O MILAGRE DA IVERMECTINA: trata inúmeras doenças, desde dengue, zika, HIV, câncer, Doença neurológica, Epilepsia, Asma, Malária e muito mais

Toda aquela repetição da COVID ESTÁ NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NOVAMENTE - MENTINDO E INCENTIVANDO UMA VACINA MAL ESTUDADA E EXPERIMENTAL PARA DENGUE


O MILAGRE DA IVERMECTINA: trata inúmeras doenças, desde dengue, zika, câncer, Doença neurológica, Epilepsia, Asma, Malária e muito mais

A ivermectina é um medicamento antiparasitário utilizado no tratamento de doenças parasitárias. É aprovado pela FDA para uso em humanos para tratar uma variedade de infecções parasitárias, incluindo vermes parasitas, ancilostomíase e verme chicote. 

A atividade antiviral da ivermectina tem sido demonstrada contra uma ampla gama de vírus de RNA e DNA, por exemplo, dengue, zika, febre-amarela e outros. Além disso, ela é altamente eficaz no combate de células cancerígenas ou no câncer.

A ivermectina também pode ser usada como um tratamento eficaz para uma ampla gama de outras condições e como um tratamento de oncocercose, estrongiloidíase intestinal e oncocercose ou cegueira do rio entre outras. 

Mas vou contestar aqui primeiro toda a falsa narrativa midiática e dos representantes de institutos de saúde afirmando falsamente ou ignorantemente que a ivermectina não pode combater a dengue. Toda aquela repetição da COVID ESTÁ NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NOVAMENTE, AGORA SOB O "RÓTULO DENGUE" - MENTINDO E INCENTIVANDO UMA VACINA MAL ESTUDADA E EXPERIMENTAL QUE NÃO SE SABE SEUS POTENCIAIS EFEITOS A LONGO PRAZO. ESTÃO CRIANDO PROPAGANDA TERROR PARA CRIAR UMA PANDEMIA VACINAL DA DENGUE.

VAMOS VER OS ESTUDOS:

A Ivermectina Acelera a Depuração da Proteína Não Estrutural 1 (NS1) Circulante em Pacientes Adultos com Dengue: Um Ensaio Clínico Randomizado Duplo-cego Controlado por Placebo de Fase 2/3


Como explicam os cientistas, a proteína não estrutural 1 (Nsp1) codificada pelo Sars-Cov-2 é um dos instrumentos centrais usados pelo vírus para garantir sua replicação e propagação em hospedeiros humanos. A molécula foi identificada inicialmente durante o surto de Sars, causado por outro tipo de coronavírus, entre 2002 e 2003 na China - Essa estrutura é a mesma função usada por outras infecções como a DENGUE AQUI - e se sabe que a ivermectina funcionou notavelmente eficaz contra o Sars-Cov2 ou COVID-19 - PORTANTO, A IVERMECTINA TAMBÉM É FUNCIONAL NO COMBATE E PREVENÇÃO DA DENGUE.

Abstrair

Fundo: A dengue é a doença viral transmitida por mosquitos mais significativa; não há terapêuticas específicas. O antiparasitário ivermectina inibe eficientemente a replicação de todos os 4 sorotipos do vírus da dengue in vitro.

Métodos: Conduzimos 2 ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo consecutivos em pacientes adultos com dengue para avaliar a segurança e a eficácia virológica e clínica da ivermectina. Após um ensaio de fase 2 com 2 ou 3 dias de 1 dose diária de 400 μg/kg de ivermectina, continuamos com um ensaio clínico de fase 3, controlado por placebo, com 3 dias de 400 μg/kg de ivermectina.

