Mapas climáticos MANIPULADOS para enganar e manter o golpe da falácia do aquecimento global

Os New Times aqui revelam como os números são distorcidos e que há dois mapas paralelos, um para cientistas e outro grosseiramente enganoso.


Mapas climáticos MANIPULADOS para enganar e manter o golpe da falácia do aquecimento global

Os mapas climáticos divulgados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), uma instituição ligada ao governo estadunidense que faz parte do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, parecem ter sido manipulados para enganar as pessoas e manter a falácia do "aquecimento global", que, na verdade, é um esquema geopolítico para moldar as políticas globais sobre o disfarce de que há um aquecimento no globo.

Em maio, a NOAA divulgou o que chamou de mapas climáticos "muito informativos" que exibem a temperatura média em todo o mundo em abril de 2023 em comparação com o normal climático. No entanto, o jornal sueco New Times apontou que os dois mapas paralelos da agência se contradizem – embora tenham usado absolutamente os mesmos dados de medição. Ambos os mapas também partem dos registros oficiais de temperatura de muitos países para aquele mês, que mostraram uma primavera mais fria do que o normal.

Os New Times revelam como os números são distorcidos e que há dois mapas paralelos, um para cientistas e outro grosseiramente enganoso mostrado ao público.

O primeiro mapa divulgado pela NOAA mostra as mudanças de temperatura da terra e do mar em relação à média de abril, onde a média é calculada com base na norma climática de 30 anos, neste caso o período entre 1991 e 2020. Ele é graduado por cores em uma escala com precisão de 0,5 grau – exibindo desvios mais frios em tons azuis, neutros em branco e desvios mais quentes em vermelho. Esse mapa é o que os pesquisadores do clima costumam usar.

O segundo mapa, que a NOAA publicou no site dos Centros Nacionais de Informação Ambiental, é usado pela grande mídia ao fazer relatórios climáticos. Este "mapa adaptado à mídia" não menciona temperaturas, porcentagens ou qualquer valor verdadeiro. Em vez disso, as temperaturas indefinidas são contrastadas com uma média, que também não é claramente especificada, ao contrário da "versão pesquisadora" do mapa. 

Vendo vermelho: mapa da NOAA para a mídia está "quente" por toda parte


Vale a pena notar que, ao contrário do primeiro mapa fornecido aos pesquisadores pela NOAA, o segundo mapa é quase completamente vermelho. Os tons de azul mais fracos são muito acinzentados, produzindo a ilusão de que tudo parece mais quente e nada mais frio. Causou uma impressão enganosa de que abril está mais quente do que o normal, mesmo em partes do mundo onde os dados oficiais mostram o contrário.

Recordes de frio e neve foram estabelecidos globalmente para as estações de inverno e primavera. Todos os continentes experimentaram frio e precipitação que difere substancialmente do chamado normal climático, que é a média dos dados de medição idênticos ao longo de três décadas. (Veja também: Ruptura climática: não é devido ao CO2)

Um exame recente em detalhes de dados de temperatura, neve e gelo para os meses de abril e maio de todo o mundo encontrou inúmeras variações interessantes. Além disso, a massa de neve e a quantidade de água no hemisfério norte da temporada de inverno são consideravelmente maiores do que o normal.

Conforme relatado pela autoridade climática canadense Environment and Climate Change Canada (ECCC), suas próprias estatísticas revelaram que as quantidades de água presas na massa de neve do hemisfério norte no final de abril deste ano somam cerca de 2.600 quilômetros cúbicos. A norma é de apenas cerca de 1.600 quilômetros cúbicos.

Isso indica que este inverno foi mais de 60% mais rico em neve do que o normal para o período entre 1998 e 2011. Em pelo menos 13 estados, muitos dos quais situados no sul dos EUA, a neve cobriu de duas a 4,5 vezes mais áreas do que o normal.

"O que torna essa fraude de temperatura tão séria é que ela é usada para provar um suposto aquecimento global causado pelo homem, uma narrativa que os globalistas usam para impor aos governos e populações do mundo uma reestruturação total da sociedade e de nossas vidas", escreveu Christer Ericsson, do New Times.

"Esses mandatos já prejudicaram seriamente a segurança energética e alimentar, corroendo os tesouros ocidentais e as economias privadas, e tirando uma grande parte de nossa liberdade e qualidade de vida."
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu