Gengibre atua no nível celular contra a inflamação: estudo

Os cientistas determinaram como o gengibre atua para acalmar a inflamação, uma descoberta promissora para pessoas com doenças autoimunes.


Gengibre atua no nível celular contra a inflamação: estudo

Novas pesquisas identificam o mecanismo do gengibre no controle da inflamação – uma descoberta que traz esperança para pessoas com doenças autoimunes incuráveis, incluindo a síndrome antifosfolipídica (APS), lúpus e artrite reumatoide.

O gengibre é conhecido por muito tempo por ajudar nos sintomas gastrointestinais, como náuseas. Existem pesquisas que mostram que o gengibre também pode ser benéfico no tratamento de diabetes tipo 2, câncer, cardiomiopatia diabética, doença hepática gordurosa e outras condições que envolvem inflamação e estresse oxidativo.

No auge da pandemia de COVID-19, alguns praticantes de medicina chinesa tradicional aconselharam o uso de gengibre para tratar os sintomas da COVID-19 e impulsionar a função imunológica.

Mas as investigações sobre doenças autoimunes geralmente ignoraram o potencial de tratamentos naturais, disse Ramadan Ali em entrevista ao The Epoch Times. O Sr. Ali é o autor principal da nova pesquisa publicada em 22 de setembro na revista de pesquisa biomédica JCI Insight.

As propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes do gengibre o levaram a questionar se ele poderia ajudar a aliviar os sintomas de doenças autoimunes, disse ele.


O Sr. Ali, que tem doutorado em química medicinal, é pesquisador na divisão de reumatologia do Departamento de Medicina Interna da Universidade de Michigan, em Ann Arbor. O estudo que ele e seus colegas realizaram foi replicado simultaneamente na Universidade do Colorado.

Como o gengibre acalma as células


O estudo se concentrou no efeito do gengibre em um tipo de glóbulo branco chamado neutrófilos. Os neutrófilos liberam armadilhas extracelulares de neutrófilos (ou NETs) por meio de um processo chamado NETose. Essas NETs são estruturas em forma de teia que matam patógenos e ajudam na defesa imunológica, disse o Sr. Ali ao The Epoch Times.

“Embora essas NETs ajudem a combater infecções, é uma espada de dois gumes. No contexto de doenças autoimunes, os neutrófilos estão hiperativos e produzem mais NETs, o que pode ser problemático. As NETs contribuem para a patogênese de muitas doenças autoimunes por meio da inflamação, coagulação sanguínea e dano vascular”, disse ele.

Em um estudo anterior, o Sr. Ali e sua equipe injetaram camundongos com gingeróis – o ingrediente bioativo mais abundante no gengibre – e descobriram que isso reduziu a hiperatividade dos neutrófilos e, portanto, suprimiu a NETose. Desta vez, eles buscaram determinar o impacto de um suplemento oral de gengibre em neutrófilos, tanto em camundongos com doenças autoimunes quanto em humanos saudáveis.

O consumo de gengibre reduziu a produção de autoanticorpos em camundongos com lúpus e também atenuou a trombose em camundongos com APS.

Nos voluntários humanos, que não tinham doença autoimune, os suplementos orais da marca Ginactiv contendo 20 mg de gingeróis, tomados por sete dias, também contiveram a hiperatividade dos neutrófilos e evitaram a NETose.

Um Complemento Seguro


Embora os resultados sejam promissores, o Sr. Ali e seus colegas ainda não podem afirmar que os suplementos de gengibre curarão pessoas com doenças autoimunes.

O coautor sênior do estudo, Jason Knight, M.D., professor associado na divisão de reumatologia da Universidade de Michigan, estava otimista sobre as implicações do estudo. Em um comunicado à imprensa, o Dr. Knight disse que o gengibre tem potencial como tratamento complementar aos regimes existentes.

“Não existem muitos suplementos naturais, ou medicamentos com receita, que se sabe que combatem os neutrófilos hiperativos. Portanto, achamos que o gengibre pode realmente complementar os programas de tratamento que já estão em andamento.

“O objetivo é ser mais estratégico e personalizado em termos de ajudar a aliviar os sintomas das pessoas”, disse ele.

“Certamente não estamos sugerindo que alguém deva experimentar o gengibre em vez de um medicamento recomendado por seu médico”, disse a coautora sênior Kristen Demoruelle, M.D., professora associada de medicina na Escola de Medicina da Universidade do Colorado, em entrevista ao The Epoch Times.

“Mas para pessoas que talvez estejam procurando adicionar algo ao que já estão tomando, ou talvez sintam que os medicamentos prescritos por seu médico não estão fazendo o suficiente, este é um suplemento seguro que pode ser tomado com outros medicamentos”, disse ela.

Mais pesquisas são necessárias, disse o Sr. Ali, e o próximo passo é testar a suplementação de gengibre em pacientes com doenças autoimunes ativas. A equipe espera garantir financiamento para esta próxima fase em breve.

“Estamos muito interessados em estender nossas descobertas para ensaios clínicos em pessoas com doenças autoimunes”, disse a Dra. Demoruelle. Pesquisas futuras incluirão diferentes marcas de suplementos de gengibre, acrescentou ela. Originalmente em: Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.