Injeções de mRNA Pfizer e Moderna: Estudo Alerta para Risco de Câncer

Um novo estudo lançou luz sobre possíveis riscos de cânceres relacionados às injeções de mRNA da Pfizer e Moderna COVID

Injeções de mRNA Pfizer e Moderna: Estudo Alerta para Risco de Câncer

Um novo estudo lançou luz sobre possíveis riscos de cânceres relacionados às injeções de mRNA da Pfizer e Moderna COVID, destacando uma ligação preocupante com o crescimento de células cancerígenas. A descoberta recente levanta questões sobre a segurança dessas vacinas, especialmente para pacientes com câncer e aqueles propensos a desenvolver a doença.

Desde o seu surgimento, as vacinas de mRNA têm sido amplamente aclamadas como uma solução "eficaz e segura" para conter a propagação do COVID-19. No entanto, inúmeros estudos e evidências recentes revelam que essas vacinas podem provocar efeitos adversos, particularmente no que diz respeito ao desenvolvimento do câncer.

O estudo, publicado recentemente, identificou um aditivo presente nas vacinas de mRNA da Pfizer e da Moderna que pode estimular o crescimento de células cancerígenas. Esse aditivo, conhecido como 100% N1-metil-pseudouridina (m1Ψ), foi associado a um aumento do crescimento de melanoma e metástases em um modelo de estudo.

Os pesquisadores também observaram que as vacinas de mRNA modificadas com m1Ψ inibiram vias imunológicas essenciais, comprometendo a sinalização precoce do interferon e resultando em uma resposta imunológica reduzida. Isso levanta preocupações sobre a eficácia das vacinas em fornecer imunidade esterilizante e proteção duradoura contra infecções recorrentes.

Além disso, o estudo sugeriu que a imunossupressão causada por esse aditivo pode permitir a proliferação celular sem impedimentos, potencialmente contribuindo para o desenvolvimento do câncer e câncer turbo/ agressivo. Essas descobertas são particularmente alarmantes à luz do rápido declínio da imunidade das vacinas e do aumento dos casos de câncer desde o lançamento das injeções de mRNA.

A adição de 100% N1-metil-pseudouridina (m1Ψ) à vacina de mRNA [como nas vacinas de Pfizer e Moderna] em um modelo de melanoma é mostrada para estimular o crescimento de câncer e metástases, enquanto as vacinas de mRNA não modificadas produziram resultados opostos, sugerindo que as vacinas de mRNA COVID-19 poderiam promover o desenvolvimento do câncer.

Com base nessas evidências convincentes, sugerimos que futuros ensaios clínicos para câncer ou doenças infecciosas não devem usar vacinas de mRNA com uma modificação de 100% de m1Ψ, mas sim aquelas com uma porcentagem menor de modificação de m1Ψ para evitar imunossupressão.

Os resultados do estudo levantam questões urgentes sobre a segurança e eficácia das vacinas de mRNA, especialmente para aqueles com histórico de câncer ou predisposição genética à doença. Os pesquisadores enfatizam a necessidade de ensaios clínicos futuros para evitar a modificação de m1Ψ em vacinas de mRNA, a fim de evitar potenciais riscos à saúde pública.

Isso também explica por que houve um aumento tão significativo de casos de câncer nos últimos anos desde o lançamento de injeções experimentais de genes, deixando até mesmo oncologistas experientes perplexos. Agora eles podem ter suas respostas.

Diante dessas preocupações, é essencial que autoridades regulatórias e profissionais de saúde conduzam uma análise cuidadosa dos dados disponíveis e tomem medidas para garantir a segurança e eficácia das vacinas. A saúde e bem-estar da população devem sempre ser prioridades máximas em todas as decisões relacionadas à saúde pública.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu