

O Post continuou explicando que a base da Sura começou a enviar antenas e micro-ondas de alta potência para a alta atmosfera. As informações foram então coletadas pelo Zhangheng-1, um satélite de vigilância eletromagnético chinês, que usa sensores especiais de alta velocidade que podem analisar amostras a cada meio segundo.

Os pesquisadores relataram em seu estudo, publicado na revista Earth and Planetary Physics , que os resultados do experimento foram “satisfatórios”. Eles observaram que “a detecção de distúrbios no plasma… fornece evidências para o provável sucesso de futuros experimentos relacionados”.

Apesar da controvérsia associada aos experimentos e à natureza incomum da cooperação chinesa / russa neste estudo, a equipe de pesquisa insiste que eles “não estão brincando de Deus” e que os experimentos são “pesquisa científica pura”.

Ainda assim, há preocupações éticas reais sobre estudos como esses. Como observado pelo Post , teoricamente até mesmo o som de uma borboleta batendo as asas poderia ser amplificado por um sofisticado sistema de geoengenharia e causar uma tempestade várias semanas depois em um local distante.

Por essa razão, o professor Gong Shuhong, pesquisador de tecnologia de comunicação militar da Universidade de Xidian , enfatiza a necessidade de “seguir estritamente as diretrizes éticas” na condução de tais pesquisas.

Fonte:
Publicidade


Notícia Em: / / / /

Fabio Allves

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais