Coletividade Evolutiva , Vacinação COVID em crianças norueguesas, causaram anafilaxia, miocardite, gânglios linfáticos inchados e apendicite, revela estudo , Vacina , Vacinação ,

Vacinação COVID em crianças norueguesas, causaram anafilaxia, miocardite, gânglios linfáticos inchados e apendicite, revela estudo

As vacinas COVID-19 da Pfizer e da Moderna associadas a um maior risco de linfadenopatia, segundo os pesquisadores.


Vacinação COVID em crianças norueguesas, causaram anafilaxia, miocardite, gânglios linfáticos inchados e apendicite, revela estudo

Um estudo nacional baseado em registros da Noruega investigou a incidência de 18 eventos adversos horríveis em adolescentes após a administração de duas "vacinas" de mRNA COVID-19. As crianças que receberam uma "vacina" COVID-19 enfrentaram um risco aumentado de vários eventos adversos terríveis, incluindo gânglios linfáticos inchados, relataram pesquisadores na Noruega em um novo estudo.

As vacinas da Moderna e da Pfizer-BioNTech em crianças com 12 anos ou mais foram associadas a riscos aumentados de choque alérgico grave, linfadenopatia e inflamação cardíaca, de acordo com o artigo. Os pesquisadores incluíram pessoas de até 19 anos.

Nas sub-análises, também foram detectados riscos aumentados de apendicite aguda, epilepsia e convulsões. Os ensaios clínicos de fase três das vacinas detectaram um risco aumentado de linfadenopatia entre os participantes com 16 anos ou mais.

Os nódulos ou gânglios linfáticos são estruturas do sistema linfático presentes em todo o corpo, especialmente no pescoço, virilha e axila. Neles, estão localizadas células do sistema imunológico, que quando saudável ou em bem funcionamento, defendem nosso corpo contra infecções causadas por vírus ou bactérias. No entanto, é bem documentado que essas injeções danifica as funções imunológicas, levando ao que os especialistas dizem ser algo semelhante a AIDS - VAIDS - Síndrome Da Imunodeficiência Adquirida Pela Vacina.

As terapias genéticas de modificação de DNA (mRNA ou modRNA) chamadas de "vacinas", licenciadas na Noruega foram a Comirnaty (BNT162b2, Pfizer-BioNTech) e a Spikevax (mRNA-1273, Moderna). Essas substâncias experimentais foram administradas em crianças de 12 a 19 anos já em abril de 2021. As "vacinas" também foram administradas em crianças de "alto risco" antes de abril, mas essas crianças foram excluídas do estudo. Cerca de 500.000 crianças foram incluídas no estudo.

Os pesquisadores descobriram que as crianças que receberam uma vacina COVID-19 eram cinco vezes mais propensas a sofrer uma reação anafilática, ou choque alérgico grave, após uma primeira dose, e quase 10 vezes mais propensas a sofrer o choque após uma segunda dose. O aumento dos riscos veio em dois dias. Essa foi identificada como a janela de risco, ou o período mais provável em que as pessoas vacinadas enfrentam um desfecho, para o choque, com base em dados da Organização Mundial da Saúde e de outros lugares.

As crianças vacinadas também tiveram cerca de 2,5 vezes mais probabilidade de sofrer linfadenopatia dentro de 14 dias após uma segunda dose e sete vezes mais probabilidade de sofrer miocardite e/ou pericardite, ou inflamação cardíaca, dentro de 28 dias após uma segunda dose, de acordo com os resultados da análise principal. - Relata o The Epoch Times

De acordo com o estudo, essas vacinas fraudulentas e desnecessárias causaram danos generalizados a adolescentes saudáveis. As reações adversas mais notáveis foram anafilaxia, miocardite, pericardite, linfadenopatia (inchaço dos gânglios linfáticos) e apendicite.

Em uma sub-análise separada, os pesquisadores descobriram que as vacinas COVID também causaram um aumento na epilepsia e convulsões em crianças. Os danos da vacina foram mais generalizados após a segunda dose, sugerindo que a toxicidade cumulativa pode ocorrer de uma dose para outra.

O estudo excluiu crianças que sofriam de qualquer um desses problemas de saúde dentro de quatro anos antes da vacina COVID. Isso significa que os danos da vacina em crianças não saudáveis sequer foram registrados no estudo. Os danos da vacina podem ser mais generalizados do que o registrado neste estudo, e as vacinas COVID podem ter tornado as crianças insalubres piores do que antes. 

Outra limitação do estudo foi a omissão de todas as crianças que receberam três doses da vacina ou crianças que receberam uma vacina sem mRNA. Além disso, as crianças que morreram durante o período do estudo não foram incluídas na análise.

Anafilaxia DEZ vezes maior em crianças vacinadas


Os pesquisadores usaram uma análise de série de casos autocontrolada (SCCS) e um modelo conhecido como regressão de Poisson para procurar aumentos nos eventos adversos entre as crianças vacinadas e não vacinadas. As crianças não vacinadas foram utilizadas como ponto de referência no estudo.

Os pesquisadores descobriram que as crianças inoculadas com uma vacina COVID-19 eram cinco vezes mais propensas a sofrer de uma reação anafilática (choque alérgico grave). O risco aumentou para quase DEZ vezes após uma segunda dose da vacina COVID-19. 

A janela de risco para choque anafilático é de apenas dois dias após a administração da vacina. Trata-se de um padrão médico estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O risco de choque anafilático em crianças poderia ser ainda maior se a janela de risco fosse ampliada para 14 dias após a vacinação. 

Com as vacinas de mRNA, a proteína spike pode não se dissolver imediatamente; Pode replicar-se e acumular-se em órgãos distais (incluindo o coração) várias semanas após a vacinação. Isso pode causar outras reações adversas muito depois da janela de risco padrão de dois dias da OMS.

Miocardite SETE vezes maior em crianças vacinadas


A janela de risco para linfadenopatia foi de 14 dias após a vacinação. As crianças vacinadas tiveram 2,5 vezes mais chances de sofrer com inchaço dos gânglios linfáticos nesse período. Este é um indicador de risco futuro de câncer. Mais chocante: as crianças vacinadas tiveram SETE vezes mais chances de sofrer miocardite e/ou pericardite dentro da janela de risco de 28 dias após a segunda dose da vacina COVID. Trata-se de abuso infantil e negligência médica, constituindo crimes contra crianças em escala global.

Em uma análise complementar, os pesquisadores encontraram um risco aumentado de apendicite aguda após a primeira e a segunda dose da vacina COVID. Houve também um aumento pronunciado na paralisia do nervo facial após a vacina. Outras sub-análises encontraram um risco aumentado de epilepsia e convulsões entre jovens de 18 e 19 anos dentro da janela de risco de 28 dias da segunda dose.

"O conhecimento de potenciais eventos adversos pós-vacinação é crucial para pesar os benefícios contra os riscos e para futuras recomendações de vacinas", escreveu German Tapia, do Instituto Norueguês de Saúde Pública. "O número de desfechos observados e associações estatisticamente significativas foram geralmente baixos neste estudo, com algumas exceções que devem ser monitoradas mais adiante."

Artigo de referência: As vacinas COVID-19 da Pfizer e da Moderna associadas a um maior risco de linfadenopatia, segundo os pesquisadores - The Epoch Times

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR