A "nova variante" VACINAS COVID: A pandemia de morte induzida

Sociedade: A "nova variante" VACINAS COVID: A pandemia de morte induzida... A notícia se soma a um número crescente de relatos de pessoas morrendo logo após receber as vacinas COVID-19

Fabio Allves
Compartilhe:
Coronavírus

A notícia se soma a um número crescente de relatos de pessoas morrendo logo após receber as vacinas COVID-19  que são experimentais. Agora, mais nove idosos residentes em lares de idosos na Espanha se juntaram as mortes induzidas por vacinas e outros 69 testaram positivo para COVID-19 após terem recebido a primeira dose da vacinação COVID da Pfizer com tecnologia de mRNA.

O lar de idosos El Salvador em Toledo, na Espanha, administrado pelos“ Mensageiros da Paz ”, começou a administrar as primeiras doses da vacina experimental da Pfizer em 13 de janeiro. Após seis dias, dez residentes começaram a demonstrar sintomas de COVID-19, o que resultou rapidamente em um grande número de residentes e funcionários apresentando sintomas. Em 2 de fevereiro, havia um total de nove residentes que morreram após a injeção, mais 5 no hospital e 33 membros da equipe que tiveram resultados positivos de acordo com os testes de PCR que na maioria das vezes acusam com falsos positivos.

Em declarações à rádio espanhola COPE, Sergio Mella, diretor-geral dos Mensageiros da Paz, disse que durante as chamadas “primeira” e “segundas ondas” do vírus, a casa esteve “completamente livre” de qualquer da infecção, e que o vírus só apareceu após a vacina ter sido administrada. Ele acrescentou que os protocolos de higiene COVID foram cuidadosamente respeitados dentro da casa de saúde.

Apesar dessa correlação peculiar de eventos, Mella não atribuiu nada às injeções, mas chamou as mortes e infecções de uma “coincidência”. (Será? Dado ao fato que idosos em todo o mundo vem morrendo repentinamente desde que começaram a vacina-los)

Ele sugeriu que um dos que administravam as injeções carregavam e espalhavam o vírus de forma assintomática, mesmo com a ciência já ter provado que assintomáticos não espalham o vírus, mas ele alegou que um membro da equipe havia se infectado com o vírus na mesma época em que a vacina foi aplicada. 

Mella pediu uma ampla aceitação nacional da vacina experimental, e relatórios observam que a casa anunciou sua intenção de continuar a rotina de vacinação, administrando a segunda dose da vacina em 3 de fevereiro. Outros testes de PCR foram programados para serem realizados dois dias mais tarde.

A pandemia de morte sustentada por vacinas COVID que são experimentais


No início de fevereiro, 35 religiosas católicas em Kentucky, Estados Unidos receberam a primeira dose da vacina da Pfizer. O convento foi completamente fechado, sem entrada ou saída, mas dois dias após as injeções, duas freiras morreram e 26 tiveram resultado positivo para o vírus.

Cenas semelhantes foram encontradas na Holanda , quando em 30 de janeiro de 106 residentes em uma casa de repouso em Amersfoort receberam sua primeira dose de uma injeção de COVID. Como em El Salvador, a casa não tinha visto nenhum caso do vírus desde o surgimento da infecção no ano passado. No entanto, em duas semanas, mais de 70 residentes testaram positivo para o vírus e, em 22 de fevereiro, vinte e dois residentes morreram .

Outro lar de idosos na Espanha administrou a primeira dose da vacina experimental da Pfizer no início de janeiro e, em 12 de janeiro, a equipe relatou um surto do vírus em casa. No final do mês, 46 residentes morreram, 28 dos 94 residentes testaram positivo para o vírus, bem como 12 funcionários

No Brasil, no Acre em um Lar de Idosos (Lar Vicentinos)- No dia 20 de janeiro de 2021, cerca de 69 pessoas, entre os idosos e os funcionários, começaram a ser vacinados com a primeira dose da vacina CoronaVac. Especialistas dizem que a vacina leva 2 semanas para fazer efeito, no entanto, Agora mais que passado o prazo de efeito da vacina o Lar de repouso registrou um surto de Covid-19 em um grupo de 23 idosos, dos 54 que vivem no Lar Vicentinos, em Rio Branco, foram diagnosticados com Covid-19, nesse final de semana (para onde foram a eficácia e segurança?). A informação foi confirmada pela diretoria do abrigo, em nota, divulgada no domingo (28). 

No Brasil  - Outros relatos, é de um vídeo em entrevista com uma jornalista do canal da Jovem Pan ( Pingos nos is)em que dize que 501 pessoas morreram após vacinar. Outras 11 mil tiveram algum tipo de reação adversa num período de 45 dias. Entre os efeitos colaterais, 156 são permanentes, 13 abortos, 139 assimetrias faciais e 383 pessoas ofereceram risco de morte.  A vacina virou uma "roleta russa" e tem gente querendo discutir sua obrigatoriedade diz a jornalista. 

Tais casos estão sendo relatados em todo o mundo, como mortes ou infecções por COVID-19, ocorrendo imediatamente após as vacinações COVID.