Resultados: O estudo de fase 2 mostrou uma tendência na redução do tempo de depuração da proteína não estrutural plasmática 1 (NS1) no grupo de ivermectina de 3 dias em comparação com o placebo. Combinando ensaios clínicos de fase 2 e 3, 203 pacientes foram incluídos na análise de intenção de tratamento (100 e 103 pacientes recebendo ivermectina e placebo, respectivamente). Dengue hemorrágica ocorreu em 24 (24,0%) dos pacientes tratados com ivermectina e 32 (31,1%) pacientes recebendo placebo (P = .260). A mediana (intervalo de confiança [IC] de 95%) do tempo de depuração da antigenemia NS1 foi menor no grupo ivermectina (71,5 [IC 95% 59,9-84,0] horas vs 95,8 [IC 95% 83,9-120,0] horas, P = .014). Na alta, 72,0% e 47,6% dos pacientes dos grupos ivermectina e placebo, respectivamente, apresentavam NS1 plasmática indetectável (P = .001). Não houve diferenças no tempo de depuração da viremia e na incidência de eventos adversos entre os 2 grupos.

Conclusões: Uma dose diária de 3 dias 1 de 400 μg/kg de ivermectina oral foi segura e acelerou a eliminação da antigenemia NS1 em pacientes com dengue. No entanto, a eficácia clínica da ivermectina não foi observada neste regime posológico.

© O(s) Autor(es) 2021. Publicado pela Oxford University Press para a Infectious Diseases Society oF America. Todos os direitos reservados.  PubMed

RELATÓRIO: ivermectina no tratamento de inúmeras doenças - [Não deixe de compartilhar]

A ivermectina já está implantada para tratar uma variedade de infecções e doenças, a maioria das quais afeta principalmente os pobres do mundo. Mas são as novas oportunidades em relação ao uso da ivermectina, ou reaproveitando-a para controlar uma gama completamente nova de doenças, que estão gerando interesse e entusiasmo nas comunidades científicas e globais de pesquisa em saúde.

A ivermectina é registrada para uso humano principalmente para tratar oncocercose e estrongiloidíase e, em combinação com albendazol, para combater a filariose linfática, além de ser cada vez mais usada 'off-label' para combater uma variedade de outras doenças. Tratamentos orais são comuns, mas doses de ivermectina também têm sido administradas com sucesso por reto, por via subcutânea e tópica (Figura 5). 

A seguir estão uma indicação do potencial divergente de combate à doença que foi identificado para a ivermectina até agora: Você pode saber mais no relatório completo aqui: Ivermectina: enigmática droga 'maravilha' multifacetada continua a surpreender e superar expectativas:

Antivirais (por exemplo, HIV, dengue, encefalite)

Pesquisas recentes confundiram a crença, mantida durante a maior parte dos últimos 40 anos, de que a ivermectina era desprovida de quaisquer características antivirais. Descobriu-se que a ivermectina inibe poderosamente a replicação do vírus da febre amarela, com CE50 valores na faixa sub-nanomolar. Ele também inibe a replicação em vários outros flavivírus, incluindo dengue, encefalite japonesa e encefalite transmitida por carrapatos, provavelmente por ter como alvo a atividade não estrutural da helicase 3.97 A ivermectina inibe os vírus da dengue e interrompe a replicação do vírus, conferindo proteção contra a infecção com todos os sorotipos distintos do vírus, e tem potencial inexplorado como antiviral da dengue.98

A ivermectina também demonstrou ser um potente inibidor específico de amplo espectro do transporte nuclear mediado pela importina α/β e demonstra atividade antiviral contra vários vírus de RNA, bloqueando o tráfego nuclear de proteínas virais. Tem sido demonstrado que tem potente ação antiviral contra os vírus HIV-1 e dengue, ambos dependentes da superfamília de proteínas importinas para vários processos celulares chave. A ivermectina pode ser importante na interrupção da integrase do HIV-1 no HIV-1, bem como da polimerase NS-5 (proteína não estrutural 5) nos vírus da dengue.99100

Antibacteriano (tuberculose e úlcera de Buruli)

