BRASIL: Plano da ONU e UNESCO para controlar governos de todo o mundo e subjugar os países

Basicamente essas agências globalistas estão armando um golpe global contra a soberania dos países democráticos para uma Nova Ordem Mundial


BRASIL: Plano da ONU e UNESCO para controlar governos de todo o mundo e subjugar os países

Uma poderosa agência das Nações Unidas - UNESCO, que se infiltrou em países sob o disfarce de humanitária, revelou um plano para regular as redes sociais e a comunicação online do mundo, mas vai, além disso, ao mesmo tempo, em que poderá reprimir o que descreve como "informações falsas" e "teorias da conspiração", provocando alarme entre os defensores da liberdade de expressão e os principais legisladores dos EUA.

Isso possivelmente também está ligado ao que está em curso de negociações sobre o Tratado da OMS sobre a Pandemia e alterações ao Regulamento Sanitário Internacional que se aprovada (assinada por representantes de países), a OMS terá o poder global e nacional de implementar uma série de medidas ditatoriais sobre o governo e políticos. Basicamente essas agências globalistas estão armando um golpe global contra a soberania dos países democráticos.

Em seu relatório de 59 páginas divulgado neste mês, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Cultura e a Ciência (Unesco) delineou uma série de "medidas concretas que devem ser implementadas por todas as partes interessadas: governos, autoridades reguladoras, sociedade civil e as próprias plataformas".

Os críticos alertam que alegações de "desinformação" e "teorias da conspiração" têm sido cada vez mais usadas por forças poderosas no governo e nas Big Techs para silenciar informações verdadeiras e até mesmo discursos políticos centrais.

Veja essa análise do documento:


Chamando a UNESCO de uma "entidade profundamente falha", McCaul disse estar especialmente preocupado que a organização "promova os interesses de regimes autoritários - incluindo o Partido Comunista Chinês".

De fato, a UNESCO, como muitas outras agências da ONU, inclui vários membros do Partido Comunista Chinês (PCC) em suas fileiras de liderança, como o vice-diretor-geral Xing Qu, informou o Epoch Times.

Ainda este mês, o Comitê Judiciário da Câmara dos EUA divulgou um relatório criticando a "pseudociência da desinformação".

Entre outras preocupações, o comitê descobriu que essa "pseudociência" foi "armada" pelo que os legisladores chamam de "Complexo Industrial da Censura".

O objetivo: silenciar discursos políticos constitucionalmente protegidos, principalmente por conservadores.

"A pseudociência da desinformação é agora – e sempre foi – nada mais do que um ardil político mais frequentemente direcionado a comunidades e indivíduos com opiniões contrárias às narrativas predominantes", afirma o relatório do Congresso, "The Weaponization of 'Disinformation' Pseudo-Experts and Bureaucrats".

De fato, muitas das políticas exigidas pela Unesco já foram implementadas por plataformas digitais sediadas nos EUA, muitas vezes a mando do governo Biden, deixa claro o último relatório do Congresso. Leia mais aqui sobre esse plano nefasto de golpear a soberania dos países 
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.