Coletividade Evolutiva , Risco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , saúde , Vacina , Vacinação ,

Risco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC

Risco de desenvolver doença cardíaca autoimune entre os "totalmente vacinados" para o coronavírus Covid-19 é 13.200%


Risco de doença cardíaca dispara 13.200% entre vacinados, admite dados do CDC

As duas principais agências de saúde pública dos Estados Unidos realizaram um estudo conjunto mostrando que o risco de desenvolver doença cardíaca autoimune entre os "totalmente vacinados" para o coronavírus Covid-19 é 13.200% maior do que entre os não vacinados. Essa admissão é uma prova clara que as injeções mRNA estão induzindo a chamada morte súbita - o que apelidamos de morte silenciosa.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA descobriram que, em comparação com o risco de fundo na população em geral, o risco de miocardite é 133 vezes maior naqueles que tomaram as injeções de mRNA da Pfizer-BioNTech ou da Moderna.

Pesquisadores de várias universidades e hospitais de ponta nos Estados Unidos contribuíram para o estudo, que foi publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA).

Usando dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) administrado pelo governo, o CDC e a FDA identificaram 1.626 casos de miocardite, que foram cruzados para garantir que os resultados estejam de acordo com a definição oficial de miocardite do CDC.

Com base nisso, os pesquisadores determinaram que a vacina de mRNA de alto risco é a produzida pela Pfizer-BioNTech, o que significa que esta é a mais perigosa em termos de potenciais efeitos à saúde.

As vacinas da Pfizer, de acordo com os dados fornecidos ao VAERS, causaram 105,9 casos de miocardite por milhão de doses após a segunda injeção na faixa etária masculina de 16 e 17 anos e sexo demográfico. Na faixa etária de 12 a 15 anos para o sexo masculino, houve 70,7 casos de miocardite por milhão de doses após a segunda dose.

A faixa etária masculina de 18 a 24 anos teve o maior risco, com 52,4 casos por milhão para a Pfizer e 56,3 casos por milhão para a Moderna. O tempo mediano para o início dos sintomas foi de apenas dois dias para ambos os vacinados.

Como o VAERS captura apenas cerca de 1% dos danos causados pela vacina, qual é o risco VERDADEIRO de doença cardíaca autoimune após a injeção de covid?


Como estudos anteriores descobriram, a grande maioria dos problemas cardíacos relacionados à vacina covid, cerca de 82%, ocorre em homens. Na grande maioria dos casos, cerca de 96%, aqueles que foram infligidos com miocardite tiveram que ser hospitalizados e, na maioria dos casos, foram tratados com anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs).

No momento da alta, 87% dos hospitalizados tiveram resolução dos sintomas, pelo menos inicialmente. Não há como dizer o que essas pessoas podem sofrer com o passar dos anos, pois essa injeção de 
mRNA da Pfizer-BioNTech ou da Moderna causam efeitos permanentes. Portanto, uma simples inflamação cardíaca, não é simples.

Entre os sintomas mais comumente relatados estão:

  • dor no peito, pressão ou desconforto (89%)
  • falta de ar (30 por cento)
  • resultados anormais no Eletrocardiograma (ECG) (72 por cento)
  • achados anormais de ressonância magnética cardiovascular  (RMC) (72 por cento)

Reconhecendo a forte e inegável ligação entre as vacinas contra a covid e as doenças cardíacas, o CDC iniciou um programa de vigilância ativa para adolescentes e adultos jovens para monitorar seu progresso após esses incidentes relacionados ao coração pós-injeção.

Obtenha esse suplemento de vitamina D3 + K2 em gotas AQUI - Indicado para todas as idades. Apenas 5 gotinhas por dia. Basta pingar algumas gotas na boca ou misturar com água ou suco. Auxilia no funcionamento do sistema imune e muscular. Também é grande aliada na saúde óssea, cardiovascular e auxilia no raciocínio lógico.

Como as vacinas só foram divulgadas desde o final de dezembro de 2020, e realmente só começaram a entrar no corpo das pessoas em 2021, ainda não há dados de longo prazo para avaliar sobre o impacto de longo prazo da doença cardíaca relacionada à vacina covid e outros possíveis danos como cânceres (aqui e aqui), destruição imunológica (aqui e aqui) e outros desconhecidos.

A propósito, o VAERS captura apenas um por cento de todas as lesões e mortes relacionadas à vacina. Portanto, por mais chocantes que sejam esses números e porcentagens, é preciso multiplicá-los por muito para obter uma imagem mais precisa do número de feridos e mortos por essas injeções de veneno de morte silenciosa.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR