Coletividade Evolutiva , Documentos confidenciais da Pfizer e do governo confirmam ADE, VAED e VAIDS=AIDS de vacinas COVID , Coronavírus , Covid-19 , Vacina , Vacinação ,

Documentos confidenciais da Pfizer e do governo confirmam ADE, VAED e VAIDS=AIDS de vacinas COVID

Isso pode explicar por que, tragicamente, os registros oficiais do governo confirmam que milhões de pessoas morreram misteriosamente


Documentos confidenciais da Pfizer e do governo confirmam ADE, VAED e VAIDS=AIDS de vacinas COVID

Documentos confidenciais que a classe dominante tentou manter em sigilo revelam que, dentro de meses após receberem as doses iniciais da vacina COVID-19, alguns indivíduos estão desenvolvendo reforço ou melhoramento dependente de anticorpos (ADE) e doença reforçada associada à vacina (VAED).

E como se isso não fosse alarmante o suficiente, documentos oficiais também provam que uma forma misteriosa semelhante da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) [doença causada pelo suposto vírus do HIV] também está aparecendo em um número preocupante de receptores apenas cinco meses após suas injeções iniciais - o que hoje estão chamando de VAIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida pela Vacina)

Isso pode explicar por que, tragicamente, os registros oficiais do governo confirmam que milhões de pessoas morreram misteriosamente repentinamente em países ao redor do mundo, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá e Europa, na esteira da distribuição generalizada das vacinas COVID-19.

Reforço dependente de anticorpos (ADE) e doença reforçada associada à vacina (VAED), são eventos adversos graves que podem ocorrer após a vacinação. ADE e VAED podem ocorrer quando um indivíduo é exposto a um patógeno, como o suposto vírus da Covid-19, após receber uma vacina que não fornece imunidade completa ou real.

Nesses casos, os anticorpos induzidos pela vacina podem realmente aumentar a capacidade do patógeno de infectar as células, levando a uma doença mais grave do que se o indivíduo não tivesse recebido a vacina.

Quando uma vacina causa ADE ou VAED, pode ter implicações significativas para a saúde pública.


Em primeiro lugar, os indivíduos que recebem a vacina e desenvolvem ADE ou VAED podem sofrer de doença grave e, em alguns casos, até a morte, explica o The Expose

Um exemplo de vacina anterior que foi associada ao ADE é a vacina contra a dengue. Em muitos casos, os indivíduos que receberam a vacina contra a dengue e foram posteriormente infectados com o vírus da dengue experimentaram doença mais grave e um risco aumentado de hospitalização e morte, revela o Expose.

Da mesma forma, ADE foi relatado em indivíduos que receberam vacinas para vírus sincicial respiratório (VSR) e HIV.

Um exemplo de infecção bacteriana que poderia ser agravada por ADE ou VAED é a infecção por estreptococo A (estreptococo A). Strep A é um tipo de bactéria que pode causar uma ampla gama de doenças, incluindo dor de garganta, pneumonia e sepse. Você provavelmente já deve ter visto nas principais notícias que a infecção por Strep A está matando crianças.

A vacinação contra a Covid-19 é a razão mais provável para isso, e a evidência mais importante para apoiar esse fato são os relatórios oficiais do governo que provam que a vacinação contra a Covid-19 danifica o sistema imunológico, com o potencial de causar alguma nova forma de síndrome da imunodeficiência adquirida AIDS -  o que hoje especialistas estão chamando de VAIDS.

É perfeitamente possível que ADE e VAED possam levar a imensos danos ao sistema imunológico semelhantes aos observados no transtorno da imunodeficiência adquirida (AIDS).


Em indivíduos com AIDS, o sistema imunológico é severamente comprometido, tornando-os mais suscetíveis a infecções e outras doenças. Da mesma forma, a ocorrência de ADE ou VAED [o que especialistas nomearam como Síndrome da Imunodeficiência Adquirida pela Vacina (VAIDS)] pode levar a danos ao sistema imunológico, potencialmente levando a um maior risco de infecções e outras doenças.

Além do risco de doença grave comparável à AIDS, ADE e VAED também podem aumentar o risco de desenvolver certos tipos de câncer. Por exemplo, alguns estudos sugeriram que o ADE pode aumentar o risco de desenvolver certos tipos de linfoma. (Veja mais aqui: Cânceres "turbo" e outras condições tumorais incomuns estão disparando pós-vacinas COVID, alerta o Dr. Harvey Risch)

A ocorrência desses eventos adversos teve consequências devastadoras para os indivíduos que os desenvolvem e documentos confidenciais e oficiais comprovam que ADE e VAED ocorreram devido às vacinas COVID-19, levando a VAIDS = uma nova forma de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida e milhões de mortes em excesso em todo o mundo.

A escalada da fraude vacinal


A Pfizer, empresa atingida com o maior acordo de fraude em saúde e multa criminal até hoje; que também é a mesma empresa por trás da primeira injeção de terapia gênica de mRNA administrada ao público em geral sob autorização de uso emergencial em nome da Covid-19, admitiu em documentos confidenciais, que tentou desesperadamente evitar que se tornasse pública, que sua terapia genética de mRNA da Covid-19 pode causar doença reforçada associada à vacina.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA tentou atrasar a divulgação dos dados de segurança da vacina COVID-19 da Pfizer por 75 anos, apesar de aprovar a injeção após apenas 108 dias de revisão de segurança em 11 de dezembro de 2020.

A FDA disse originalmente que estava preparada para liberar 500 páginas por mês em uma resposta ao pedido de Liberdade de Informação (FOI) apresentado em nome da Public Health and Medical Professionals for Transparency (PHMPT) solicitando os dados de segurança.

Em vez disso, no início de janeiro de 2022, o juiz federal Mark Pittman ordenou que eles liberassem 55.000 páginas por mês. Eles lançaram 12 mil páginas até o final de janeiro.

Desde então, o PHMPT postou todos os documentos em seu site.

Um dos documentos contidos no despejo de dados é "reissue_5.3.6 experiência pós-comercialização.pdf". O quadro 5, que figura na página 11 do documento, mostra um «risco potencial importante», e esse risco está listado como 
  • «Doença reforçada associada à vacina (VAED), 
  • incluindo doença respiratória reforçada associada à vacina (VAERD)».


A Pfizer afirmou em seu documento confidencial que, até 28 de fevereiro de 2021, recebeu 138 casos relatando 317 eventos potencialmente relevantes indicativos de doença reforçada associada à vacina. Destes, 71 foram clinicamente significativos, resultando em 8 incapacidades, 13 foram eventos com risco de vida e 38 das 138 pessoas morreram.

Dos 317 eventos relevantes relatados por 138 pessoas, 135 foram rotulados como 'ineficazes da droga', 53 foram rotulados como dispneia (dificuldade para respirar), 23 foram rotulados como pneumonia por Covid-19, 8 foram rotulados como insuficiência respiratória e 7 foram rotulados como convulsão.

A Pfizer também admitiu que 75 dos 101 indivíduos com Covid-19 confirmado após a vacinação tiveram doença grave resultando em hospitalização, incapacidade, consequências com risco de vida ou morte.

Mas a Pfizer ainda concluiu definitivamente, para os fins de seus dados de segurança enviados à Food and Drug Administration (FDA), os mesmos dados necessários para obter autorização de uso emergencial e torná-los bilhões e bilhões de dólares, que "nenhum dos 75 casos poderia ser definitivamente considerado como VAED".

Mas a Pfizer então confirmou que, com base nas evidências atuais, o VAED continua sendo um risco teórico.

Esses dados confidenciais provam que as injeções de Covid-19 nunca deveriam ter recebido autorização de uso emergencial e deveriam ter sido retiradas da distribuição pela FDA assim que avistaram os números.

E aqui está como sabemos que o ADE e o VADE causados pela vacinação contra a Covid-19 levaram a danos no sistema imunológico comparáveis à AIDS.

A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) costumava publicar um Relatório de Vigilância de Vacinas semanal, com cada relatório contendo quatro semanas de dados sobre casos de Covid-19, hospitalizações e mortes por status de vacinação.

O The Expose tem analisado 5 desses Relatórios de Vigilância de Vacinas publicados contendo dados de 16 de agosto de 2021 a 2 de janeiro de 2022, a fim de obter uma imagem clara do efeito que as vacinas contra a Covid-19 estavam tendo no sistema imunológico da população vacinada, e foi isso que descobrimos... Leia mais e veja mais no The Expose

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR