Coletividade Evolutiva , A agenda climática quer criminalizar pensamento crítico sobre a tal "crise climática" , Meio ambiente ,

A agenda climática quer criminalizar pensamento crítico sobre a tal "crise climática"

Os defensores da agenda da crise climática querem criminalizar as dúvidas sobre as alterações climáticas




Os militantes que defendem a arquitetada agenda climática globalista para promover políticas draconianas em todo o mundo, procuram criminalizar qualquer opinião ou fato contrário à falácia / religião das alterações climáticas. As ideias erradas sobre as alterações climáticas | Opinião farão com que você seja multado, preso ou ainda pior?

Uma coisa seria se uma ideia tão monstruosa fosse restrita a uma pequena minoria de fanáticos impotentes pelas alterações climáticas, abraçadores de árvores e adoradores da terra. Infelizmente, esse não é o caso.

O Dr. Patrick Moore, cofundador do grupo ambientalista Greenpeace, recentemente ponderou sobre a insistência das elites em reduzir os gases de efeito estufa para "Net Zero", dizendo: "Se eles realmente alcançarem o Net Zero, pelo menos 50% da população morreria de fome e doenças". 

Citando apenas um dos muitos fatores – a dependência de mais da metade da população mundial de fertilizantes à base de nitrogênio, que muitos ativistas das mudanças climáticas querem proibir, incluindo na Holanda e no Sri Lanka, que já o fizeram – Moore acrescenta: "Então é realmente um desejo de morte disfarçado. E o disfarce é salvar a terra."

Demonizando o pensamento independente


Na verdade, ninguém menos que o Enviado Especial dos EUA para o Clima, John Kerry, demonizou opiniões contrárias ao dogma das alterações climáticas e categorizou as pessoas que expressam tais opiniões como ameaças à humanidade.

“Embora se recusem a aceitar os factos por detrás dos danos cada vez mais óbvios, listados pelo primeiro-ministro, em vez disso atacam os que dizem a verdade e rotulam as provas indiscutíveis como histeria”, disse Kerry durante um discurso na Escócia.

“Eles agravam o já difícil desafio da crise climática, ao prometerem fazer exatamente mais do que criou esta crise em primeiro lugar. Portanto, agora, a humanidade está inexoravelmente ameaçada pela própria humanidade, por aqueles que seduzem as pessoas para que comprem um mundo completamente fictício, realidade alternativa, onde não precisamos agir e nem precisamos nos importar.”

É claro que, de longe, a maior ameaça à humanidade sempre foi a própria humanidade. Isto tornou-se especialmente verdadeiro na era nuclear e na era da guerra industrial, das armas biológicas e de outras armas de destruição em massa. O pronunciamento do Sr. Kerry de “humanidade ameaçando a humanidade” pretende gerar um impacto emocional, em vez de descrever alguma circunstância nova ou incomum que se aplica apenas àqueles que questionam as reivindicações dos extremistas das alterações climáticas.

Mas Kerry não é o único que procura privar o mundo do seu direito à liberdade de expressão e de pensamento.

UNESCO: questionar a ciência é uma ameaça à humanidade


As Nações Unidas publicaram um artigo em 2019 afirmando que não só a sua pegada de carbono é uma ameaça para o mundo tal como o conhecemos, mas também as suas palavras. De acordo com a revista da UNESCO, qualquer pessoa que questione a pseudociência das alterações climáticas provocadas pelo homem ou que desafie os princípios quase religiosos da descarbonização é uma ameaça direta ao planeta e coloca a humanidade em risco de extinção.

Isso simplesmente não é convincente. As armas nucleares nas mãos dos mulás iranianos ou a escalada da guerra entre a Rússia e a Ucrânia não representam um perigo maior para a humanidade do que as ideias de uma pessoa?

Não será a agressão da China na região da Ásia-Pacífico e para além dela algo que precisa de ser contido e travado antes do nosso direito à liberdade de expressão?

Da administração Biden da sua guerra por procuração contra a Rússia através da NATO não representa um risco maior para o mundo do que as dúvidas sobre os riscos dos níveis de CO2?

E o que dizer do rápido avanço do poder da inteligência artificial que, segundo Elon Musk, está a ameaçar o futuro da humanidade?

Vamos lá, cara! Nenhuma destas situações de alto risco e potencialmente apocalípticas se compara ao facto de você ou eu, ou mesmo o proprietário de uma empresa, expressarmos as nossas dúvidas sobre as alegações infundadas das alterações climáticas.

Os defensores da crise climática veem os conservadores como criminosos


Se parece ridículo e falso, é porque é.

Mas isso não importa para as Nações Unidas. De acordo com o artigo da UNESCO, os que duvidam das alterações climáticas representam uma ameaça existencial para a humanidade. Consequentemente, qualquer pessoa que questione “a ciência” das alterações climáticas é culpada de desencadear uma linguagem de fim do mundo e deve ser silenciada, aconteça o que acontecer.

“Devemos usar o direito penal para combater as alterações climáticas? A atual geração de pessoas vivas no Antropoceno é capaz de danificar e degradar o meio ambiente de maneiras que poderiam extinguir a humanidade. O “postericídio” é uma resposta moralmente necessária às novas circunstâncias da humanidade no Antropoceno”, afirmou o artigo na revista The UNESCO Courier.

Observe a linguagem especial usada para justificar a violação dos nossos direitos como americanos. “Antropoceno”, aliás, refere-se à era em que a atividade humana teve impacto no planeta, também conhecida como era pós-industrialização. O “postericídio” é um novo crime internacional que tem a ver com aquelas pessoas e grupos não-conformes, como os conservadores nos Estados Unidos, que de alguma forma estão colocando todo o planeta em risco e deveriam, portanto, estar sujeitos ao direito penal internacional.

A administração Biden está abolindo a Declaração de Direitos?


Alguém pode ser perdoado por se perguntar se é o carbono extra das palavras à medida que são ditas, as próprias palavras, ou possivelmente ambas, que representam a maior ofensa.

Na verdade, isso não importa. O ponto principal é que parece que nem a administração Biden nem a ONU parecem ter qualquer consideração pela Declaração de Direitos que os americanos desfrutam e exercem livremente. Na verdade, pelo que parece, parece que os nossos direitos constitucionais em breve deixarão de ser válidos, se já não tiverem sido eliminados.

Dado que nem o Sr. Kerry nem a UNESCO parecem ter qualquer escrúpulo em pedir a abolição dos nossos direitos como americanos, sem sequer um gemido dos principais meios de comunicação, como alguém poderia chegar a outra conclusão? 
Referência: Epoch Times

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR