Notícias Recentes

Alerta ao consumidor: Tylenol mata sua consciência, confirma dois estudos

Alerta ao consumidor: Tylenol  mata sua consciência confirma dois estudos. paracetamol

A Grande Pharma lucra bilhões todos os anos com seus medicamentos tóxicos, e de alívio momentâneo, como foi em 2016, foram vendidos 4 bilhões de medicamentos, com um faturamento total de 63 bilhões de reais. Esses medicamentos deixam seus efeitos colaterais horríveis, levando o consumidor a comprar outros para reverter os efeitos colaterais que nem mesmo os próprios consumidores, não percebem que esta sentindo um ou outro problema, por conta dos medicamentos ingeridos anteriormente - isso quando não leva diretamente a morte, como relata a própria OMS, que diz que 70 mil pessoas morrem por ano, por conta da dependência química. O paracetamol está há mais de 50 anos no mercado, e bilhões de pessoas o consomem sem saber dos seus efeitos graças a grande mídia propagandistas da grande pharma.

Em 2015, um estudo inovador descobriu que o Tylenol (conhecido também pelos nomes químicos acetaminofeno e paracetamol) não apenas atenua a dor, mas tem efeitos colaterais psicotrópicos altamente relevantes para a conexão e comportamento social humano, como embotar tanto estímulos emocionais positivos quanto negativos. conhecido como "afetar o achatamento" na terminologia psiquiátrica.Recomendado: A Grande Pharma e sua ciência fraudulenta abundante em todo mundo

Outro estudo publicado na revista Frontiers of Psychology , intitulado " Um analgésico social? O acetaminofeno (paracetamol) reduz a empatia positiva ”, confirma ainda mais que essa droga extremamente popular (bilhões de doses tomadas anualmente) interfere diretamente na experiência da conexão empática humana; especificamente, reduzindo a empatia pelo sofrimento de outras pessoas.

No novo estudo, os pesquisadores testaram a hipótese de que Tylenol prejudicou processos afetivos relacionados à experiência de empatia com um estudo duplo-cego, controlado por placebo, composto por 114 estudantes de graduação, que receberam aleatoriamente 1.000 mg da droga ou placebo.Recomendado: Efeito colateral negativo ao tomar anticoncepcional oral - mais 5 outros riscos a saúde

Uma hora após a administração, os participantes leram cenários sobre as experiências edificantes de outras pessoas (diferentes protagonistas das histórias) e suas respostas foram avaliadas com o objetivo de determinar sua capacidade de empatia. Os pesquisadores relataram que;

“Os resultados mostraram que o paracetamol reduzia o prazer pessoal e os sentimentos empáticos de outras pessoas em resposta a esses cenários. "

Eles relataram ainda:

“ Essas descobertas sugerem que (1) o acetaminofeno reduz a reatividade afetiva às experiências positivas de outras pessoas e (2) a experiência de dor física e empatia positiva pode ter uma base neuroquímica mais similar do que se supunha anteriormente. Como a experiência de empatia positiva está relacionada ao comportamento pró-social, nossos achados também levantam questões sobre o impacto social do consumo excessivo de acetaminofeno. "

Os pesquisadores levantaram a hipótese sobre os mecanismos neuroanatômicos por trás desses achados:


“ Evidências de neuroimagem sugerem que as principais áreas cerebrais envolvidas nesses efeitos psicológicos do acetaminofeno provavelmente são a ínsula anterior (IA) e partes anteriores do córtex cingulado (dACC). O acetaminofeno reduz a ativação nessas áreas durante a dor física e emocional ( DeWall et al., 2010 ; Pickering et al., 2015 ). Alguns pesquisadores também apontaram a centralidade dessas áreas do cérebro para a empatia positiva (por exemplo, Immordino-Yang et al., 2009 ; Apps e Ramnani, 2014 ; Lockwood, 2016 ). Esse mecanismo neural compartilhado é plausível, pois a IA parece ser o núcleo de uma rede cortical límbica relacionada à consciência emocional, independente da valência emocional ( Craig, 2009).). Assim, tanto a empatia positiva quanto a negativa podem confiar na IA e na ACC, embora esses tipos de empatia sejam diferenciáveis ​​em outros níveis ao longo do neuroeixo. Como o paracetamol parece reduzir a responsividade pela própria dor e pela dor dos outros em áreas cerebrais que se sobrepõem àquelas envolvidas na empatia positiva, supomos que o acetaminofeno também pode prejudicar a capacidade das pessoas de experimentar empatia pelas experiências positivas dos outros. "

Os pesquisadores partiram das implicações de suas descobertas na conclusão do estudo da seguinte forma:


“ Finalmente, nossas descobertas têm importantes implicações práticas. A empatia positiva fornece parte da “cola social” a partir da qual os laços interpessoais são construídos e fortalecidos ( Morelli et al., 2015 ). Como tal, desfrutar da boa sorte de outros promove a conexão interpessoal, confiança e - em última análise - comportamento pró-social ( Reis et al., 2010 ; Morelli et al., 2014 ; Andreychik e Migliaccio, 2015 ), proporcionando importantes benefícios sociais . Esses benefícios devem ser vistos no contexto da quantidade de pessoas consumindo regularmente paracetamol. Um quarto estimado de todos os adultos norte-americanos americanos tomam uma droga contendo paracetamol a cada semana ( Kaufman et al., 2002). Assim, é possível que o uso generalizado de paracetamol entre os americanos possa reduzir substancialmente esses benefícios. 

No geral, a presente pesquisa mostra que o acetaminofeno reduz a empatia pelas experiências agradáveis ​​de outras pessoas. Esses achados não apenas constituem um passo importante em nossa compreensão dos mecanismos afetivos subjacentes à experiência da empatia positiva, mas também levantam a preocupação sobre o impacto social do consumo excessivo de acetaminofeno. "

Receba as notícias do Coletividade Evolutiva em primeira mão. Siga-nos nas redes sociais! Facebook - Twitter - Instagram - Receber por e-mail



Fabio Allves

Fundador:Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Ao longo da vida busquei explorar os mistérios e os conhecimentos ocultos que cercam o planeta e as origens da humanidade, questionando as raízes do que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao despertar a sociedade (Saber Mais)