ACORDA BRASIL - Médicos protestam: vacinas COVID são "experimentais" e nunca devem ser obrigatórias ou forçadas

Sociedade - ACORDA BRASIL - Médicos protestam: vacinas COVID são "experimentais" e nunca devem ser obrigatórias ou forçadas

Compartilhe
Médicos protestam contra vacinas COVID que são "experimentais" e nunca devem ser obrigatórias ou forçadas

Um grupo de médicos norte-americanos chamados Médicos da linha de frente da América fez um protesto em frente aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) em Atlanta alertando o governo contra forçar milhões de americanos a fazerem vacinações experimentais Covid-19 que equivaleria não só nos Estados Unidos, mas no Brasil e outras parde do mundo, como o“ maior programa de experimentação médica na história”.

Não só nos EUA, mas também no Brasil e outras partes do mundo, virou o grande laboratório de experimentos em humanos em campo aberto, violando a ética e o código de Nuremberg - inclusive o Supremo Tribunal Federal estar pretendendo obrigar vacinas experimentais que nem mesmo os órgãos reguladores sabem dos possíveis efeitos adversos a médio e longo prazo dessas substâncias chamadas vacinas Covid-19.

A Dra. Simone Gold, MD, JD, fundadora de (Médicos da linha de frente da América) America's Frontline Doctors, que já bem conhecido pelo seu esforço em promover a cura para Covid-19, porém, censurada diversas vezes pelos gigantes da tecnologia, disse que, embora a implementação acelerada da vacina Covid-19 de acordo com o programa “Warp Speed” do presidente Trump seja uma conquista logística “impressionante”, o próprio programa de vacinação “deveria ser abordado com cautela. ”

“Mandatos de vacinação em nível estadual, local e privado são incompatíveis com as liberdades civis e sujeitam milhões de americanos a uma droga experimental”, disse Gold em um comunicado à imprensa.

“Por esse motivo e mais, o Frontline Doctors da América está pedindo aos reguladores que abram o processo para comentários públicos adicionais e transparência antes que milhões de doses sejam fabricadas e administradas”, acrescentou ela.

A Dra. Simone Gold disse ao portal LifeSiteNews que “a maioria dos americanos não deve considerar um medicamento experimental para uma doença com uma taxa de sobrevivência de 99,7 por cento, pois o risco do tratamento experimental ultrapassaria qualquer benefício”.



“Os médicos fazem um juramento hipocrático de não causar danos. O Grupo Frontline Doctors da América está pedindo maior transparência para os cidadãos preocupados e melhores dados para os formuladores de políticas antes de embarcarmos no maior programa experimental de vacinação da história. A vacinação experimental deve ser sempre uma decisão informada entre um médico e seu paciente, levando em consideração uma pluralidade de fatores de risco, incluindo idade do paciente, comorbidades e riscos de exposição ”, acrescentou ela.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA anunciou na sexta-feira que aprovou o uso emergencial da vacina Pfizer-BioNTech para Covid-19 para indivíduos maiores de 16 anos. O CDC afirma que há uma “falta de dados sobre a segurança e eficácia” da vacina quando se trata de várias questões, como se a vacina é segura para uso com outras vacinas, se deveria ser usada por pessoas com “HIV infecção, outras condições imunocomprometedoras ”e se pode ser tomado com segurança por“ pessoas grávidas”.

A Dra. Simone Gold disse em um comunicado à imprensa que seu grupo não é “antivacinação”. Ela acrescentou, no entanto, que os americanos não deveriam ser obrigados a "sacrificar seus direitos constitucionalmente protegidos e, possivelmente, sua saúde por uma vacina experimental que não demonstrou sua segurança e eficácia usando os mesmos rigorosos padrões científicos que exigimos de outras drogas".
“Portanto, estamos aconselhando cautela entre os pacientes e seus médicos prescritores e conclamando o governo federal a levar essas preocupações de segurança a sério antes de administrar o maior programa de vacinação da história do nosso país”, disse ela.

O grupo de médicos divulgou um documento de posição em que expressou suas preocupações sobre as vacinas COVID-19.



Os médicos em seu artigo apontam que, na medicina, o princípio orientador é "primeiro, não faça mal".


“Distribuir amplamente uma vacina experimental COVID-19 antes de abordar e avaliar clinicamente as preocupações acima é imprudente”, eles escrevem, acrescentando: “Isso é especialmente verdadeiro em adultos com menos de 50 anos de idade que têm uma taxa de sobrevivência à infecção de cerca de 99,98 por cento, e ainda mais baixo naqueles sem comorbidades de alto risco. ”

Os médicos afirmam que a vacinação "deve ser sempre uma decisão informada entre um médico e seu paciente que leva em consideração uma pluralidade de fatores de risco, incluindo idade do paciente, comorbidades e riscos de exposição".

“Cada paciente é único em mente e corpo. É na relação sacrossanta entre o paciente e o médico que essas diferenças são exploradas, não por um político ou autoridade de saúde remota que nunca enfrentará um paciente ou membro da família em luto para relatar más notícias de uma intervenção médica ”, acrescentam.

Leia mais em  LifeSiteNews

Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Por favor, considere apoiar o nosso site.Fazer uma doação agora!
Mais sobre Sociedade
Compartilhe
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade
Coletividade Evolutiva é uma mídia independente e alternativa, sem financiamento ou apoio por donos bilionários, políticos ou acionistas. Se gostou que acabou de ler, mostre seu apoio curtindo ou seguindo nas redes sociais, ou inscrevendo-se por E-mail para receber as últimas notícias. Siga.
Instagram | Facebook |Twitter |Telegram |>>NOS POIE

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram