Coletividade Evolutiva , Após décadas, Infectologistas preocupam com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA , Mundo , Notícias alternativas ,

Após décadas, Infectologistas preocupam com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA

Artigo original intitulado: Infectologistas estão preocupados com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA. Preciso me preocupar? - em Yahoo


Artigo original intitulado: Infectologistas estão preocupados com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA. Preciso me preocupar? - em Yahoo
Artigo original intitulado: Infectologistas estão preocupados com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA. Preciso me preocupar? - em Yahoo

Quando você pensa em febre amarela e outras doenças supostamente transmitidas por mosquitos, que são doenças que se espalham para as pessoas quando elas são picadas por um mosquito infectado [ou geneticamente modificado com uma doença e solto na natureza - grifo nosso], você provavelmente supõe que elas não acontecem com frequência – e você estaria certo.

Embora essas doenças sejam mais comuns em outros lugares do mundo, particularmente na África [onde muitos experimentos vacinais rolaram - grifo nosso] e na América do Sul, elas estão começando a aumentar nos EUA. Em junho, por exemplo, a malária foi detectada nos EUA pela primeira vez em 20 anos. Mais recentemente, o primeiro caso de dengue adquirido localmente foi detectado na Califórnia.

Especialistas agora temem que a febre amarela - que não tem um grande surto nos EUA desde 1905, quando matou 900 pessoas em Nova Orleans - também possa voltar.

Só para constar: Desde 2022, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (Environmental Protection Agency - EPA) autorizou a empresa de biotecnologia Oxitec [que também realizou experimentos aqui no Brasil], com sede no Reino Unido, a liberar um máximo de aproximadamente 2,4 bilhões de seus mosquitos geneticamente modificados até 2024. - grifo nosso.

O que está acontecendo


O Baylor College of Medicine emitiu recentemente um comunicado afirmando que os casos de infecções por vírus transmitidos por mosquitos estão aumentando, especialmente nos estados do Sul - o que pode causar um ressurgimento da febre amarela.

Especialistas em doenças infecciosas da Baylor e da Stanford School of Medicine publicaram um artigo no New England Journal of Medicine alertando sobre a febre amarela e pedindo que ela seja priorizada no planejamento nacional de preparação para pandemias.

Especialistas dizem que as mudanças climáticas estão desempenhando um papel no aumento dessas doenças transmitidas por mosquitos nos EUA "A ameaça do desenvolvimento da febre amarela na América está intimamente ligada ao aumento das temperaturas e às mudanças climáticas", disse Sarah Park, diretora médica da Karius, ao Yahoo Life. "Os mosquitos adoram clima quente e úmido."
Preciso me preocupar?

Como acontece com muitas doenças, a gravidade da febre amarela depende do caso individual. No entanto, há menos necessidade de se preocupar agora do que havia durante o último surto nos EUA, há mais de cem anos.

A febre amarela pode ser mortal, mas a maioria das pessoas não apresenta sintomas ou sintomas leves e se recupera completamente, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. "A taxa de mortalidade nos tempos modernos é baixa, graças à medicina moderna e a uma vacina que reduz o risco de doenças graves", disse a Dra. Linda Yancey, especialista em doenças infecciosas do Memorial Hermann Health System, em Houston, ao Yahoo Life.

A vacina contra a febre amarela, que está disponível há 80 anos, não faz parte das imunizações padrão nos EUA e é administrada principalmente quando as pessoas estão viajando para um lugar que tem casos ativos, como África ou América do Sul, explica Yancey.

Isso não significa necessariamente que os EUA são ou serão 100% seguros, no entanto. "Estamos vendo um aumento em várias doenças transmitidas por mosquitos nos EUA, incluindo malária e dengue", diz Yancey. "Se esses podem voltar, então não há razão para que a febre amarela não possa voltar também."

Os surtos são historicamente mais prováveis de atingir o Sul, de acordo com Park, ao longo de portos como Nova Orleans; Galveston, Texas; e ao longo do rio Mississippi.

No entanto, como Park aponta, "a propagação de doenças transmitidas por mosquitos nos EUA é muito limitada porque todos nós tendemos a dormir dentro de casa com ar condicionado e não há populações nativas de primatas não humanos", o que significa que os mosquitos têm menos oportunidade de picar pessoas ou animais que podem agir como hospedeiros.

O que posso fazer a respeito?


Em primeiro lugar, tome a vacina, se você estiver viajando para uma área onde há febre amarela. (O CDC também tem mapas de febre amarela que podem ajudar a identificar os detalhes.) "A vacina contra a febre amarela é segura e oferece imunidade vitalícia contra a doença", diz Park. "Atualmente, a vacina é recomendada para pessoas com 9 meses ou mais de idade que viajam ou vivem em áreas de risco para o vírus da febre amarela na África e na América do Sul." Ela acrescenta que tomar a vacina pode ser um requisito para entrar em determinados países.

De acordo com Yancey, sua melhor aposta é evitar ou afastar mosquitos sempre que possível. Se você estiver ao ar livre em uma área com mosquitos, diz ela, pode usar repelentes como Deet, picaridina ou permetrina, este último aplicado em roupas.

Tratar roupas com permetrina é "uma ótima estratégia", diz Yancey, porque pode durar vários ciclos de lavagem, "e para crianças pequenas, porque elas não tendem a gostar da sensação de repelentes em sua pele".

Park também recomenda o uso de camisas e calças largas e de mangas compridas; dormir sob uma rede mosquiteira se os quartos com tela não estiverem disponíveis; permanecer em espaços climatizados quando puder; e manter-se informado. "Antes de viajar, consulte os sites do CDC ou da OMS para obter atualizações sobre o risco de febre amarela no destino pretendido", diz ela.

Conhecer os sintomas da febre amarela também não faz mal. O sinal revelador são olhos e pele amarelados, diz Yancey, que é o resultado do vírus atacando o fígado.

Os sinais podem parecer diferentes no início, no entanto. Park diz que os sintomas iniciais incluem febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dor nas costas, dores no corpo, fadiga, náuseas e vômitos.

"A maioria das pessoas melhora após essa fase inicial", diz. "No entanto, cerca de 15% dos pacientes podem entrar em uma fase mais tóxica em 24 horas." Nesse momento, diz ela, é possível notar febre alta, icterícia, sangramento, dor abdominal, choque e até disfunção de órgãos.

Se você notar esses sinais, tanto Yancey quanto Park pedem que você procure atendimento médico imediatamente. "A detecção precoce e os cuidados de suporte podem fazer uma diferença significativa nos resultados", diz Park, aconselhando os pacientes a informar ao médico se viajaram (e para onde) nas duas semanas anteriores ao início dos sintomas.
A principal lição

Especialistas dizem que a conscientização, se proteger de ser picado por mosquitos e tomar a vacina se viajar para países de risco para o vírus da febre amarela é fundamental.

"A doença é algo que deveria estar no radar da saúde pública para que estejamos prontos para agir se houver um surto, mas será bastante fácil de conter se houver", diz Yancey. "A febre amarela é muito incomum nos EUA, mas há outros vírus evitáveis por vacinas que são."

Artigo original intitulado: Infectologistas estão preocupados com um possível ressurgimento da febre amarela nos EUA. Preciso me preocupar? - em Yahoo

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR