Não há emergência climática: Mais de 1.600 cientistas e profissionais assinam declaração

Mais de 1.600 cientistas assinaram uma declaração conjunta afirmando que não há necessidade de alarmismo climático.

Não há emergência climática: Mais de 1.600 cientistas e profissionais assinam declaração

Cientistas internacionais assinaram conjuntamente uma declaração rejeitando a existência de uma crise climática e insistindo que o dióxido de carbono (CO2) é benéfico para a Terra.
"Não há emergência climática", disse o Global Climate Intelligence Group (CLINTEL) em sua Declaração Mundial do Clima (pdf), tornada pública em agosto. 

"A ciência climática deve ser menos política, enquanto as políticas climáticas devem ser mais científicas. Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros em suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos devem contar desapaixonadamente os custos reais, bem como os benefícios imaginados de suas medidas políticas."

Um total de 1.609 cientistas e profissionais de todo o mundo assinaram a declaração, incluindo 321 dos Estados Unidos. A coalizão apontou que o clima da Terra variou enquanto existiu, com o planeta passando por várias fases frias e quentes. A Pequena Idade do Gelo só terminou em 1850, disseram. "Portanto, não é surpresa que estejamos vivendo um período de aquecimento", diz a declaração.

(Se não há crise climática, então, o que está acontecendo com o planeta? Saiba aqui: PARTE 1 - VÃO USAR MENTIRAS DE "AQUECIMENTO GLOBAL", mas é geoengenharia que colapsará nosso planeta, a humanidade e controle mental... Manipulação climática para colapsar os países)

O aquecimento está acontecendo "muito mais lentamente" do que o previsto pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.


"Os modelos climáticos têm muitas deficiências e não são remotamente plausíveis como ferramentas políticas", disse a coalizão, acrescentando que esses modelos "exageram o efeito dos gases de efeito estufa" e "ignoram o fato de que enriquecer a atmosfera com CO2 é benéfico". Por exemplo, embora os alarmistas climáticos caracterizem o CO2 como prejudicial ao meio ambiente, a coalizão apontou que o gás "não é um poluente".

O dióxido de carbono é "essencial" para toda a vida na Terra e é "favorável" para a natureza. O CO2 extra resulta no crescimento da biomassa vegetal global, ao mesmo tempo em que aumenta a produtividade das culturas em todo o mundo.

A CLINTEL também rejeitou a narrativa de que o aquecimento global está ligado ao aumento de desastres naturais como furacões, inundações e secas, enfatizando que "não há evidências estatísticas" para apoiar essas afirmações. (Relacionado: Mudanças climáticas são baseadas em narrativas falsas, diz ex-fundador do Greempeace, Patrick Moore
)

"Não há emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Opomo-nos veementemente à política nociva e irrealista de emissões líquidas zero de CO2 proposta para 2050. Opte pela adaptação em vez da mitigação; A adaptação funciona sejam quais forem as causas", disse.

"Acreditar no resultado de um modelo climático é acreditar no que os fabricantes do modelo colocaram. Esse é justamente o problema da discussão climática atual, para a qual os modelos climáticos são centrais. A ciência climática degenerou em uma discussão baseada em crenças, não em ciência autocrítica sólida. Não deveríamos nos libertar da crença ingênua em modelos climáticos imaturos?"

Modelos Climáticos e Reflexão da Luz Solar 


Entre os signatários do CLINTEL estão dois ganhadores do Nobel: o físico John Francis Clauser, dos Estados Unidos, e o norueguês-americano Ivan Giaever. (Relacionado: "Não há crise climática": Ganhador do Prêmio Nobel Dr. John F. Clauser assinou a "Declaração Mundial do Clima")

Clauser fez uma adição significativa aos modelos climáticos para descartar a narrativa do aquecimento global: a luz visível refletida por nuvens cumulus que, em média, cobrem metade da Terra.

Os modelos climáticos atuais subestimam amplamente esse aspecto da reflexão das nuvens cumulus, que desempenha um papel fundamental na regulação da temperatura da Terra. Clauser já havia dito ao presidente Joe Biden que discordava de suas políticas climáticas.

Em maio, Clauser foi eleito para o conselho de administração da CO2 Coalition, um grupo focado nas contribuições benéficas do dióxido de carbono no meio ambiente.

"A narrativa popular sobre a mudança climática reflete uma perigosa corrupção da ciência que ameaça a economia mundial e o bem-estar de bilhões de pessoas", disse Clauser em um comunicado de 5 de maio.