Até recentemente, acreditava-se que as avermectinas também não tinham atividade antibacteriana. No entanto, em 2012, surgiram relatos de que a ivermectina era capaz de prevenir a infecção de células epiteliais pelo patógeno bacteriano Chlamydia trachomatis, e fazê-lo em doses que poderiam ser usadas para combater infecções sexualmente transmissíveis ou oculares.101 Em 2013, os pesquisadores confirmaram que a ivermectina era bactericida contra uma série de organismos micobacterianos, incluindo cepas multirresistentes e extensivamente resistentes de Mycobacterium tuberculosis, os autores sugerindo que a ivermectina poderia ser reaproveitada para o tratamento da tuberculose. Embora outros pesquisadores tenham descoberto que a ivermectina não possui atividade antituberculose, os resultados foram mostrados mais tarde para ser não-comparável devido a diferenças nos métodos de teste, com os achados originais sendo confirmados por trabalhos adicionais no Japão.102103, 104 Infelizmente, o uso potencial de ivermectina para o tratamento da tuberculose é duvidoso devido à possível neurotoxicidade em altas doses. A ivermectina também foi relatada como bactericida contra M. ulcerans,105 embora outros pesquisadores não encontraram nenhuma atividade significativa contra esta bactéria.106

Miíase

Miíase é uma infestação de larvas de moscas que crescem dentro do hospedeiro. A remoção cirúrgica de parasitas é muitas vezes o único remédio, mas indisponível para muitas das pessoas necessitadas que vivem em comunidades tropicais rurais pobres, onde as moscas miiáticas prosperam. A miíase oral foi tratada com sucesso com ivermectina,51 que também tem sido utilizada efetivamente como tratamento não invasivo da miíase orbitária, morbidade ocular rara e prevenível.52

Triquinose

Globalmente, aproximadamente 11 milhões de indivíduos estão infectados com vermes Trichinella. A ivermectina mata Trichinella spiralis, espécie responsável pela maioria dessas infecções.53

Controle de vetores de doenças

A ivermectina é altamente eficaz em matar uma ampla gama de insetos. Testes abrangentes contra 84 espécies de insetos mostraram que as avermectinas eram tóxicas para quase todos os insetos testados, incluindo os vetores da malária e doenças tropicais negligenciadas críticas, como leishmaniose e tripanossomíase (veja abaixo). Em doses subletais, a ivermectina inibe a alimentação e interrompe o comportamento de acasalamento, oviposição, eclosão e desenvolvimento dos ovos.5455

Malária

Os mosquitos (Anopheles gambiae) que transmitem o Plasmodium falciparum, o parasita causador da malária mais perigoso, podem ser mortos pela ivermectina presente na corrente sanguínea humana após uma dose oral padrão.56575859 Enquanto isso, tem sido demonstrado que, mesmo em níveis submicromolares, a ivermectina inibe a importação nuclear de polipeptídeos da partícula de reconhecimento de sinal de P. falciparum (PfSRP), matando os parasitas. Consequentemente, em combinação com outros agentes antimaláricos, a ivermectina poderia se tornar uma nova e útil ferramenta de controle da transmissão da malária.6061 O uso da ivermectina como uma arma adicional de controle da malária está recebendo atenção crescente, impulsionado pela crescente importância da transmissão da malária ao ar livre/residual e pela ameaça de resistência a inseticidas. Um dos resultados foi a criação da "Rede de Pesquisa de Ivermectina para a Eliminação da Malária".62

