Com a vacina, RJ vê aumento de hospitalizações por covid triplicar em apenas 4 dias

Vacinação: Com a vacina, RJ vê aumento de hospitalizações por covid triplicar em apenas 4 dias... O estado do Rio de Janeiro teve neste mês uma disparada na fila por leitos para doentes com covid-19

Fabio Allves
Compartilhe:
Com a vacina, RJ vê aumento de hospitalizações por covid triplicar em apenas 4 dias

O estado do Rio de Janeiro com uma população total (Estatísticas IBGE/2020) 6.747.815  milhões de habitantes, com sua população de 4.062.334 totalmente vacinada para a Covid, em vez de diminuir os casos prometidos pelas campanhas de vacinação, teve neste mês uma disparada na fila por leitos para doentes supostamente com covid-19. Entre os dias 8 e 12, o número de pessoas à espera de leito (de UTI ou enfermaria) subiu de 54 para 152, quase três vezes. Trata-se da maior fila para internação em três meses após as injeções no Estado.

A central de regulação de leitos alertou para a necessidade de se abrir mais vagas de internação em um dos hospitais da rede estadual, que atende a Baixada Fluminense. O pedido consta em documento interno da SES (Secretaria de Estado de Saúde) obtido pelo portal UOL.

O secretário de Saúde, Alexandre Chieppe, disse ao UOL que há um "aumento significativo", mas disse que não faltam leitos. Na quinta-feira (12), última data disponível, houve 125 pedidos de transferência para a rede estadual. Veja também, que coincidência: 95% dos pacientes graves em hospitais israelenses são de vacinados: o golpe na humanidade continuará

Temos um plano de contingência bem desenhado e o número de leitos segue o cenário epidemiológico. O número oscila e, nesse momento, aumenta, mas não há falta de leitos."Alexandre Chieppe, secretário de saúde do Rio de Janeiro.

Com o aumento das solicitações, foi feito um pedido de abertura de leitos para covid-19 no Hospital Estadual Ricardo Cruz, em Nova Iguaçu, que poderia atender moradores da Baixada Fluminense. O secretário disse que isso "está sendo avaliado". Veja mais: “Totalmente vacinados” Gibraltar vê aumento de 2.500% em casos “Covid”

Dois índices medem a movimentação nos hospitais: 
  • Fila de espera para internação: pessoas que buscam uma unidade para atendimento e não encontram leitos.
  • Número de solicitações de transferência: a quantidade diária de solicitações por um leito dentro do sistema estadual de saúde; quanto maior este número, mais lotados estão os hospitais.
No Rio, ambos estão em disparada e autoridades citam o avanço da (delta) como principal motivo. Isso provavelmente não vai ficar só no Rio, mas o Interessante é que de acordo aumentam os números de vacinação na população, simultaneamente aumentam os números de pessoas procurando atendimento por problemas de saúde, e igualmente avança a suposta variante (delta),  coincidência? Recomendado: Vacinas Covid causam a MUTAÇÃO e vai manter o feedback de vacinação e mortes por vacinas

Com a vacina, RJ vê aumento de hospitalizações por covid triplicar em apenas 4 dias

No Brasil já são mais de 51 milhões de pessoas totalmente vacinadas, e 121 milhões que tomaram pelo menos a 1 dose. Logo podemos esperar aumentos em todo o Brasil e que virá vacinas de 3, 4,5, 6 doses e assim sucessivamente, que provavelmente manterá esse teatro de pandemia para aplicação dessas substâncias experimentais que mata, justificar a remoção dos direitos e destruição da "democracia".

Aumenta mortalidade no Brasil de acordo vacinam a população


A doutora e especialidade em Ivermectina, Lucy Kerr, publicou em seu Instagram,  uma análise dos dados, comparando a mortalidade dos brasileiros após as injeções e os resultados são chocantes para muitos.

Dra. Lucy Kerr escreve:

 O que você prefere Vacina ou Ivermectina (IVM)? 
Vamos ver os dados do Portal da Transparência, que recebe certidões de óbitos diretamente dos cartórios e nele podemos verificar que:
No Ano de 2020, de fevereiro a dezembro, houve 194.949 mortes por COVID-19. Foram 10 meses, logo 300 dias. Média diária = 649 mortes
Ano 2021, após o início da vacinação (17 de janeiro) até 17.08.21, houve 374.000 mortes. Foram 7 meses, logo 210 dias. Média diária = 1.780 mortes, ou seja, com a vacinação a mortalidade no Brasil aumentou 2,74 vezes, quase triplicou.
O detalhe cruel é que essas notícias não foram veiculadas na mídia e as pessoas estão iludidas achando que vacinar lhes dará a proteção que esperam e não aumentará o risco da mortalidade.

A melhor forma de se tratar uma doença é com remédio que seja seguro e eficaz, que é o caso da IVM.

Basta ver a Índia: Tinha apenas 181 mortes por COVID-19 no dia 16 de janeiro de 2021 no início da vacinação e até dezembro de 2020 usava a IVM para prevenção e tratamento da COVID-19. A partir daí houve um aumento de 24,6 vezes na mortalidade, atingindo o pico de 4454 mortes em 21 de maio de 2021. Decidiram suspender a vacinação em maio e no dia 16 de agosto de 2021, após três meses da suspensão da vacina e reinício da IVM, a queda da mortalidade foi de 90.6% em relação ao pico, ou seja, a Índia tinha apenas 417 mortos nesse dia, mas esse número AINDA representa quase o triplo do que havia no início da vacinação.
A Índia tem uma população sete vezes maior do que o Brasil e no dia 15 de agosto 2021 a mortalidade por COVID-19 aqui foi de 860 Mortes por dia (média móvel), o que equivaleria a 6020 óbitos por dia se Brasil tivéssemos a população da Índia, ou 14.4 vezes mais mortos. Chocante, não é?



De acordo vacinam milhões os casos tendem só aumentar entre vacinados e não vacinados e mutação viral


Agora, você provavelmente já ouviu as notícias dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA de que as “vacinas” do coronavírus Covid-19 são um fracasso total, no qual, o CDC afirma que pessoas totalmente vacinadas são possíveis transmissores da doença. 

Foi dito aos vacinados que tomar a vacina iria “parar a propagação” ou diminuir os casos graves, resultando em um “novo normal” sem máscaras faciais, isolamento social e a recuperação da crise econômica. Acontece que o oposto é verdadeiro, já que os injetados foram declarados como basicamente como possíveis “super-propagadores”.

. Quando os “efeitos colaterais” realmente começarem a se manifestar, se é que já não começou, como podemos ver acima, muitos terão seu arrependimento, e certamente se transformará em mortes subsequentes e raiva.

Infelizmente, muitos serão enganados novamente e culparão os não vacinados por seus problemas de saúde, à medida que a grande mídia espalha novas mentiras dizendo como o motivo pelo qual as pessoas vacinadas estão adoecendo é porque outras pessoas optaram por não ser vacinadas, e assim, mantendo a enganação e impondo esse veneno à força nas massas.

Meses atrás a propaganda dessas substâncias experimentais chamadas de vacinas, eram de eficácia e segura e que acabaria com a pandemia e tudo voltaria ao normal, no entanto, tudo uma grande farsa. Agora sabermos que essas armas biológicas disfarçadas de cura, estão sendo o problema não a solução, no entanto, esse problema é depositado em narrativas falsas de variantes, que, na verdade, é a própria vacina matando lento e silenciosamente. 

Esse é o maior golpe de genocídio na humanidade acontecendo disfarçado de saúde pública perpetrada pela grande mídia da massa. Sem bombas, sem armas de fogo, etc. Uma guerra contra a humanidade silenciosa disfarçada de ajuda sanitária - A melhor arma é aquela que você pode convencer as pessoas a aceitarem um tiro silencioso cheio de esperança vã.

Compartilhe:

EXPLORE MAIS SOBRE:

Ciência | Ciência e tecnologia | Coronavírus | Covid-19 | saúde | Sociedade | Vacina | Vacinação
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.