Escrevendo para LifeSite, Celeste McGovern reuniu estatísticas de eventos desse tipo em todo o mundo:

  • 29 idosos morreram na Noruega logo após receber a vacinação da Pfizer.
  • 13 mortes entre 40 residentes após a vacinação em uma casa de repouso na Alemanha foram descartadas como "coincidência trágica".
  • 10 mortes de  pacientes alemão de cuidados paliativos dentro de horas a quatro dias após a vacinação contra a COVID-19 foram consideradas uma "coincidência".
  • 22 de 72 residentes de uma casa de repouso em Basingstoke, Inglaterra , morreram após a vacinação.
  • Foi relatado que 24 idosos em uma casa de repouso em Syracuse, NY, morreram de COVID-19 em 9 de janeiro de 2021, apesar de terem sido vacinados a partir de 22 de dezembro de 2020.
  • 10 casos de COVID-19 foram relatados em 28 de janeiro entre idosos que receberam ambas as doses da vacina da Pfizer em uma casa de saúde em Estocolmo, Suécia. Os residentes foram vacinados em 27 de dezembro e novamente em 19 de janeiro.
  • O número de mortes do COVID-19 no pequeno enclave britânico de Gibraltar chegou a 16 antes de lançar sua campanha de vacinação da Pfizer em 10 de janeiro de 2021 e disparou para 53 mortes 10 dias depois e para 70 sete dias depois disso. De acordo com um relatório da Reuters , a Autoridade de Saúde de Gibraltar declarou que não havia "nenhuma evidência de qualquer relação causal" entre 6 das mortes investigadas com a vacina da Pfizer, apesar dos indivíduos terem testado negativo para Covid-19 antes da vacinação, mas positivo “nos dias imediatamente posteriores”.
  • 4.500 casos de COVID-19 em Israel ocorreram em pacientes após terem recebido uma dose da vacina da Pfizer e 375 desses pacientes vacinados necessitaram de hospitalização, noticiou a mídia israelense em 12 de janeiro.
  • Sete adultos que vivem em uma casa de repouso em Saskatoon testaram positivo para coronavírus uma semana depois que os residentes foram vacinados no Centro Comunitário de Sherbrooke, informou o CBC . Não houve casos positivos no momento da vacinação.
  • Sete residentes em uma instituição de cuidados de longo prazo em Montreal testaram positivo para Covid-19 em 28 dias após serem vacinados com a vacina da Pfizer, o que levou a província de Quebec a adiar a segunda dose da Pfizer.
  • Abercorn Care Home na Escócia, que começou a vacinação COVID-19 em 14 de dezembro de 2020, foi o lar de um surto do vírus em 10 de janeiro e o Serviço Nacional de Saúde da região se recusou a comentar se os residentes vacinados estavam doentes. O fundador de um grupo de funcionários de lares de idosos disse ao Scottish Daily Record : “Tivemos membros de nosso grupo cujos pais receberam a vacina e, duas semanas depois, testaram positivo para coronavírus.
  • Todos os residentes de uma casa em Inverness, Escócia, foram vacinados contra COVID-19 no início de janeiro, mas 17 foram infectados com o vírus após a primeira dose.

Desde o lançamento da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19 , os dados mais recentes do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas ( VAERS ) do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) registraram um total de 929 mortes de 15 de dezembro de 2020, até 12 de fevereiro de 2021, responsável por quase 6% de 15.923 eventos adversos no relatório do sistema.

Na semana passada, durante a conferência LifeSiteNews sobre COVID-19, um painel de médicos alertou sobre os perigos potenciais das vacinas experimentais sendo usadas contra COVID-19, mencionando efeitos colaterais prejudiciais e até mortes.

A Dra. Sherri Tenpenny explicou que o anticorpo assim criado em resposta à injeção de COVID, “em vez de proteger você se você for exposto a esse patógeno, o que ele faz é deixá-lo mais doente, ativa todas as cascatas autoimunes que foram criadas por este anticorpo e começa a atacar seu fígado, seus pulmões e seus rins. ” “Esse anticorpo pode literalmente entrar em seus pulmões e matar seu tecido pulmonar.”

Com esses resultados, Tenpenny previu uma "cascata auto-imune" , que causaria uma doença generalizada e fatalidade: "todos serão igualmente danificados agora."

Não é de admirar que as pessoas no Brasil vão testarem positivo após suas vacinações, já que vão receber o antígeno do vírus inativado ou "enfraquecido" do SARSCoV-2/ Covid-19 da vacina CoronaVac, o que significa que vão está infectados com o patógeno supostamente "morto", em outras palavras, serão infectados com o vírus morto das vacinas, mas não apresenta sintomas, será um infectado assintomático se a vacina não causar doenças auto-imunes, devido ao vírus real e os adjuvantes tóxicos, como o Alumínio, rotineiramente adicionados em algumas vacinas.

Compartilhe:

EXPLORE MAIS SOBRE:

Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | Governo | medicina | saúde | Sociedade
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.