Essa é a verdadeira agenda 2030 da ONU, eliminar a pobreza é exterminar os pobres

Compartilhar
Essa é a verdadeira agenda 2030 da ONU, acabar com a pobreza é exterminar os pobres

Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares - essa é uma das primeiras projeções da agenda 2030 da ONU em desenvolvimento sustentável. A pergunta que fica no ar, como acabar com a pobreza? Será que os bilionários "filantrópicos" realmente se preocupam com os pobres como se preocupa em dar vacinas aos pobres -  aponto de pegar metade de suas fortunas e distribui para os pobres? Ou será que só acaba com a pobreza exterminando os pobres?

Estar morrendo mais pessoas de fome do que pela Covid-19 e ninguém distribui ou compra alimentos em massa - apenas vacinas. Já são mais132 milhões de pessoas a mais do que o projetado anteriormente sendo afetado pela pandemia da fome. Esse é o plano deliberadamente criado para levar a completa extinção das pessoas pobres do planeta no qual a Organização Das Nações Unidas (ONU), afirma em seu site que eliminará a pobreza até o ano de 2030. Seus objetivos da agenda 2030 de desenvolvimento sustentável realmente pode ser alcançado com o extermínio humano global. Tudo está sendo alçando enquanto o mundo é distraído sobre uma suposta pandemia Covid-19.

Estar morrendo mais pessoas de fome do que pela Covid-19 e ninguém distribui alimentos em massa - apenas vacinas


Alertamos sobre a pandemia de fome que estava chegando, e agora ela chegou e estar matando mais pessoas do que o vírus Covid-19 e nem por isso, estamos vendo a ONU, OMS e autoridades realizando tremendo esforço para distribuir alimentos ou cestas básicas, como estão para distribuir uma vacina para esses vulneráveis que a cada dia aumenta - pobres cada vez mais pobres, classe média cada vez caindo para classe pobre e ricos cada vez mais ricos em meio ao caos. Como disse antes, a pandemia da Covid-19 está sendo usando como pretexto e distração para os verdadeiros problemas causados pelas autoridades dirigentes, as restrições implementadas pelos governos está levando a fome em massa e consequentemente morte por desnutrição.

Além disso, com o aumento da desnutrição, também afetam profundamente as pessoas. Pode enfraquecer o sistema imunológico, limitar a mobilidade e até prejudicar o funcionamento do cérebro. As crianças que sofrem de desnutrição no início da vida podem ver seu impacto até a idade adulta.

“Mesmo as formas mais brandas de insegurança alimentar têm consequências para a vida toda”, disse Chilton, do Center for Hunger-Free Communities. Problemas de desenvolvimento físico e cognitivo em crianças e adolescentes podem prejudicar as chances de permanecer na escola ou de conseguir um emprego, dando continuidade a um ciclo de pobreza.

Como disse no artigo recentemente publicado:

Não é a pandemia que realmente está matando as pessoas; são os governos. E qualquer um que não se render à tirania será apontado como “ameaça” à saúde pública e então silenciado ou removido à força.

É também uma força determinante em quem come e quem não come, enfatizando as divisões sociais globais, já que os mais ricos continuam desfrutando de um ritmo alucinante de acumulação de riqueza. Milhões de pequenas empresas, indústrias, comércios e assim por diante - pessoas foram demitidas do trabalho e não têm dinheiro suficiente para alimentar suas famílias, apesar do governo apresentar um auxílio de emergência que mais serviu para abrir as postas do colapso eminente.

Até o David Beasley , diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) braço da Organização das Nações Unidas, já tinha soado o alerta que o número de pessoas passando fome aumentaria em até 80 por cento antes do final de 2020. O resultado disso, diz ele, representará uma "fome de proporções bíblicas", que em minhas palavras em particular chamo de uma pandemia de fome.

Algumas projeções mostraram que, até o final do ano, devido às restrições implementadas pelos governos em pretexto de tentar conter a disseminação da Covid-19 - que especificamente combate não vírus mais as pessoas e seus meios de sobrevivência - fará com que mais pessoas morram de fome todos os dias do que de infecções por vírus Covid-19. O que torna a situação incomparável: o pico massivo está acontecendo em um momento de enormes restrições globais no qual também afeta a produção de alimentos. E está acontecendo em todas as partes do mundo, com novos níveis de insegurança alimentar previstos para países que costumavam aparentemente ter estabilidade.

Até o final desse ano, cerca de 12.000 pessoas segundo as projeções vão morrer todos os dias de fome devido às restrições implementadas pelos governos em pretexto de tentar conter a disseminação da Covid-19 , potencialmente morrendo mais pessoas de fome do que pelo próprio vírus, estima a caridade Oxfam International. Isso é calculado com base em um salto de mais de 80% para aqueles que enfrentam uma crise de fome. Globalmente, as mortes por infecções por coronavírus ultrapassaram 846.000, enquanto que 132 milhões de pessoas a mais do que o projetado anteriormente entrara para a pandemia da fome só em 2020.

As previsões iniciais das Nações Unidas mostram que, na pior das hipóteses, cerca de um décimo da população mundial não terá o suficiente para comer este ano. O impacto vai além da fome, já que milhões de pessoas também podem experimentar outras formas de insegurança alimentar, incluindo a impossibilidade de pagar por dietas saudáveis, o que pode levar à desnutrição e à obesidade.

Os efeitos serão de longa duração. Mesmo em suas melhores projeções, a ONU prevê que a fome será maior na próxima década do que o previsto antes da pandemia. Em 2030, o número de pessoas subnutridas - se não morrerem de fome até lá - pode chegar a 909 milhões, em comparação com um cenário anterior à Covid de cerca de 841 milhões.

Além do mal-estar econômico, alimentar e social causado pelos ridículos bloqueios anti-democráticos e a supressão para o público da Hidroxicloroquina que curou o presidente Jair Bolsonaro considerado do grupo de risco, levou a restrições e a destruição da vida das populações, a corrida e a esperança em vacinas perigosas, e consequentemente restrições em tentar conter a disseminação do vírus tratável por hidroxicloroquina, o que levou a uma verdadeira pandemia, pandemia da fome em massa.
Compartilhar
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Ajude-nos abrindo uma publicidade - Cique aqui
Continue lendo após publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram