Especialista em câncer adverte: estamos sentados em uma bomba-relógio do reforço da Covid-19

Sinais alarmantes de um aumento significativo de casos de câncer, inclusive entre pessoas mais jovens após a pandemia vacinal COVID, têm surgido.


Especialista em câncer adverte: estamos sentados em uma bomba-relógio do reforço da Covid-19

O renomado oncologista e especialista em imunologia, Prof. Dr. Angus Dalgleish, emitiu um alerta preocupante sobre as potenciais consequências a longo prazo dos reforços da vacina contra a Covid-19 e a disparada de doenças cardiovasculares e principalmente de cânceres em pessoas jovens.

Sinais alarmantes de um aumento significativo de casos de câncer, inclusive entre pessoas mais jovens, têm surgido, levando a questionamentos sobre a segurança e os efeitos colaterais dessas doses adicionais.

Dalgleish compartilhou suas observações sobre o aumento de recidivas estáveis de câncer em sua clínica de melanoma, afirmando que pacientes anteriormente curados estão novamente adoecendo. 

Intrigantemente, ele destaca uma correlação entre essas recidivas e as doses de reforço da vacina contra a Covid-19. Essa observação é corroborada por relatos semelhantes de colegas no Reino Unido e na Austrália. (Relacionado: Oncologista Dr. William Makis: "Nunca vi cânceres comportarem-se assim")

O professor Dalgleish referiu-se a um comunicado da American Cancer Society (ACS), que alertou para o aumento de novos casos de câncer nos Estados Unidos, afetando especialmente pessoas mais jovens. 

Ele destaca que essas doenças agora são mais agressivas e associadas a tumores maiores. Além disso, aponta para diferenças no microbioma entre pacientes com menos e mais de 50 anos, sugerindo uma complexidade adicional no quadro. (Relacionado: Dr. Ryan Cole: "As autoridades sabiam que as vacinas Covid provocam cânceres")

Segundo o professor Dalgleish, há várias explicações para isso. Ele explica:

Primeiro, foi relatado que as respostas das células T são suprimidas após as doses de reforço (embora este não seja o caso após as duas primeiras injeções) e que isso é particularmente pronunciado em alguns pacientes com câncer.

Em segundo lugar, após a primeira dose de reforço, o repertório de anticorpos muda de uma resposta protetora de células B IgG1 e IgG3-dominante para uma resposta IgG4 tolerante, que é exacerbada por reforços adicionais, como relatado em um artigo recente na Science Immunology. Como muitos cânceres são controlados por imunidade mediada por células T efetiva, a interrupção repentina desse controle explicaria claramente o desenvolvimento de leucemias e linfomas de células B, melanoma, carcinomas de células renais e tumores colorretais, todos tumores que podem responder a imunoterapias.

O aumento geral da mortalidade em várias faixas etárias, principalmente entre os mais jovens, também é mencionado por Dalgleish. Ele destaca a possível relação entre esse aumento e casos de miocardite e outros problemas cardiovasculares relacionados às vacinas contra a Covid-19, como apontado por outros especialistas.

O professor Dalgleish escreve:

Em relação à associação com câncer, há inúmeros relatos na literatura de cânceres que ocorrem dias após a administração das vacinas, especialmente no caso de linfoma e leucemia. Há vários relatos de tumores explodindo por PET scan no local das injeções de Covid e nas áreas de drenagem. Fora das minhas observações clínicas, vários amigos desenvolveram câncer depois de receber um reforço Covid completamente desnecessário tomado apenas para facilitar a viagem.

Dalgleish menciona relatos na literatura médica de cânceres surgindo dias após a administração das vacinas, especialmente linfoma e leucemia. Ele destaca a alteração nas respostas das células T após os reforços, bem como mudanças no repertório de anticorpos que podem explicar o desenvolvimento de vários tipos de câncer.

O oncologista alerta ainda para o aumento da PD-L1 em granulócitos e monócitos causado pelas vacinas de mRNA, o que pode contribuir para a resistência de alguns tumores à imunoterapia. Relatos de presença de plasmídeos de DNA e promotores SV40, além da capacidade do RNAm de se ligar a genes supressores-chave, adicionam complexidade ao cenário.

Embora isso seja controverso e tenha sido questionado, levou ao reconhecimento de variações significativas em lotes que poderiam melhorar o processo de câncer, mas é improvável que se manifestem até alguns anos mais tarde. A mera possibilidade de estarmos sentados em uma bomba-relógio de câncer induzida por vacinas significa que nunca mais devemos nos permitir estar envolvidos em um programa de vacinação em massa para uma possível doença X adicional.

Diante dessas observações e preocupações, Dalgleish enfatiza a necessidade de informar o público sobre a possível correlação entre as vacinas Covid-19 e o câncer, destacando que essa conscientização é crucial para evitar danos futuros. - Referência para este artigo: Report24

Você ainda pode ter uma prevenção e tratamento eficaz com ivermectina: 
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu