As injeções de Covid estão facilitando a "mutação" e "transmissão" do coronavírus

Tecnologia: As injeções de Covid estão facilitando a "mutação" e "transmissão" do coronavírus -

Fabio Allves
As injeções de Covid estão facilitando a "mutação" e "transmissão" do coronavírus

Um novo estudo revela uma ligação exatamente para o que o especialista em virologia e microbiologia desenvolvedor de vacinas Dr. Bossche PHD, instou a OMS e o mundo para interromper a vacinação em massa contra o coronavírus, alertando sobre o “escape imunológico viral” mortal, que levaria pessoas vacinadas a transformar um vírus relativamente inofensivo a uma mutação de novas variantes mais mortais.

Dr. Bossche PHD, desenvolvimento de vacinas e virologista alertou o mundo em entrevista para os riscos da vacinação global contra o coronavírus que pode provocar novas e perigosas variantes, como as atuais, além de debilitar o sistema imunológico da população. Veja também: BOMBA: "terceira onda" de mortes em massa entre os vacinados da Covid, revela relatório;

Estudo revela que vacinados são mais vulneráveis ao coronavírus 


De fato, essas chamadas variantes, no entanto, são um produto direto das injeções contra o vírus chinês, mesmo assim, as autoridades e organizações  continuam a empurrar na população a narrativa falsa que são seguras e eficazes. Essa nova pesquisa da Universidade de Tel Aviv descobriu que a variante sul-africana, como eles a chamam, está aparecendo principalmente em pessoas que já foram inoculadas com a terapia genética experimental de RNA mensageiro (mRNA) da Pfizer e BioNTech.

O estudo, que ainda não foi revisado por pares, indica que a variante B.1.351 coronavírus Chinês é oito vezes mais prevalente em pessoas que foram injetadas - 5,4 por cento em comparação com 0,7 por cento - versus pessoas que estão apenas dizendo não as vacinas Covid.

“Encontramos uma taxa desproporcionalmente maior da variante sul-africana entre as pessoas vacinadas com uma segunda dose, em comparação com o grupo não vacinado”, disse Adi Stern, da escola. “Isso significa que a variante sul-africana é capaz, até certo ponto, de romper a proteção da vacina.”

O estudo analisou 400 pessoas que receberam pelo menos uma injeção da Pfizer-BioNTech e que também contraíram uma variante. Esse grupo foi então comparado ao mesmo número de pessoas que foram infectadas, mas não foram inoculadas com nenhum produto químico para o coronavírus Covid.

“É a primeira no mundo a ser baseada em dados do mundo real, mostrando que a vacina é menos eficaz contra a variante da África do Sul, em comparação com o vírus original e a variante britânica”, afirmou o Prof. Ran Balicer, diretor da pesquisa na Clalit Health Services, que também contribuiu para o estudo.

Os vacinados é quem são as possíveis bombas de mutação viral e transmissão


Os pesquisadores desse novo estudo, dizem que ficaram chocados com as descobertas, vendo como os funcionários do governo em todo o mundo insiste que as vacinas contra o coronavírus Covid-19 irão “parar” a pandemia assim que todos as receberem.

“Com base nos padrões da população em geral, esperaríamos apenas um caso da variante sul-africana, mas vimos oito”, expressou Stern ao Times of Israel . “Obviamente, esse resultado não me deixou feliz.”

“Mesmo se a variante sul-africana realmente romper a proteção da vacina, ela não se espalhou amplamente pela população”.

Não existem dados correspondentes para a terapia genetica experimental da Moderna (mRNA) porque aquele não foi incluído no estudo. Nosso palpite é que teria ocorrido um resultado semelhante, já que a injeção de Moderna contém a mesma tecnologia da Pfizer.

“Essas descobertas preliminares requerem atenção contínua e contínua para a disseminação dessa cepa em Israel, enfatizando a necessidade de monitoramento epidemiológico e sequenciamento sistemático, a fim de conter a disseminação da variante sul-africana em Israel”, acrescentou Stern.

“Isso significa que a vacina Pfizer-BioNTech, embora altamente protetora, provavelmente não fornece o mesmo nível de proteção contra a variante sul-africana (B.1.351) do coronavírus.”

Apesar desses problemas, Israel continua pressionando seus residentes a serem inoculados para comprar, vender e viajar por todo o país. Os israelenses estão sendo informados de que devem obter um “passaporte de vacina” para participar do “novo normal”, caso contrário, serão relegados ao status de cidadãos de segunda classe.

“Eu não entendo por que as pessoas estão tomando a vacina em primeiro lugar”, escreveu um comentarista do Epoch Times .

“A taxa de mortalidade do COVID-19 é um décimo de 1%. Permitir que algo seja colocado em seu corpo que não seja verificado ou certificado é uma loucura. Existem cerca de 320.000 vírus no corpo humano. Talvez devêssemos deixar a natureza seguir seu curso para esse vírus em particular. ”

Considerações importantes

A narrativa para o público é que "misteriosamente" surgiu uma nova "variante" do vírus, mas não dizem o porque e de onde estão surgindo, no entanto, entenda que a variante, é, na verdade, as próprias vacinas que estão carregadas para debilitar o sistema imunológico, provocar doenças auto imunes, levando as pessoas se tornarem mais suscetíveis aos vírus e outras doenças.

A vacina Covid não mata instantaneamente, é claro. A primeira onda de vacinas pode até ser deliberadamente "segura", a fim de desencadear uma onda de positividade da grande mídia/TVs, para convencer os céticos a aceitarem tudo e concordarem em ser inoculados. Mas quando a segunda e a terceira rodada de injeções forem lançadas em pessoas em todo o mundo, as vacinas serão suficientemente armadas para causar distúrbios auto-imunes e morte em massa após a exposição a uma cepa subsequente de influenza ou coronavírus que será deliberadamente desencadeado dentro dos vacinados.
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade



Compartilhe :As injeções de Covid estão facilitando a "mutação" e "transmissão" do coronavírus

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Ciência | Ciência e tecnologia | Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | Governo | manipulação | medicina | medicina alternativa | Pandemias | Produtos químicos | saúde | Tecnologia


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. REDES:Telegram -Instagram -BomPerfil -Likabout