Vacina de mRNA contra COVID-19 reduzem resposta imunológica a outras infecções: imunodeficiência VAIDS

Pesquisadores descobriram que as amostras de sangue após a vacinação apresentavam uma resposta de citocinas mais baixa a patógenos não relacionados.


Vacina de mRNA contra COVID-19 reduzem resposta imunológica a outras infecções: potencial de deficiência imunológica

Um estudo recente sobre os efeitos imunológicos da vacina de mRNA da Pfizer contra a COVID-19 levantou preocupações entre os cientistas sobre as deficiências imunológicas adquiridas por meio da vacina - o termo usado como VAIDS, algo semelhante a AIDS.

A síndrome de imunodeficiência adquirida por vacina (VAIDS) [Algo semelhante a AIDS] é um novo termo coloquial cunhado por pesquisadores e profissionais de saúde desde o lançamento da vacina contra a COVID-19. Embora não seja reconhecida como uma condição médica, alguns especialistas acreditam que as vacinas contra a COVID-19 podem prejudicar ou suprimir as respostas imunológicas.

Embora o novo estudo não utilize o termo VAIDS, os pesquisadores reconheceram “uma diminuição geral nas respostas de citocinas e quimiocinas” a bactérias, fungos e vírus não relacionados à COVID em crianças após a vacinação contra a COVID-19.

“Nossas descobertas sugerem que a vacinação de mRNA contra o SARS-CoV-2 pode alterar a resposta imunológica a outros patógenos, que causam doenças tanto preveníveis por vacinas quanto não preveníveis por vacinas”, escreveram os autores do artigo publicado na Frontiers in Immunology.

“Isso é particularmente relevante em crianças, já que elas: têm exposição extensa a micróbios na creche, na escola e em ocasiões sociais; muitas vezes estão encontrando esses micróbios pela primeira vez; e recebem várias vacinas como parte dos calendários de vacinação infantil de rotina.”

Os pesquisadores do Murdoch Children’s Research Institute e do Royal Children’s Hospital em Melbourne, Austrália, coletaram amostras de sangue de 29 crianças, tanto antes da vacinação quanto após duas doses da vacina de mRNA da Pfizer.

Eles descobriram que as amostras de sangue após a vacinação apresentavam uma resposta de citocinas mais baixa a patógenos não relacionados à COVID em comparação com as amostras pré-vacinação. Essa resposta imunológica reduzida foi particularmente persistente para vírus não relacionados à COVID. 

Amostras de sangue coletadas seis meses depois mostraram que algumas crianças ainda tinham respostas baixas para proteínas do vírus da hepatite B e proteínas que imitam uma infecção viral; no entanto, as respostas de citocinas aumentaram para exposições bacterianas.

As respostas imunológicas às proteínas da COVID-19, incluindo as proteínas do pico e suas subunidades S1 e S2, e proteínas nucleocapsídicas, permaneceram elevadas após a vacinação.

O Professor Retsef Levi, especializado em gerenciamento de riscos e sistemas de saúde no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), postou no X (anteriormente conhecido como Twitter) que o estudo “acrescenta-se às evidências acumulativas que sugerem alteração imunológica adversa” pela vacinação contra a COVID-19. O médico de família Dr. Syed Haider e a imunologista e bióloga computacional Jessica Rose conectaram os resultados do estudo à VAIDS.

Contestação


Marc Veldhoen, um imunologista especializado em respostas de células T e chefe de um laboratório no Instituto de Medicina Molecular em Portugal, contestou as descobertas do estudo.

Em uma discussão no X, Veldhoen destacou falhas no estudo, incluindo a falta de grupos de controle, ou seja, crianças não vacinadas para comparar com o grupo de sujeitos em relação às suas respostas imunológicas inatas a outros patógenos.

“Sem um grupo de controle não vacinado, pelo menos outro grupo de controle vacinado (para alegar especificidade), um número muito maior de sujeitos e dados sobre composição celular, a conclusão dos autores do estudo é especulativa e improvável de se sustentar”, escreveu Veldhoen.

Acúmulo de estudos sugerindo diminuição da imunidade após vacinação


O estudo é um dos muitos que sugerem uma diminuição na resposta imunológica após a vacinação contra a COVID-19.

Um estudo preliminar com 16 adultos vacinados com as vacinas de mRNA da Pfizer teve achados semelhantes de uma resposta imunológica inata reduzida em participantes expostos a fungos patogênicos. O mesmo estudo também encontrou mudanças a longo prazo nas células imunológicas inatas.

O Epoch Times noticiou um estudo de janeiro da Alemanha que mostrou que múltiplas vacinações com mRNA induzem uma “troca de classe” no tipo de anticorpos formados contra a proteína spike e outras proteínas da COVID-19.

Indivíduos vacinados repetidamente têm níveis aumentados de anticorpos da subclasse 4 de IgG (IgG4), que são menos eficazes do que outras subtipos de anticorpos IgG.

“O desenvolvimento de mais IgG4 do que o normal é prejudicial e mais arriscado para as pessoas se elas entrarem em contato com o vírus real posteriormente, já que a COVID-19 pode se tornar uma doença bastante grave, especialmente para pessoas com doenças crônicas”, escreveu o professor Sean Lin, do Departamento de Ciências Biomédicas da Faculdade Feitian, em um artigo anterior do Epoch Times. “Se o corpo começar a tratar a vacina SARS-CoV-2 como um alarme falso, o que acontecerá se o vírus real vier bater à porta?”

Pesquisas da Clínica Cleveland e de Indiana também mostraram que pessoas vacinadas têm um risco maior de infecção do que pessoas não vacinadas que sobreviveram a uma infecção anterior. O estudo preliminar também mostrou que cada dose sucessiva aumentava a incidência de infecção.

Stephanie Seneff, uma cientista de pesquisa do MIT com doutorado em ciência da computação, liderou um artigo científico em 2022 discutindo a implicação das vacinas contra a COVID-19 causarem supressão da imunidade inata. Essa supressão imunológica pode tornar os indivíduos vulneráveis ao câncer, doenças neurológicas e outras doenças infecciosas, observou ela.

Desde o início das vacinações contra a COVID-19, houve um aumento nos casos de câncer em pessoas com menos de 50 anos, com alguns especialistas sugerindo que isso pode estar relacionado às vacinas. Os casos de hanseníase também aumentaram, com possíveis relações com as vacinas contra a COVID-19.

Um estudo revisado por pares em camundongos também mostrou que camundongos injetados com as mesmas nanopartículas lipídicas usadas nas vacinas de mRNA tiveram uma resposta imunológica inata reduzida. Os camundongos que receberam duas doses das nanopartículas lipídicas tiveram uma resposta imunológica suprimida mais persistente. Os filhotes dos camundongos também herdaram parte da supressão imunológica.

A resposta imunológica inata atua como a primeira linha de defesa, enquanto a resposta adaptativa, responsável pela memória imunológica, é a última linha de defesa.

“Relatamos que a pré-exposição à plataforma mRNA-LNP [lipídios nanoparticulados de mRNA] tem impactos de longo prazo nas respostas imunológicas tanto inatas quanto adaptativas, com algumas dessas características até mesmo sendo herdadas pela descendência”, escreveram os autores do estudo.

“Se múltiplas pré-exposições levam a uma inibição ainda mais drástica das respostas imunológicas adaptativas e qual é a sobreposição entre dados de camundongos e humanos ainda precisa ser determinado.” - Referência: Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.