Governo canadense aceitou efeitos colaterais desconhecidas das vacinas Covid-19 para sua população, revela contrato da Pfizer

O contrato de vacina COVID-19 recentemente divulgado pelo governo federal canadense com a Pfizer para milhões de doses experimentais de mRNA


Governo canadense aceitou efeitos colaterais desconhecidas das vacinas Covid-19, revela contrato da Pfizer

O contrato de vacina COVID-19 recentemente divulgado pelo governo federal canadense com a Pfizer para milhões de doses experimentais baseadas em tecnologia genética com mRNA mostra que o governo concordou em aceitar a segurança e eficácia desconhecidas a longo prazo das doses. 

O Brasil também aceitou contratos com isenção de qualquer responsabilidade por danos causados pelas vacinas em seus contratos. Então como você pode aceitar tomar algo que nem mesmo o fabricante dá garantia de segurança e eficacia - e fugindo de responsabilização por danos? Infelizmente milhões aceitaram o experimento em massa.

O contrato canadense foi revelado pelo The Canadian Independent depois de obtê-lo através de um pedido de acesso à informação. Embora partes do contrato estejam fortemente redigidas, está claro que o governo federal do primeiro-ministro Justin Trudeau sabia que não havia promessa de que as vacinas funcionariam ou seriam 100% seguras.

"O comprador reconhece ainda que os efeitos de longo prazo e a eficácia da vacina não são atualmente conhecidos e que pode haver efeitos adversos da vacina que não são conhecidos atualmente", diz uma cópia do contrato do governo federal com a Pfizer datado de 26 de outubro de 2022.

O governo Trudeau também teve que reconhecer, assinando o contrato, que a vacina COVID e seus materiais foram "rapidamente desenvolvidos devido às circunstâncias da chamada emergência da pandemia COVID-19" e seriam mais estudados após seu lançamento.

O "Acordo de fabricação e fornecimento entre a Pfizer e o ministro de Obras Públicas e Serviços Governamentais do Canadá" tem 59 páginas e inclui uma seção que diz que as vacinas não seriam serializadas. Quando uma vacina é serializada, ela recebe um número único ou outra identificação que pode rastrear sua jornada completa pela cadeia de suprimentos.

Totalmente redigidas no contrato estão as seções 8 e 9, que provavelmente se relacionam com "indenização" e "seguro e responsabilidade", como foi revelado recentemente por um contrato vazado entre a Pfizer e a África do Sul.

O portal conservador LifeSiteNews confirmou que o contrato em questão divulgado pelo The Canadian Independent é genuíno, com o departamento de mídia da Public Services and Procurement Canada.

"A Public Services and Procurement Canada (PSPC) confirma que esta é uma cópia editada de um contrato entre a PSPC e a Pfizer Canada ULC", escreveu o representante de relações com a mídia da PSPC, Alexandre Baillairgé-Charbonneau, ao LifeSiteNews.

A Health Canada encomendou 238 milhões de injeções COVID da Pfizer Canadá, o que inclui cerca de 30 milhões para 2023 e 2024. Os detalhes do contrato da Pfizer não revelam quanto o governo gastou com as vacinas.

O governo Trudeau, com a ajuda do Departamento de Saúde, promoveu fortemente os jabs COVID, que foram lançados às pressas no mercado. Ainda está promovendo as doses, desta vez o reforço recém-aprovado.

Em 2021, Trudeau disse que os canadenses "veementemente contrários à vacinação" "não acreditam na ciência", são "muitas vezes misóginos, muitas vezes racistas" e até questionou se o Canadá deveria continuar a "tolerar essas pessoas".

Um estudo recente feito por pesquisadores da Correlation Research in the Public Interest, com sede no Canadá, descobriu que 17 países têm uma "ligação causal definida" entre os picos de mortalidade por todas as causas e os lançamentos rápidos das vacinas e reforços COVID.

O LifeSiteNews relatou no mês passado como o Polyomavirus Simian Virus 40 (SV40), que é uma sequência de DNA ligada a macacos conhecida por causar câncer quando foi usado em vacinas antigas contra a poliomielite, foi confirmado pela Health Canada como presente na vacina COVID da Pfizer, um fato que não foi divulgado pela fabricante da vacina às autoridades.

Em descoberta de tudo isso, conforme o Coletividade Evolutiva revelou, a vacina pode está contaminada com fragmentos e precisa ser removida do mercado imediatamente, inclusive do programa de vacinação infantil do Brasil.

Portanto, com está sequência/ fragmentos [que não deveria está nessa substância mRNA chamada de vacina ] de DNA chamada Vírus Simiano 40 (SV40) [conhecido como promotor de câncer ] que não foi divulgada pelo menos para alguns reguladores. A sequência deixa para trás DNA residual que poderia causar problemas ou até mesmo promover certos tipos de câncer.

Os efeitos colaterais desconhecidos continuam aparecendo a cada ano que passa, conforme o laboratório que produz o soro, também conhecido como Comirnaty, eles divulgaram a lista de eventos adversos relacionados à aplicação - Veja mais aqui: Pfizer publica lista de efeitos colaterais e recomenda com que frequência tomar a vacina - mais além do que é dito
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.