Dados do governo Alemão indicam: vacinados Covid estão com sintomas semelhantes a AIDS, o que chamamos agora de VAIDS

Alemanha sofreu mais de 102 mil mortes em excesso em 2022, um aumento de 276% nas mortes em excesso registradas no ano de 2020


Analise dos dados divulgados pelo governo Alemão indicam que vacinados covid estão desenvolvendo sintomas semelhantes a AIDS  - O que chamamos agora de VAIDS

Novos dados divulgados pelas autoridades alemãs, foram analisados e sugerem fortemente que indivíduos totalmente vacinados começaram a desenvolver sintomas semelhantes ao da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) - o que está sendo chamado de síndrome de imunodeficiência adquirida por vacina sob a sigla em inglês (VAIDS). Em termos leigos, estão obtendo degradação imunológica/ matando o sistema imunológico por meio da vacinação.

Em caráter de observação e analise dos dados divulgados pelo próprio governo alemão, pode-se dizer que o governo da Alemanha está admitindo que um “número alarmante” de pessoas vacinadas contra o ( COVID-19) está desenvolvendo“ sintomas semelhantes aos da AIDS ”. = VAIDS. Portanto, sistema imunológico enfraquecido/destruído e sinônimo de mais doenças e infecções oportunas. 

Publicamos sobre um estudo mostrando essa relação de vacina de reforço causando a VAIDS - veja aqui - Veja também aqui

Os dados mostram que os indivíduos vacinados têm maior probabilidade de serem infectados pelo COVID-19, particularmente a variante ômicron pós-vacina. De acordo com dados do relatório do governo alemão, apenas 186 dos 6.788 casos estudados eram de indivíduos não vacinados. Isso mostra que a incidência de casos de ômicron em vacinados foi de 57 por um por cento da população, enquanto a incidência de casos de ômicron não vacinados foi de apenas 7,02 por um por cento da população, de acordo a análise do The Expose

Ou seja, os vacinados tinham 8,12 vezes mais chances de serem infectados com a variante ômicron do que os não vacinados na Alemanha. De acordo com dados divulgados pelas autoridades alemãs, investigados pelo The Expose, a Alemanha teve mais de 102 mil mortes em excesso em 2022, um aumento de 276% nas mortes em excesso registradas no ano de 2020.

PDF - Página 14 diz:

Dados clínico-epidemiológicos: Informações adicionais são parcialmente conhecidas sobre os casos omicron disponíveis no sistema de relatórios. Foram apresentadas informações sobre sintomas para 6.788 casos; predominantemente não foram relatados sintomas ou foram relatados sintomas leves. Os sintomas mais comuns relatados pelos pacientes foram rinite (54%), tosse (57%) e dor de garganta (39%). 124 pacientes foram hospitalizados e quatro morreram. A exposição no exterior foi relatada para 543 (5%) casos. 1.097 pacientes não foram vacinados, 4.020 foram totalmente vacinados; destes, uma vacina de reforço foi dada para 1.137. Com base nos dados transmitidos, 148 reinfecções foram identificadas entre todas as infecções por Omicron transmitidas; nenhuma doença anterior foi transmitida para qualquer uma das pessoas afetadas pela reinfecção. A figura 9 mostra a distribuição dos casos omicron transmitidos até agora na Alemanha. Os casos de Omicron foram detectados em todos os estados federais.

Os dados sugeriram que a maioria dos indivíduos que foram totalmente vacinados desenvolveria a síndrome da imunodeficiência adquirida induzida pela vacina até o final do mês. Além disso, os dados confirmaram que o sistema imunológico dos totalmente vacinados já havia se degradado para uma média de menos 87%.

Na Alemanha, à época, 70,53% estavam totalmente vacinados, 2,97% parcialmente vacinados e 26,5% não vacinados, segundo relatos . Assim, os não vacinados tiveram 186 casos em 26,5% da população. Enquanto os totalmente vacinados tiveram 4.020 casos em 70,53% da população.

