VACINA DA MORTE: Já morreram 2.050 pessoas após vacina Covid e poderá matar mais

Vacinação: VACINA DA MORTE: Já morreram 2.050 pessoas após vacina Covid e poderá matar mais - As mesmas vacinas que estão matando americanos, a decaída Anvisa está permitindo o uso nos brasileiros e bilhões sendo gastos basicamente em uma arma

Fabio Allves
VACINA DA MORTE: Já morreram 2.050 pessoas após vacina Covid e poderá matar mais
Imagem foi atualizada
De acordo com dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) dos Estados Unidos, um banco de dados federal que rastreia ferimentos e mortes após a vacinação experimental tem registrado pelo menos 2.050 americanos que morreram até agora.(O Brasil parece ser o próximo ⬇️)

O número de mortos é um subconjunto de 44.606 eventos adversos totais, que também incluem 7.485 visitas ao pronto-socorro ou a médicos de emergência, 4.450 hospitalizações e 826 incapacidades permanentes. Esses eventos foram relatados após a vacinação com qualquer uma das três injeções de coronavírus aprovadas para uso de emergência nos Estados Unidos - as vacinas Pfizer-BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson.

As mesmas vacinas que estão matando americanos, a decaída Anvisa está permitindo o uso nos brasileiros e bilhões sendo gastos basicamente em uma arma que mata silenciosamente


A decaída Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mesmo com "vacinas" tão problemáticas e experimental deu registro definitivo para a terapia experimental da Pfizer-BioNTech com a terapia genética de mRNA irreversível, e autorizou o uso emergencial da vacina da Janssen Biotech, Inc, uma subsidiária da corporação multinacional Johnson e Johnson, que pagou BILHÕES em acordos criminais, que estão em andamento devido à crise de opióides. Você pode ler a ficha criminal deles aqui.

É importante observar que não há dados científicos sólidos que mostre que as substâncias das injeções de coronavírus (Covid-19) da Pfizer-BioNTech, Moderna, sejam seguras para qualquer pessoa, inclusive possuem contra indicações para mulheres grávidas e seus bebês no útero, vale também para quem pretende engravidar, ou amamentar o bebê, além disso, após as "vacinas" Pfizer-BioNTech aumentaram 366% abortos espontâneos de acordo com relatório divulgado pela reguladora do Reino Unido.  

A vacina COVID experimental da Johnson e Johnson não é uma vacina de mRNA, é uma vacina de "adenovírus", mas, como as vacinas de mRNA não é uma vacina, mas sim uma terapia genética experimental. A vacina da Johnson e Johnson é produzido em parte com "adenovírus", que é também produzida com "adenovírus" a da AstraZeneca/Oxford, no qual, autoridades na Alemanha suspenderam recentemente o uso devido a relatos de 31 casos de um raro coágulo de sangue cerebral, nove dos quais resultaram em mortes.

Assim, ao fazer com que a decaída reguladora Anvisa permita uso emergência da vacina da Johnson e Johnson podem agora fazer brasileiros de ratos de laboratório com a vacina experimental no público como parte de seus experimentos de Fase 3.

A vacina está sendo produzida na Bélgica, pela mesma empresa que no passado produziu a vacina contra o antraz que destruiu a vida de tantos militares. Pelo menos, 35.000 soldados morreram com a vacina experimental de antraz - mais do que aqueles que morreram em combate no Afeganistão e no Iraque combinados. Isso não é uma vacina, é uma arma silenciosa. Veja como tem matado: A "nova variante" VACINAS COVID: A pandemia de morte induzida

Mesmo pessoas sendo saudáveis morrem após receberem essas "vacinas" Covid de experimento global


Muitos dos que morreram após tomar a vacina COVID-19 apresentavam uma condição pré-existente, mas alguns dos mortos eram saudáveis ​​antes de serem vacinados. Em janeiro passado, um médico de Miami morreu de derrame cerebral duas semanas após ser vacinado com a terapia genética de mRNA experimental chamada de vacina da Pfizer-BioNTech contra o coronavírus.

O Dr. Gregory Michael, um obstetra de 56 anos do Mount Sinai Medical Center em Miami Beach, estava" perfeitamente saudável" antes de tomar a vacina em 18 de dezembro do ano passado, de acordo com a esposa de Michael, Heidi Neckelmann.
“Ele estava com uma saúde muito boa. Ele não fumava, bebia álcool de vez em quando, mas apenas socialmente. Ele malhou, nós tínhamos caiaque, ele era um pescador de alto mar ”, disse ela.

Os médicos determinaram que um número extremamente baixo de plaquetas induziu o derrame de Michael , que Neckelmann acreditava ter sido provocado pela vacina. “Na minha opinião, a morte dele estava 100% ligada à vacina. Não há outra explicação, ”ela acrescentou.

Michael não experimentou nenhuma reação adversa imediata ao experimento vacinal. Mas, três dias após a vacinação, ele notou várias petéquias ou pequenas manchas vermelhas causadas por sangramento sob a pele, nas mãos e nos pés. Quando ele se internou no hospital, os médicos descobriram que ele estava sofrendo de uma falta aguda de plaquetas.

De acordo com Neckelmann, todos os resultados de sangue de Michael voltaram normais, exceto a contagem de plaquetas, que voltou a zero. Um número normal de plaquetas varia de 150.000 a 450.000 plaquetas por microlitro de sangue , de acordo com a Johns Hopkins Medicine. As plaquetas ajudam a coagular o sangue e prevenir o sangramento excessivo.

“No início, eles pensaram que devia ser um engano. Então eles fizeram o teste novamente e desta vez fizeram uma contagem manual que deveria ser mais precisa. Desta vez, mostrou apenas uma plaqueta ”, acrescentou Neckelmann.

Michael acabou sendo diagnosticado com um distúrbio autoimune conhecido como púrpura trombocitopênica idiopática ou trombocitopenia imune. Em pessoas com 
trombocitopenia imune, o sistema imunológico confunde as plaquetas com objetos estranhos e instrui o baço a removê-los, o que reduz o número de plaquetas.

Trombocitopenia imune pode atacar por conta própria ou ocorrer junto com outras doenças auto-imunes e certos tipos de câncer. As crianças podem desenvolver trombocitopenia imune após uma infecção viral, como gripe e caxumba, enquanto os adultos podem desenvolver a doença devido ao HIV , hepatite ou uma infecção causada pela bactéria Helicobacter pylori .

Mas Neckelmann disse que Michael não tinha nenhuma dessas condições. “Eles o testaram para tudo que você pode imaginar depois, até câncer, e não havia absolutamente nada de errado com ele”, disse ela.

“Meu marido conversou com os médicos que disseram ser altamente provável que a causa fosse a vacina”, continuou Neckelmann. "Parece-me possível que de alguma forma instruiu seu corpo a atacar a coisa errada, as plaquetas."

Como sempre a negação continua por parte dos fabricantes, médicos e organizações que se dizem de saúde - A Pfizer divulgou um comunicado em janeiro dizendo que era improvável que sua vacina tenha causado a morte de Michael. “Não houve sinais de segurança relacionados identificados em nossos testes clínicos, na experiência pós-marketing até agora ou com a plataforma de vacina de mRNA”, disse a gigante farmacêutica.
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Compartilhe :VACINA DA MORTE: Já morreram 2.050 pessoas após vacina Covid e poderá matar mais

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Bill gates | Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | Governo | medicina | saúde | Sociedade | Vacina | Vacinação


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.