"A ciência climática equivocada se transformou em uma pseudociência jornalística de choque massiva. Por sua vez, a pseudociência tornou-se um bode expiatório para uma ampla variedade de outros males não relacionados."

"Ela foi promovida e ampliada por agentes de marketing empresarial igualmente equivocados, políticos, jornalistas, agências governamentais e ambientalistas. Na minha opinião, não há uma crise climática real." (Relacionado: MAIS DE 31.000 CIENTISTAS DIZEM QUE O AQUECIMENTO GLOBAL É UMA FARSA
)

Falsas previsões apocalípticas, uma questão presidencial


A declaração da CLINTEL contra a narrativa das mudanças climáticas contraria a propaganda difundida por alarmistas climáticos que há muito preveem cenários apocalípticos desencadeados pelo aquecimento global – nenhum dos quais jamais se tornou realidade.

Em 1970, alguns cientistas climáticos previram que a Terra entraria em uma nova era glacial no século 21. O especialista em poluição James Lodge previu que "a poluição do ar pode obliterar o sol e causar uma nova era do gelo no primeiro terço do novo século", de acordo com o The Boston Globe.

Os participantes seguram cartazes enquanto participam de uma manifestação exigindo que o governo tome medidas imediatas contra as mudanças climáticas em Sydney, Austrália, em 10 de janeiro de 2020. (Mohammed Farooq/AFP via Getty Images)

Em maio de 1982, Mostafa Tolba, então diretor-executivo do programa ambiental das Nações Unidas, disse que, se o mundo não mudasse de rumo, enfrentaria uma "catástrofe ambiental que testemunhará uma devastação tão completa, tão irreversível, quanto qualquer holocausto nuclear" até 2000.

Em junho de 2008, James Hansen, diretor do Instituto Goddard de Ciências Espaciais da NASA, disse que dentro de cinco a 10 anos, o Ártico não teria mais gelo no verão.

À medida que os alarmistas climáticos continuam a espalhar propaganda sobre o aquecimento global, o tema se tornou um assunto na corrida presidencial de 2024, com vários candidatos rejeitando abertamente.

Em um post de 13 de julho no X, o candidato presidencial democrata Robert F. Kennedy Jr. disse que a mudança climática "está sendo usada para nos controlar através do medo".

"A liberdade e o livre mercado são uma maneira muito melhor de parar a poluição. Os poluidores enriquecem fazendo com que o público pague pelos danos que fazem", disse.
Durante o primeiro debate presidencial do Partido Republicano de 2024, o candidato Vivek Ramaswamy chamou a mudança climática de "farsa".

"A realidade é que a agenda anticarbono é o cobertor molhado da nossa economia. E, portanto, a realidade é que mais pessoas estão morrendo de más políticas de mudança climática do que de mudanças climáticas reais", disse ele.

Altas temperaturas, repressão de aparelhos de BidenAtivistas climáticos têm insistido que o aquecimento global é responsável pelo aumento das temperaturas nos Estados Unidos, chegando a afirmar que as temperaturas estão atingindo níveis recordes.

Em entrevista recente ao The Epoch Times, John Christy, climatologista e professor de ciência atmosférica da Universidade do Alabama, em Huntsville, descartou a narrativa de altas temperaturas recordes.

"Regionalmente, o Oeste viu seu maior número de registros de verão quente nos últimos 100 anos, mas o Vale de Ohio e o Meio-Oeste Superior estão experimentando seu menor", disse ele.

"Para os EUA como um todo, os últimos 10 anos produziram apenas um número médio de registros. Os anos 1930 ainda são campeões."

As políticas de mudança climática têm sido usadas para justificar mudanças radicais no estilo de vida nos Estados Unidos pelo Departamento de Energia, como restringir eletrodomésticos e, às vezes, até proibi-los totalmente.

Em junho, o Departamento de Energia propôs regras que exigiriam que os ventiladores de teto se tornassem mais eficientes em termos de energia, um desenvolvimento que poderia levar os fabricantes a desembolsar US$ 86,6 milhões por ano em "custos de equipamentos aumentados".

Em fevereiro, o DOE propôs regras de eficiência energética direcionadas aos fogões a gás que afetariam metade de todos os novos modelos desses fogões vendidos nos Estados Unidos, tornando a maioria dos existentes não compatíveis.

Em julho, a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos EUA propôs uma política que removeria quase todos os geradores portáteis a gás existentes do mercado.

O governo Biden já implementou a proibição de lâmpadas incandescentes, que entrou em vigor em 1º de agosto.

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu