Vacinação

Veja você mesmo os detalhes de corrupção do CDC neste novo artigo científico sobre miocardite pós vacina COVID

Vacinação: Uma equipe de cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA publicou um estudo no Journal of the American Medica...

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Nos Apoie
Não está convencido de que as “vacinas” covid causam miocardite? Veja você mesmo os detalhes de corrupção do CDC neste novo artigo do JAMA

Uma equipe de cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA publicou um estudo no Journal of the American Medical Association (JAMA) que prova que as “vacinas” do coronavírus Wuhan (Covid-19) estão causando miocardite – e a taxas muito mais altas do que as bases de dados oficiais mostram.

Intitulado “Casos de miocardite relatados após vacinação COVID-19 baseada em mRNA nos EUA de dezembro de 2020 a agosto de 2021”, o artigo contém um parágrafo-chave que nos diz tudo o que precisamos saber sobre a precisão do Sistema de Relatório de Eventos Adversos da Vacina ( VAERS):

“Além disso, como um sistema passivo, os dados do VAERS estão sujeitos a vieses de relatórios, pois tanto a subnotificação quanto a supernotificação são possíveis. Dada a alta taxa de verificação de notificações de miocardite ao VAERS após a vacinação COVID-19 baseada em mRNA, a subnotificação é mais provável. Portanto, as taxas reais de miocardite por milhão de doses de vacina são provavelmente mais altas do que o estimado”.

Tenha em mente que são os cientistas do CDC admitindo que o VAERS é atingido por um sério fator de subnotificação (URF sigla inglês). E mesmo que eles também tenham lançado a palavra “supernotificação”, na verdade não há nenhuma evidência científica para apoiar essa noção.

“Não consigo nem imaginar como o VAERS pode ser supernotificado, já que o sistema deve eliminar duplicatas, a menos que haja um bug”, escreve o jornalista investigador independente Steve Kirsch.

“Mas o principal aqui é que eles não fizeram absolutamente nada para tentar quantificar o fator de subnotificação (URF)”.

De acordo com 
jornalista investigador independente,Steve Kirsch, esses cientistas do CDC sabem muito bem como estimar o fator de subnotificação. Um de seus autores, Dr. John Su, escreveu um artigo sobre como fazê-lo em novembro de 2020, intitulado “A sensibilidade de notificação do sistema de notificação de eventos adversos da vacina (VAERS) para anafilaxia e síndrome de Guillain-Barré”.

Dr. John Su poderia facilmente ter aplicado essa mesma metodologia em seu último artigo sobre vacinas e anafilaxia, mas por qualquer motivo eles optaram por não fazê-lo. A razão, diz Kirsch, é que eles “não querem que ninguém saiba o quão sério é”.

“Então eles deliberadamente deixam de fora a estimativa do fator de subnotificação (URF) mínimo (o URF mínimo é o URF calculado usando os eventos mais sérios que deveriam ser sempre relatados) e deixam isso como um exercício para o leitor”, escreve  jornalista investigador independente,Steve Kirsch.

Kirsch fez seus próprios cálculos de URF mostrando que, no mínimo, o número é 41. Na realidade, porém, o URF é mais como 100 ou superior, sendo 100 uma estimativa conservadora.

“Isso é muito alto”, diz Kirsch. “É inaceitavelmente alto. É por isso que eles nunca aplicam o URF. Porque isso desqualificaria a vacina.”

A propósito, quando dizemos um URF de 100, o que isso significa é que uma em cada 100 pessoas injetadas desenvolve sintomas de miocardite. Esse é um número surpreendentemente alto, especialmente em comparação com os números oficiais do governo.

“Os dados do mundo real são mantidos escondidos da vista de todos”. “Ainda não vi uma única escola que publique seus casos de miocardite.” Diz o jornalista investigador independente,Steve Kirsch

“A única maneira de descobrir isso é quando os pais conversam com os pais. O governo não quer que ninguém saiba os números reais por razões óbvias: mataria o programa de vacinas se as pessoas soubessem a verdade. Então todo mundo fica quieto e você tem que ter muita sorte para obter qualquer dado.”

Kirsch aponta para a Monte Vista Christian School (MVCS) como um exemplo. Lá, foram relatados quatro casos de miocardite pós-vacina. Com 800 alunos, aproximadamente metade dos quais são meninos e aproximadamente metade dos quais são vacinados, isso parece fundamentar um URF de 100 para miocardite pós-vacinas. Referência: Steve Kirsch.substack.com ScienceDirect.com / Naturalnews.com
Publicidade
Publicidade
Explore mais em: Coronavírus , Covid-19 , manipulação , Vacina , Vacinação
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor

Para impulsionar sua saúde:

MAIS RECENTES