Leishmaniose

A ivermectina tem sido proposta como um possível inseticida alimentado por isca de roedor para auxiliar no controle dos flebotomíneos vetores transmissores de parasitas de Leishmania.6364 Experimentos para testar o impacto da ivermectina em um vetor flebotomíneo que se alimenta de sangue, Phlebotomus papatasi, demonstraram que eles morrem se a alimentação de sangue for de 1 a 2 dias após o tratamento. Embora tenha sido demonstrado que as promastigotas de Leishmania major morrem ou perdem sua infectividade após a exposição à ivermectina, ela não tem um grande impacto contra a L. major. No entanto, a ivermectina é mais eficaz em matar promastigotas do que a rifampicina, nistatina e eritromicina.6566 Para a leishmaniose cutânea, a ivermectina é mais eficaz que outras drogas (incluindo pentostam, rifampicina, anfotericina B, berenil, metronidazol e nistatina) na morte de parasitas de Leishmania tropica in vitro e por inoculação subcutânea, com cicatrização acelerada de úlceras cutâneas.60 Quando associada ao curativo cirúrgico adequado, a ivermectina mostra-se significativa promessa na cura da leishmaniose cutânea.67

Tripanossomíase africana (doença do sono)

Moscas tsé-tsé (Glossina palpalis) alimentadas com animais tratados com ivermectina morrem dentro de 5 dias, demonstrando que a ivermectina promete ajudar a controlar esses vetores da tripanossomíase africana.6869 Eficazes em matar moscas tsé-tsé, experimentos em camundongos infectados com parasitas Trypanosoma brucei brucei também mostraram que o tratamento com ivermectina dobrou seu tempo de sobrevivência, sugerindo que há espaço para investigar o uso de ivermectina no tratamento da tripanossomíase africana sob vários aspectos.70

Tripanossomíase americana (doença de Chagas)

Quando cães infectados com parasitas do Trypanosoma cruzi sofreram uma infestação por carrapatos, o tratamento com ivermectina eliminou os carrapatos, mas não teve impacto nem nos cães nem em sua infecção. Triatomíneos vetores de T. cruzi que se alimentaram dos cães relativamente logo após o tratamento apresentaram alta mortalidade, que declinou rapidamente à medida que o intervalo entre o tratamento com ivermectina e a alimentação sanguínea aumentou.71

Esquistossomose

As espécies de Schistosoma são o agente causador da esquistossomose, uma doença que afeta mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo. O praziquantel é a única droga disponível para o controle da esquistossomose, sendo os parasitas resistentes ao esquistossomo um problema cada vez mais preocupante.7273 A ivermectina é um potente agonista dos canais de cloreto dependentes de glutamato e, como a sinalização do glutamato tem sido registrada em esquistossomos,7475 Pode haver um alvo de ivermectina no tegumento. Trabalhadores no Egito avaliando o efeito da ivermectina em camundongos infectados com Schistosoma mansoni concluíram que a ivermectina tem efeitos antiesquistossomóticos promissores. Tem potencial devido à sua atividade esquistossomicida sobre vermes adultos, especialmente fêmeas, e seu efeito ovicida, além de seu impacto na melhora das lesões hepáticas.7677 Também tem sido relatado que a ivermectina pode matar Biomphalaria glabrata, caramujos hospedeiros intermediários envolvidos no ciclo de reinfecção da esquistossomose, reforçando a perspectiva do uso da ivermectina para ajudar no controle de uma das principais doenças tropicais negligenciadas do mundo.7879

Percevejos

Os percevejos são insetos parasitas da família Cimicidae que se alimentam exclusivamente de sangue. Cimex lectularius, o percevejo comum, alimenta-se de sangue humano, com infestações aumentando significativamente em famílias pobres em toda a América do Norte e Europa. A ivermectina é altamente eficaz contra percevejos, capaz de erradicar ou prevenir infestações de percevejos.80

Rosácea

Embora os efeitos antiparasitários de amplo espectro da ivermectina estejam bem documentados, sua capacidade anti-inflamatória só foi identificada relativamente recentemente. A ivermectina é utilizada 'off-label' para tratar doenças associadas aos ácaros Demodex, como blefarite e demodicose, a ivermectina oral, em combinação com a permetrina tópica, sendo um tratamento seguro e eficaz para a demodicose grave.81 Os ácaros Demodex também têm sido associados à rosácea, uma condição crônica da pele que se manifesta como lesões inflamatórias recorrentes. O tratamento a longo prazo é necessário para controlar os sintomas e a progressão da doença, sendo os medicamentos tópicos a escolha de primeira linha. Ivermectina 1% creme é um novo tratamento tópico uma vez ao dia para lesões de rosácea, mais eficaz e mais seguro do que todas as opções atuais,82 que recentemente recebeu aprovação de autoridades americanas e europeias para o tratamento de adultos com lesões de rosácea.