Portanto, a incidência de casos de Omicron vacinados foi de 57 por 1 por cento da população (830.000 é 1% da população alemã de 83 milhões). Enquanto a incidência de casos de Omicron não vacinados foi de apenas 7,02 por 1% da população.

Segue a análise dos dados feito pelo The Expose


Portanto, os vacinados tiveram (57,0/7,02 =) 8,12x mais chances de serem infectados com Omicron do que os não vacinados na Alemanha.

O Koch Institut falhou em produzir sua tabela normal de eficácia da vacina em seu relatório semanal de 30 de dezembro.

A eficácia da vacina não é realmente uma medida de uma vacina, é uma medida do desempenho do sistema imunológico do receptor da vacina em comparação com o desempenho do sistema imunológico de uma pessoa não vacinada.

As vacinas supostamente ajudam a desenvolver imunidade ao imitar uma infecção. Uma vez que a infecção de imitação induzida pela vacina desaparece, o corpo fica com um suprimento de células t de “memória” e anticorpos que se lembrarão de como combater essa doença no futuro.

Então, quando as autoridades afirmam que a eficácia das vacinas enfraquece com o tempo, o que elas realmente querem dizer é que o desempenho do seu sistema imunológico enfraquece com o tempo.

Felizmente, pudemos ajudar os alemães com as informações que o Koch Institut falhou em produzir simplesmente fazendo o cálculo para eles usando a fórmula de eficácia da vacina da Pfizer.

Eficácia da vacina = eficácia do sistema imunológico = (1-8,12)/8,12 = -7,12/8,12 = menos-87,7%.

Portanto, no início de janeiro de 2022, os alemães totalmente vacinados tiveram uma resposta imune 87,7% menor do que os não vacinados tiveram ao Omicron.

Isso significa que o alemão médio caiu para os últimos 12,3% de seu sistema imunológico para combater certas classes de vírus e certos tipos de câncer, etc., etc.

Pânico entre o governo da Alemanha


Análises posteriores mostraram que o alemão médio totalmente vacinado atingiria menos 100% de degradação do sistema imunológico até o final de janeiro de 2022.

Como os dados e o número de mortos continuaram a causar preocupação pública, o governo alemão se viu sob pressão para resolver a situação.

Em um esforço para conter a crescente agitação, o governo anunciou no final de janeiro que os dados iniciais estavam “incorretos” e que houve um “erro” na análise. Eles alegaram que os indivíduos totalmente vacinados não corriam risco de desenvolver AIDS e que o sistema imunológico dos totalmente vacinados não havia se degradado para uma média de menos 87%.

No entanto, muitos duvidaram dessas afirmações e acusaram o governo de tentar encobrir a verdade. Os críticos apontaram que a alteração repentina dos dados sem qualquer explicação clara ou transparência levantou suspeitas de acobertamento.

Apesar dos esforços do governo alemão para tranquilizar o público, o estrago já havia sido feito. O incidente abalou a confiança do público no governo e na indústria farmacêutica, e muitos ficaram se perguntando qual foi realmente o verdadeiro impacto da vacinação contra a Covid-19.

Esses números por si só devem fazer o público questionar se a vacina teve o efeito oposto e se os alemães totalmente vacinados realmente desenvolveram VAIDS até o final de janeiro de 2022. É claro que o governo e as empresas farmacêuticas continuarão negando qualquer responsabilidade e insistindo que a vacina é segura e eficaz.

No entanto, esses dados provam que você deve permanecer cético e continuar a exigir mais pesquisas e investigações sobre as consequências de emitir uma terapia genética experimental de mRNA para milhões de pessoas pela primeira vez e vários laços.

Acontece que também estávamos certos. A chamada “imunidade vacinal” é, na verdade, apenas imunidade falsa ou falsa segurança. É falho, na melhor das hipóteses. Na pior das hipóteses, ela destrói o sistema imunológico, deixando-o incapaz de se defender naturalmente de infecções de qualquer tipo e, isso é grave. Leia mais em News Pubch e The Epose
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.