Mais de 1.600 cientistas assinam declaração: "Não existe emergência climática"

Mais de 1.600 estão declarando que as mudanças climáticas causadas pelo homem são um mito.




Nem todos no campo da ciência abandonaram a verdade de que o dióxido de carbono (CO2) e outros "gases chamados de efeito estufa" são bons para as pessoas e para o planeta, em vez de ruins. O CO2 é de fato, a “molécula da vida” para as plantas e consequentemente para os seres humanos que dependem das culturas alimentares.

Mais de 1.600 cientistas – 1.609 até o momento, para ser mais preciso – pertencentes ao Global Climate Intelligence Group (CLINTEL) assinaram a Declaração Mundial do Clima em agosto, declarando que as mudanças climáticas causadas pelo homem são um mito.

Ao contrário da falácia esquerdista, não há "emergência climática", o que significa que não há necessidade de abandonar os combustíveis "fósseis" terrestres, impostos de carbono ou pegada de carbono, ou como gás e petróleo, em favor de turbinas eólicas barulhentas e feias e painéis solares de fabricação chinesa. 

"Não há emergência climática", diz a CLINTEL.

"A ciência climática deve ser menos política, enquanto as políticas climáticas devem ser mais científicas. Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros em suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos devem contar desapaixonadamente os custos reais, bem como os benefícios imaginados de suas medidas políticas."

A maioria dos modelos climáticos são falsos e não devem ser usados para formar políticas


Desde que a Terra existiu, o clima sempre mudou, diz este grupo de cientistas e outros especialistas. Às vezes faz frio, outras vezes esquenta – e tirar carne, carros e liberdade nunca vai mudar isso. (Relacionado: Fórum Econômico Mundial pede o fim da propriedade privada de veículos particulares... "Você não terá nada e será feliz".)

Ainda em 1850, a Terra passou por uma "Pequena Idade do Gelo", por isso "não é surpresa", afirma a declaração, "que agora estejamos vivendo um período de aquecimento".

O governo e a mídia adoram fazer muito barulho sobre nada em relação às mudanças climáticas. Todo esse "aquecimento global" que eles adoram falar não é tão ruim assim.

"O aquecimento está acontecendo 'muito mais devagar' do que o previsto pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas", escreveu Naveen Athrappully em um relatório para o The Epoch Times.

Como temos vindo a dizer há algum tempo, o CO2 e outros gases com efeito de estufa são bons para o planeta. O CO2, em particular, é "essencial" para toda a vida na Terra, e é extremamente "favorável" para a natureza e para o próprio esverdeamento do planeta.

"Os modelos climáticos têm muitas deficiências e não são remotamente plausíveis como ferramentas políticas", alerta a coligação, acrescentando que estes mesmos modelos "exageram o efeito dos gases com efeito de estufa" e "ignoram o facto de que enriquecer a atmosfera com CO2 é benéfico".

Embora tentem repetidamente denegri-lo como um poluente, os cultistas do clima estão errando, errando e errando cada vez mais cada vez que se referem ao CO2 como algum tipo de flagelo planetário que deve ser removido se quisermos ter alguma chance de sobrevivência.

"O CO2 extra resulta no crescimento da biomassa vegetal global, ao mesmo tempo em que aumenta a produtividade das culturas em todo o mundo", explica Athrappully.

Além disso, não há "nenhuma evidência estatística" que sugira mesmo remotamente que o CO2 seja de alguma forma responsável por alimentar mais desastres naturais, como furacões, secas e inundações.

"Não há emergência climática", diz o grupo. "Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Opomo-nos veementemente à política nociva e irrealista de emissões líquidas zero de CO2 proposta para 2050. Opte pela adaptação em vez da mitigação; A adaptação funciona sejam quais forem as causas."

"Acreditar no resultado de um modelo climático é acreditar no que os modeladores colocaram. Esse é justamente o problema da discussão climática atual, para a qual os modelos climáticos são centrais. A ciência climática degenerou em uma discussão baseada em crenças, não em uma ciência autocrítica sólida. Não deveríamos nos libertar da crença ingênua em modelos climáticos imaturos?"
at Climate.news.

Já houve em meado de 2017 mais de 31.000 cientistas que se uniram contra a agenda política do aquecimento global. O consenso científico, que inclui mais de 9 mil cientistas com doutorados, apóia a necessidade de dióxido de carbono e lança luz na agenda do aquecimento global, que inclui racionamento de energia industrial, planejamento econômico central e esquemas de tributação global.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.