"Varíola dos macacos" é um encobrimento de efeitos adversos induzidos por vacinas COVID, sugerem evidências

Novas evidências sugerem que a varíola dos macacos é um encobrimento para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids)


"Varíola dos macacos" é um encobrimento de efeitos adversos induzidos por vacinas COVID, sugerem evidências

Novas evidências sugerem que a varíola dos macacos é um encobrimento para a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, também chamada de AIDS ou SIDA, induzida pela vacina COVID-19. Durante os mais de 40 anos em que a AIDS esteve em torno da esmagadora maioria dos casos e mortes foram homens que fazem sexo com homens (homens gays e bissexuais) e usuários de drogas intravenosas na América do Norte, Europa e outros países desenvolvidos, conforme documentados.

O que até então era conhecido como um vírus da família do retrovírus que causa especificamente Síndrome da Imunodeficiência Adquirida -  uma condição supostamente causada pela infecção do vírus da imunodeficiência humana (HIV) - (Veja a verdade aqui: Parte 1: HIV não causa AIDS) - , que consequentemente desenvolve para a condição da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), agora está acontecendo algo semelhante no sistema do corpo daqueles totalmente vacinados.

Se as evidências forem precisas, o histrionismo sobre a varíola dos macacos é injustificado, pois este não é o primeiro vírus da varíola dos macacos a se espalhar pelas nações do primeiro mundo. Em vez disso, parece que estamos vendo um encobrimento de danos infligidos ao sistema imunológico daqueles que receberam a vacina de coronavírus. Esse dano pode ser extenso a ponto de se assemelhar à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Quais são as origens do vírus da varíola dos macacos?


Volte para a década de 1970, e a varíola dos macacos foi um grande problema, pois esse foi o momento em que o vírus foi identificado pela primeira vez em seres humanos. O vírus foi inicialmente identificado em pessoas na República Democrática do Congo. Desde então, casos humanos de varíola dos macacos foram relatados em quase uma dúzia de nações africanas.

Na realidade, a doença da varíola dos macacos é incrivelmente rara, raramente foi vista fora da África e, de fato, nunca apareceu em vários países fora da África simultaneamente. Desta vez, no entanto, somos informados de novos casos de varíola nos Estados Unidos, Europa, Canadá e outros lugares, todos em uníssono. (Veja também: A AIDS da imunossupressão induzida por "vacinas" COVID está aumentando taxas de doenças?)

Coincidência? Sintomas de suposta varíola de macaco semelhantes ao efeito adverso da vacina COVID listado


Os sintomas da varíola são semelhantes aos do herpes. No entanto, talvez o mais chocante seja que o herpes é considerado um evento adverso de COVID documentado pela Pfizer. Embora essa revelação tenha sido tornada pública nos documentos publicados pela FDA no início deste ano, a grande mídia não deu muito crédito a ela. (Veja também: A FDA, sabia o tempo todo que as “vacinas” covid causam replicação viral, diz o Dr. Robert Malone)

Os sintomas do herpes geralmente incluem:


Está ficando cada vez mais claro que os sintomas da vacina COVID-19 se manifestam de forma semelhante aos da varíola e do herpes, levando os indivíduos preocupados a obter a vacinação contra a varíola quando a verdade é que é a própria vacina que é a causa raiz da doença. Problemas.

Veja como a vacina COVID afeta o sistema imunológico


Ligue o noticiário noturno e você ouvirá a palavra de reforços específicos para cada variantes. As autoridades de saúde pública, cheias de conflitos de interesses com a indústria farmacêutica, agora sugere que as pessoas continuem tomando doses de reforço específicas para cada variante exclusiva do coronavírus, enquanto a indústria farmacêutica e autoridades de saúde corruptas enchem seus bolsos com milhares de dólares.

 Além disso, essas doses de reforço específicas da variante são adicionais aos dois reforços iniciais fornecidos nos meses anteriores. Some todas as vacinas contra o coronavírus até o final do ano e o total pode estar na casa dos dois dígitos. É justo questionar se tal litania de injeções afetará negativamente o sistema imunológico humano.

Teoricamente, a vacina de coronavírus foi projetada para treinar o sistema imunológico a reconhecer a proteína de pico de coronavírus da cepa original, transformando suas células em uma fábrica de proteína de pico, estimulando a geração de anticorpos para uso potencial no futuro. O sistema imunológico é então encarregado de combater o vírus, mas a eficácia da vacina acaba se dissipando e causando danos ao sistema imunológico.

Eles concluem: “É imperativo que a administração mundial das vacinas de mRNA seja interrompida imediatamente até que mais estudos sejam realizados para determinar a extensão das possíveis consequências patológicas”

Independentemente do suposto mecanismo de ação da vacina, não é necessário ir além dos dados sobre as mortes por coronavírus com base no status da vacina para perceber que a síndrome da imunodeficiência adquirida através da vacina tem o potencial de causar a ativação do herpes inativo.

 O que tenho alertado já desde do ano passado sobre vacinas COVID e em especial, as de retorço, é que elas tornam as pessoas imunocomprometidas após alguns meses de "eficacia" que por sua vez, facilita essas pessoas adoecerem. Isso agora foi admitido pela própria Organização Mundial de Saúde financiada pelo eugenista Bill Gates e pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), afirmando publicamente que as doses de reforços podem danificar o sistema imunológico dos indivíduos. (Ver mais)

Fique atento, pois mais detalhes sobre as possíveis ligações entre a vacina contra o coronavírus e outros problemas de saúde são revelados nos próximos meses.

Veja mais:
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.