Risco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC

Risco de desenvolver doença cardíaca autoimune entre os "totalmente vacinados" para o coronavírus Covid-19 é 13.200%

Coletividade EvolutivaCiênciaRisco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC



Risco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC

As duas principais agências de saúde pública dos Estados Unidos realizaram um estudo conjunto mostrando que o risco de desenvolver doença cardíaca autoimune entre os "totalmente vacinados" para o coronavírus Covid-19 é 13.200% maior do que entre os não vacinados. Essa admissão é uma prova clara que as injeções mRNA estão induzindo a chamada morte súbita - o que apelidamos de morte silenciosa.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA descobriram que, em comparação com o risco de fundo na população em geral, o risco de miocardite é 133 vezes maior naqueles que tomaram as injeções de mRNA da Pfizer-BioNTech ou da Moderna.

Pesquisadores de várias universidades e hospitais de ponta nos Estados Unidos contribuíram para o estudo, que foi publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA).

Usando dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) administrado pelo governo, o CDC e a FDA identificaram 1.626 casos de miocardite, que foram cruzados para garantir que os resultados estejam de acordo com a definição oficial de miocardite do CDC.

Com base nisso, os pesquisadores determinaram que a vacina de mRNA de alto risco é a produzida pela Pfizer-BioNTech, o que significa que esta é a mais perigosa em termos de potenciais efeitos à saúde.

As vacinas da Pfizer, de acordo com os dados fornecidos ao VAERS, causaram 105,9 casos de miocardite por milhão de doses após a segunda injeção na faixa etária masculina de 16 e 17 anos e sexo demográfico. Na faixa etária de 12 a 15 anos para o sexo masculino, houve 70,7 casos de miocardite por milhão de doses após a segunda dose.

A faixa etária masculina de 18 a 24 anos teve o maior risco, com 52,4 casos por milhão para a Pfizer e 56,3 casos por milhão para a Moderna. O tempo mediano para o início dos sintomas foi de apenas dois dias para ambos os vacinados.

Como o VAERS captura apenas cerca de 1% dos danos causados pela vacina, qual é o risco VERDADEIRO de doença cardíaca autoimune após a injeção de covid?


Como estudos anteriores descobriram, a grande maioria dos problemas cardíacos relacionados à vacina covid, cerca de 82%, ocorre em homens. Na grande maioria dos casos, cerca de 96%, aqueles que foram infligidos com miocardite tiveram que ser hospitalizados e, na maioria dos casos, foram tratados com anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs).

No momento da alta, 87% dos hospitalizados tiveram resolução dos sintomas, pelo menos inicialmente. Não há como dizer o que essas pessoas podem sofrer com o passar dos anos, pois essa injeção de 
mRNA da Pfizer-BioNTech ou da Moderna causam efeitos permanentes. Portanto, uma simples inflamação cardíaca, não é simples.

Entre os sintomas mais comumente relatados estão:

  • dor no peito, pressão ou desconforto (89%)
  • falta de ar (30 por cento)
  • resultados anormais no Eletrocardiograma (ECG) (72 por cento)
  • achados anormais de ressonância magnética cardiovascular  (RMC) (72 por cento)

Reconhecendo a forte e inegável ligação entre as vacinas contra a covid e as doenças cardíacas, o CDC iniciou um programa de vigilância ativa para adolescentes e adultos jovens para monitorar seu progresso após esses incidentes relacionados ao coração pós-injeção.

Obtenha esse suplemento de vitamina D3 + K2 em gotas AQUI - Indicado para todas as idades. Apenas 5 gotinhas por dia. Basta pingar algumas gotas na boca ou misturar com água ou suco. Auxilia no funcionamento do sistema imune e muscular. Também é grande aliada na saúde óssea, cardiovascular e auxilia no raciocínio lógico.

Como as vacinas só foram divulgadas desde o final de dezembro de 2020, e realmente só começaram a entrar no corpo das pessoas em 2021, ainda não há dados de longo prazo para avaliar sobre o impacto de longo prazo da doença cardíaca relacionada à vacina covid e outros possíveis danos como cânceres (aqui e aqui), destruição imunológica (aqui e aqui) e outros desconhecidos.

A propósito, o VAERS captura apenas um por cento de todas as lesões e mortes relacionadas à vacina. Portanto, por mais chocantes que sejam esses números e porcentagens, é preciso multiplicá-los por muito para obter uma imagem mais precisa do número de feridos e mortos por essas injeções de veneno de morte silenciosa.
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu
Fique por dentro do nosso Telegram

SEGUIR

Entre para nosso Canal WhatsApp

Recebar notícias diretamente no WhatsApp

SEGUIR
SUPLEMENTOEvite deficiências nutricionais com Extrato de Própolis Verde, Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Obter já