Asma

Um estudo de 2011 investigou o impacto da ivermectina nos sintomas de asma alérgica em camundongos e descobriu que a ivermectina (a 2 mg kg−1) reduziu significativamente o recrutamento de células imunes, a produção de citocinas nos lavados broncoalveolares e a secreção de IgE e IgG1 específicas para ovalbumina no soro. A ivermectina também suprimiu a hipersecreção de muco pelas células caliciformes, estabelecendo que a ivermectina pode efetivamente conter a inflamação, de modo que pode ser útil no tratamento da asma alérgica e outras doenças inflamatórias das vias aéreas.83

Epilepsia

A síndrome de Nodding (SN) é uma forma misteriosa e problemática de epilepsia que ocorre em partes do Sudão do Sul e norte de Uganda. Também é endêmica em um locus na Tanzânia, mas, lá, a prevalência é baixa e estável.8485 A condição tem sérias implicações socioeconômicas e, como outras formas de epilepsia, gera profundo estigma social.86 A característica externa óbvia da SN, que acomete crianças e adolescentes, é uma crise paroxística de movimento da cabeça para frente e para baixo, os episódios de acenar representando crises de epilepsia.87 Crianças com SN apresentam níveis variados de retardo mental, muitas vezes ao lado de notável déficit de crescimento e falha em desenvolver características sexuais secundárias (nanismo hipossexual). As crianças afetadas são aparentemente saudáveis até que os episódios de assentimento comecem, com várias morrendo devido a convulsões descontroladas.84 A causa da SN permanece desconhecida, mas parece haver uma ligação inexplicada com a infecção por oncocercose.888990 O Programa Africano de Controle da Oncocercose, que operava nos três países afetados, adotou a administração em massa de medicamentos de ivermectina em 1997. No entanto, nem sempre foi possível operar em regiões afetadas por conflitos. Depois que a guerra civil no norte de Uganda cessou, a distribuição semestral de ivermectina em distritos afetados por oncocercose e NS desde 2012 coincidiu com uma queda substancial no número de novos casos de SN. Nenhum novo caso foi relatado em 2013, embora não haja evidências conclusivas que comprovem qualquer conexão.91

Doença neurológica

Muitos distúrbios neurológicos, como a doença do neurônio motor, surgem devido à morte celular iniciada por níveis excessivos de excitação nos neurônios do sistema nervoso central. Uma nova terapia proposta para esses distúrbios envolve silenciar a atividade neuronal excessiva usando ivermectina. Devido à sua ação nos receptores P2X4, a ivermectina tem potencial na prevenção de transtornos relacionados ao uso do álcool92 bem como para a doença do neurônio motor.93 Com efeito, em 2007, cientistas belgas solicitaram uma patente, «Utilização da ivermectina e seus derivados para o tratamento da esclerose lateral amiotrófica» (publicação n.º: WO/2008/034202A3), para abranger «a utilização de ivermectina e análogos, para prevenir, retardar e melhorar uma doença do neurónio motor, como a esclerose lateral amiotrófica e a degeneração do neurónio motor associada».

Trabalhos recentes têm elucidado como a ivermectina se liga a receptores-alvo e ajudou a explicar sua seletividade para receptores de invertebrados Cys-loop. Combinado com informações genômicas emergentes, a sensibilidade das espécies à ivermectina pode agora ser prevista e a base molecular da resistência à ivermectina tornou-se mais clara. Em humanos, os receptores de neurotransmissores Cys-loop, particularmente aqueles ativados pelo GABA, medeiam a transmissão sináptica rápida por todo o sistema nervoso e são cruciais para a comunicação intercelular. São fatores-chave em processos fisiológicos fundamentais, como aprendizagem e memória, e em diversos distúrbios neurológicos, tornando-os alvos atraentes de drogas.94 Uma melhor compreensão da estereoquímica da ligação à ivermectina facilitará o desenvolvimento de novos compostos de chumbo, como anti-helmínticos, bem como tratamentos para uma ampla variedade de distúrbios neurológicos humanos.9596

Anti-câncer

Há um corpo continuamente acumulado de evidências de que a ivermectina pode ter valor substancial no tratamento de uma variedade de cânceres. As avermectinas são conhecidas por possuírem pronunciada atividade antitumoral,107 bem como a capacidade de potencializar a ação antitumoral da vincristina sobre o carcinoma de Ehrlich, melanoma B16 e leucemia linfoide P388, incluindo a cepa P388 resistente à vincristina.108

Ao longo dos últimos anos, tem havido relatórios cada vez maiores de que a ivermectina pode ter usos variados como um agente anti-câncer, como tem sido mostrado para exibir propriedades de células-tronco anti-câncer e anti-câncer. Uma abordagem genômica química in silico projetada para prever se algum medicamento existente pode ser útil no combate ao glioblastoma, câncer de pulmão e mama, indicou que a ivermectina pode ser um composto útil a esse respeito.109

No câncer de ovário humano e em linhagens tumorais de NF2, altas doses de ivermectina inativam a proteína quinase PAK1 e bloqueiam o crescimento dependente de PAK1. As proteínas PAK são essenciais para a reorganização do citoesqueleto e sinalização nuclear, sendo que a PAK1 está implicada na gênese tumoral, enquanto a inibição dos sinais PAK1 induz a apoptose (morte celular) das células tumorais.

PAK1 é essencial para o crescimento de mais de 70% de todos os cânceres humanos, incluindo câncer de mama, próstata, pâncreas, cólon, gástrico, pulmão, colo do útero e tireoide, bem como hepatoma, glioma, melanoma, mieloma múltiplo e para tumores de neurofibromatose.110

Globalmente, o câncer de mama é o câncer mais comum entre as mulheres, mas as opções de tratamento são poucas. A ivermectina suprime o câncer de mama ativando a autofagia citostática, interrompendo a sinalização celular no processo, provavelmente reduzindo a expressão de PAK1. A autofagia citostática induzida pela ivermectina também leva à supressão do crescimento tumoral em xenoenxertos de câncer de mama, fazendo com que os pesquisadores acreditem que há espaço para o uso de ivermectina para inibir a proliferação de células de câncer de mama e que a droga é um tratamento potencial para o câncer de mama.111 Os cânceres de mama triplo-negativos, que não possuem receptores de estrogênio, progesterona e HER2, são responsáveis por 10% a 20% dos cânceres de mama e estão associados a mau prognóstico. Testes usando um peptídeo correspondente ao domínio de interação SIN3 (SID) da MAD, descobriram que o peptídeo SID bloqueia seletivamente a ligação de proteínas contendo SID ao domínio pareado α-hélice do SIN3, resultando em modulação epigenética e transcricional de genes associados à transição epitélio-mesenquimal. Uma triagem in silico identificou a ivermectina como um candidato promissor como um composto de pequeno peso molecular de ligação ao domínio α-hélice pareado para inibir o peptídeo SID, a ivermectina fenocopiando os efeitos do peptídeo SID para bloquear a interação α-hélice pareada com MAD, induzindo a expressão de CDH1 e ESR1, e restaurando a sensibilidade ao tamoxifeno na administração de drogas em massa - MB-231 humano e MMTV-Myc camundongo triplo-negativo células de câncer de mama in vitro. Além disso, a ivermectina levou à modulação transcricional de genes associados à transição epitélio-mesenquimal e à manutenção de um fenótipo de células-tronco cancerosas em células de câncer de mama triplo-negativas, resultando em comprometimento da auto-renovação clonogênica in vitro e inibição do crescimento tumoral e metástase in vivo.112

Tem sido relatado que a ivermectina induz hiperpolarização da membrana dependente de cloreto e morte celular em células leucêmicas e também foi sugerido que a ivermectina sinergiza com os agentes quimioterápicos citarabina e daunorrubicina para induzir a morte celular em células leucêmicas, com pesquisadores afirmando que a ivermectina poderia ser rapidamente avançada em ensaios clínicos.113 Este potencial tem sido suportado por relatos de que a ivermectina exibe bioatividade contra células de leucemia linfocítica crônica e contra células de câncer cervical ME-180.114 Além disso, foi demonstrado que a ivermectina potencializa a apoptose induzida pela doxorrubicina de células leucêmicas resistentes a medicamentos em camundongos.115 As células-tronco cancerosas são um fator-chave no desenvolvimento de células cancerosas resistentes às quimioterapias e esses resultados indicam que uma combinação de agentes quimioterápicos mais ivermectina poderia potencialmente atingir e matar células-tronco cancerígenas, um objetivo primordial na superação do câncer.

A ivermectina inibe a proliferação e aumenta a apoptose de vários cânceres humanos. A superexpressão dos receptores P2X7 correlaciona-se com o crescimento tumoral e metástase. No entanto, a liberação de ATP está ligada à morte de células cancerosas imunogênicas, além de respostas inflamatórias causadas pela morte de células necróticas. Explorando a ivermectina como um agente protótipo para modular alostericamente os receptores P2X4, deve ser possível interromper o equilíbrio entre as funções pró-sobrevivência e citotóxicas da sinalização purinérgica em células cancerosas. A ivermectina induz autofagia e liberação de ATP e HMGB1, mediadores chave da inflamação. A sinalização potencializada P2X4/P2X7 pode ser ainda mais ligada a ambientes tumorais ricos em ATP, fornecendo uma explicação da seletividade tumoral da modulação do receptor purinérgico, confirmando o potencial da ivermectina para ser usada em imunoterapia do câncer.116 A ativação da sinalização WNT-TCF está implicada em múltiplas doenças, incluindo cânceres de pulmão e intestino, mas nenhum antagonista WNT-TCF está em uso clínico. Um novo sistema de triagem descobriu que a ivermectina inibe a expressão de alvos WNT-TCF. Reprime os níveis de fosfoformas de β-catenina C-terminal e de ciclina D1 de forma sensível ao ácido ocadaico, indicando que sua ação envolve fosfatases proteicas. In vivo, a ivermectina inibe seletivamente o crescimento de xenoenxerto dependente de TCF, mas não independente de TCF, sem efeitos colaterais. Como a ivermectina tem um registro de segurança exemplar, ela poderia rapidamente se tornar uma ferramenta útil como um bloqueador de resposta da via WNT-TCF para tratar doenças dependentes de WNT-TCF, abrangendo vários cânceres.117

Recentemente, pesquisadores relataram uma interação direta entre ivermectina e nematoide e tubulina humana, mesmo em concentrações micromolares. Quando adicionada às células HeLa humanas, a ivermectina estabiliza a tubulina contra os efeitos despolimerizantes e impede a replicação das células in vitro, embora a inibição seja reversível. Isso sugere que a ivermectina se liga e estabiliza os microtúbulos de mamíferos. Assim, a ivermectina afeta a dinâmica de polimerização e despolimerização da tubulina, o que pode causar a morte celular. Novamente, dado que a ivermectina já está aprovada para uso em humanos, seu rápido desenvolvimento como um agente antimitótico oferece uma promessa significativa.118

Você pode saber mais no relatório completo aqui: Ivermectina: enigmática droga 'maravilha' multifacetada continua a surpreender e superar expectativas

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.