Pandemia da fome vai se alastrando: Mais de 250 milhões de pessoas passaram fome em 2020

Sociedade: Pandemia da fome vai se alastrando: Mais de 250 milhões de pessoas passaram fome em 2020... Mais de 250 milhões de pessoas enfrentaram a insegurança alimentar em 2020 por conta dos lockdowns para frear a pandemia

Fabio Allves
Compartilhe:
Pandemia da fome vai se alastrando: Mais de 250 milhões de pessoas passaram fome em 2020

A pandemia da fome que vem se alastrando em todo o mundo já mata mais que a Covid-19, e está diretamente ligado aos lockdown inúteis implementados pelas autoridades do governo em prol de tentar combater o número de casos de Covid-19, na verdade, combate tudo e todos os meios de sobrevivência da população, menos o vírus, causou e vem devastando com grande impacto negativo na economia não só do Brasil mais em todo o global e na sociedade civil, levando a mais de 265 milhões de pessoas à beira da fome. Praticamente morrendo de fome ou à beira da morte.

Um desses relatórios foi divulgado pelo 
Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas  (PMA) da Organização das Nações Unidas (ONU) em abril passado. Com base nesse relatório, cerca de 265 milhões de pessoas que vivem em países de baixa e média renda, teriam enfrentado escassez aguda de alimentos até o final de 2020, "a menos que uma ação rápida seja tomada" essa pandemia de fome continuará.

O mundo viu a pior recessão econômica desde a Segunda Guerra Mundial. Um relatório da ONU publicado em junho último descobriu que o efeito combinado da pandemia do coronavírus e da recessão global poderia interromper o funcionamento de sistemas alimentares inteiros e, eventualmente, resultar em consequências terríveis para a saúde e nutrição. Corrigindo a ONU aqui, não por pandemia, mas por lockdown draconianos que vem alimentando uma pandemia de fome em massa sem precedentes. Recomendado: Essa é a verdadeira agenda 2030 da ONU, eliminar a pobreza é exterminar os pobres

Em 2020 publicamos que o David Beasley , diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), alertou que o número de pessoas sofrendo de desnutrição aumentaria em 80 por cento antes do final de 2020. O resultado disso, diz ele, representaria uma "fome de proporções bíblicas". Recomendado: O lockdown e auxílio emergencial do colapso econômico, social e alimentar

“Obviamente as tensões sociais crescerão, a migração aumentará, os conflitos aumentarão e a fome provavelmente afetará aqueles que não experimentaram isso antes”, disse Beasley à agência de notícias russa TASS .

Mas isso ainda empalidece em comparação com os efeitos dos lockdown, fechamentos de empresas e empregos na segurança alimentar global. David Beasley, diretor do 
Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, alertou o Conselho de Segurança da ONU em abril passado que o mundo está “à beira de uma pandemia de fome”, com cerca de três dezenas de países em risco de passar pela fome em um futuro próximo. Recomendado: Agenda 21 da ONU: O Plano Fascista para uma Ditadura Mundial

O número de pessoas com fome crônica também subiu de cerca de 130 milhões no ano passado para mais de 800 milhões em 2021. Isso é quase oito vezes o número total de casos COVID-19 confirmados até o momento e essa pandemia de fome sem precedentes ninguém parece está se preocupando. Como sempre digo, as pessoas parecem estão adormecidas pela grande mídia-TVs que só vão acordar para a verdadeira pandemia, quando a fome bater na porta.

Este sistema alimentar global depende de cadeias de transporte longas e complexas e de viagens internacionais. E o fato de que a escassez ao redor do mundo veio principalmente de interrupções nessas cadeias revela que o sistema atual pode ser um sério risco durante uma crise. Isso pode explicar porque o sistema caiu da maneira que caiu quando os países começaram a implementar bloqueios.

Porém, mais do que expor um sistema ineficiente, a pandemia também revelou um sistema injusto. Aproximadamente um terço de todos os alimentos foram desperdiçados globalmente em 2019, mesmo com quase 690 milhões de pessoas subnutridas. A pandemia apenas ressaltou essa questão, bem como a forma como os gigantes do agronegócio tem causado insegurança alimentar.

Oferta restrita e alta demanda geram alta nos preços dos alimentos


Com as interrupções na cadeia de suprimentos, surge uma escassez de suprimentos. E com essa escassez vem o aumento dos preços dos alimentos. Recentemente, analistas alertaram que os preços recordes das safras de ração estão elevando os custos da alimentação dos animais usados ​​na alimentação. Os produtores de carne também tiveram que aumentar seus preços para se manterem lucrativos.

Na verdade, a carne pode em breve se tornar o motor da inflação global de alimentos, de acordo com um relatório da Bloomberg . Mas isso pode ter consequências drásticas para milhões que já lutam para colocar comida na mesa. A carne é um alvo que os globalistas querem tornar algo de luxo, querem acabar com a carne natural em nome do aquecimento global, outra fraude para implementar mais leis draconianas e acabar com as propriedades privadas. 
Segundo a ONU, o consumo da carne está diretamente ligado ao aquecimento global, que é uma fraude global é claro.

Especialistas disseram que os preços da ração estavam altos porque o mau tempo estava reduzindo as colheitas. A China também emergiu como o maior importador de milho do nada, fazendo pedidos extraordinariamente grandes e esticando os suprimentos.

Portanto, a menos que os governos ajam rapidamente, a pandemia alimentar global pode ter impactos graves e de longo prazo em milhões de pessoas ao redor do mundo, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Compartilhe:

EXPLORE MAIS SOBRE:

apocalipse | Brasil | Coronavírus | Covid-19 | dinheiro | Governo | Notícias alternativas | Pandemias | saúde | Sociedade
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.