Coletividade Evolutiva , FEMBENDAZOL e CÂNCER – pelo menos 12 mecanismos de ação anti-câncer. Barato. Seguro. Mata cânceres agressivos. Por que não há ensaios clínicos? , Ciência , saúde , Saúde e medicina ,

FEMBENDAZOL e CÂNCER – pelo menos 12 mecanismos de ação anti-câncer. Barato. Seguro. Mata cânceres agressivos. Por que não há ensaios clínicos?

O fenbendazol atua como um agente desestabilizador moderado de microtúbulos e causa morte de células cancerígenas modulando múltiplas vias celulares


Está é uma análise abrangente do Dr. William Makis, um médico canadense com experiência em Radiologia, Oncologia e Imunologia. Medalha do Governador Geral, Bolsista da Universidade de Toronto. Autor de 100+ publicações médicas revisadas por pares.
Artigos e Artigos Revisados:

2023 Jun – Movahedi et al – Reaproveitamento de drogas benzimidazólicas antiparasitárias como quimioterápicos anticancerígenos seletivos


  • Drogas benzimidazólicas (incluindo fenbendazol) têm sido amplamente utilizadas como agentes anti-helmínticos em humanos e/ou animais desde a década de 1960
  • Essas drogas tornaram-se rapidamente mais populares do que os medicamentos anteriores devido à superioridade em termos de eficácia, toxicidade e aplicação
  • Benzimidazole drogas são consideradas agentes anti-helmintos não tóxicos em humanos e animais. Toxicidades agudas são raramente relatadas para essas drogas.
  • Não foram observados efeitos adversos crónicos em cães e ratos tratados com doses muito elevadas, nem irritação, carcinogenicidade ou teratogenicidade em ratos e coelhos tratados
  • Dois mecanismos principais de ação:
  • 1. atividade antimitótica (inibição da polimerização da tubulina pela ligação aos sítios da tubulina das células em rápida divisão (leva à parada do ciclo celular)
  • 2. interromper os processos metabólicos celulares induzindo estresse oxidativo
  • Resultado: induzir apoptose (morte celular) de parasitas e células cancerígenas de rápida proliferação!
  • Essas drogas inibem a proliferação e o crescimento tumoral
  • Muitos novos derivados benzimidazólicos foram desenvolvidos para o tratamento de cânceres como câncer de cólon, câncer de mama, câncer de pulmão, condrossarcoma e leucemia
  • Além disso, novos derivados benzimidazólicos têm demonstrado alta capacidade de superar a resistência a drogas
  • benzimidazólicos exibem efeito antimetastático através da inibição da migração e invasão celular
  • benzimidazólicos também suprimem a expressão da transcriptase reversa da telomerase (TERT), cuja ativação está associada à metástase
  • As drogas benzimidazólicas são potentes no alvo de células-tronco cancerígenas e na prevenção da recorrência tumoral.
  • Drogas benzimidazólicas também são encontradas para impedir a transformação induzida pela radiação de células cancerosas em células resistentes à radiação, e além disso sensibilizar algumas células resistentes a drogas.
  • Ensaios clínicos estão em andamento para a terapia do câncer com drogas benzimidazólicas.
  • Por exemplo, o estudo clínico do mebendazol como tratamento adjuvante para o câncer de cólon está na fase 3 (NCT03925662)
  • e o mebendazol em combinação com outros agentes antiprotozoários, incluindo albendazol para terapia de neoplasia, está na Fase 2 (NCT02366884).
  • Três ensaios clínicos de fase 1 também estão em andamento para mebendazol e tumores cerebrais (NCT02644291, NCT01729260, NCT0183787862).
  • NÃO EXISTEM ENSAIOS CLÍNICOS COM FENBENDAZOL
  • A baixa solubilidade em água dos benzimidazólicos impede suas aplicações clínicas
  • nanoformulações estão sendo criadas para melhorar a biodisponibilidade
  • Os benzimidazólicos também estão sendo combinados com outros quimioterápicos, como paclitaxel, trametinibe, gemcitabina e metoxiestradiol, para aumentar a eficácia do tratamento anticâncer.
  • benzimidazólicos também sensibilizaram células tumorais à radioterapia

2023 Abr – Chi-Son Chang et al – Efeito anticâncer de nanopartículas de PLGA incorporadas ao fenbendazol no câncer de ovário


  • Câncer de ovário é o câncer ginecológico mais mortal
  • nanopartículas entregam fármacos pouco solúveis
  • O fenbendazol, uma droga antiparasitária, foi examinado devido aos seus efeitos anticancerígenos: capacidade de interferir na polimerização dos microtúbulos, bloquear a progressão do ciclo celular, aumentar a estabilidade da proteína p53 e induzir apoptose.
  • No entanto, o fenbendazol apresenta baixa solubilidade em água e baixa biodisponibilidade, que são os principais obstáculos à sua aplicação clínica como agente antineoplásico
  • Nanopartículas foram carregadas com fenbendazol para aumentar a biodisponibilidade
  • Resultados: a forma natural do fenbendazol diminuiu significativamente a proliferação celular de células quimiossensíveis e quimioresistentes do câncer de ovário
  • Mas in vivo (modelos de camundongos xenoenxertos), apenas a formulação de fenbendazol nanoparticulado mostrou efeitos anticancerígenos.

2023 Mar – Semkova et al – Atividade anticancerígena mediada por redox da droga antiparasitária fenbendazol em células de câncer de mama triplo-negativas


  • O fenbendazol foi testado em células de câncer de mama triplo negativo, três tipos diferentes, incluindo um tipo altamente metastático
  • Resultados: as células altamente metastáticas do câncer de mama foram mais vulneráveis ao estresse oxidativo induzido pelo fenbendazol

2023 Mar – Haebeen Jung et al – Efeitos citotóxicos diferenciais do fenbendazol em células EL-4 de linfoma de camundongo e células do baço


  • fenbendazol foi testado em uma linhagem celular de linfoma de camundongo versus células normais do baço
  • O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos citotóxicos do fenbendazol sobre as células normais do baço, que é um importante reservatório de células imunes
  • fenbendazol aumentou a morte celular de células de linfoma, mas não de células normais do baço
  • fenbendazol induziu espécies reativas de oxigênio em células de linfoma, mas não em células normais do baço
  • fenbendazol induced G2/M cell cycle stop in lymphoma cells, not spleen cells
  • Conclusão: o fenbendazol tem efeitos anticancerígenos sobre as células do linfoma, mas toxicidade mínima sobre as células normais do baço.

2022 Set – Deokbae Park et al – Efeitos anticancerígenos do fenbendazol em células de câncer colorretal resistentes a 5-fluorouracil


  • Os agentes anti-helmínticos benzimidazólicos foram recentemente reaproveitados para superar cânceres resistentes às terapias convencionais.
  • fenbendazol foi testado em células de câncer colorretal resistentes à quimioterapia
  • Resultados: o fenbendazol induz significativamente apoptose, bem como parada do ciclo celular na fase G2/M em ambas as células colorretais e células de câncer colorretal resistentes à quimioterapia.
  • O benzimidazol é historicamente conhecido por se ligar à beta-tubulina, interromper os microtúbulos e interromper a divisão celular
  • O benzimidazol também é conhecido por ativar a p53 e a p21, mas diminuir a expressão mutante da p53
  • em células de câncer colorretal: presume-se que o fenbendazol ative a apoptose mediada por p53 aumentando a expressão de p53 (!) e, em parte, necrose, autofagia e ferroptose
  • em células de câncer colorretal quimio-resistentes: fenbendazol desencadeia apoptose sem afetar a expressão de p53, apoptose foi parcialmente induzida por Beclin-1, e aumentada por ferroptose
  • 6 mecanismos de ação: (parada do ciclo celular G2/M, ativar apoptose mediada por p53, autofagia, necroptose, ferroptose, apoptose mediada por Beclin-1)

2022 Jan – Li-wen Ren et al – Benzimidazóis induzem apoptose e piroptose simultâneas de células de glioblastoma humano via interrupção do ciclo celular


  • fenbendazol foi testado contra células cancerosas de glioblastoma
  • 1. síntese de DNA dose-dependente do fenbendazol suprimida
  • 2. fenbendazol inibiu a migração celular e invasão de células GBM
  • 3. O fenbendazol também induziu dose-dependentemente a parada do ciclo celular do GBM na fase G2/M através da via P53/P21/ciclina B1.
  • 4. O fenbendazol desencadeou a piroptose das células GBM (a piroptose é uma forma de morte celular programada) através do NF-? Caminho B/NLRP3/GSDMD
  • 5. apoptose mitocondrial-dependente induzida por fenbendazol de células GBM
  • 6. flubendazol inibiu o crescimento tumoral de glioblastoma in vivo de forma dose-dependente (em um modelo de xenoenxerto de células U87 de camundongo nude)
  • Conclusão: "Em conjunto, nossos resultados demonstraram que os benzimidazóis podem ser candidatos promissores para o tratamento do GBM."

2020 Ago – Deok-Soo Son et al – Os Potenciais Antitumorais dos Anti-helmínticos Benzimidazólicos como Reaproveitamento de Drogas


  • Os anti-helmínticos benzimidazólicos têm ação de amplo espectro para remover parasitas tanto em medicina humana quanto veterinária
  • Devido ao seu baixo custo e alta eficácia, os anti-helmínticos benzimidazólicos têm sido utilizados em todo o mundo desde sua introdução na década de 1960
  • Os anti-helmínticos benzimidazólicos são bem tolerados sem efeitos colaterais graves, e suas décadas de uso fornecem uma base para a segurança em humanos.
  • Os anti-helmínticos benzimidazólicos ligam-se seletivamente a ? -tubulina de vermes parasitas, causando sua imobilização e morte
  • Além de serem agentes antiparasitários, os anti-helmínticos benzimidazólicos são conhecidos por exercer atividades anticancerígenas que são resumidas (veja também imagem no início do artigo):
  • interrompe a polimerização de microtúbulos
  • inibe a viabilidade das células cancerígenas
  • inibe a migração e invasão de células cancerígenas
  • induz apoptose e autofagia
  • parada aumentada do ciclo celular (G2/M)
  • induz diferenciação e senescência
  • inibe a angiogênese
  • reduz a formação de colônias e inibe a formação de troncos em células cancerígenas
  • inibe a resistência a drogas e sensibiliza as células à quimioterapia convencional
  • bloqueia o transporte de glicose e prejudica a utilização da glicose
  • Anti-helmínticos benzimidazólicos foram mostrados para inibir a viabilidade celular em uma variedade de linhas de células cancerosas, aparecendo como um medicamento promissor:
  • câncer de mama
  • leucemia
  • glioma & glioblastoma
  • cancro do pulmão
  • carcinoma hepatocelular
  • rabdomiossarcoma
  • meduloblastoma
  • câncer urotelial

2020 Jun – Yong Han et al – Envolvimento de espécies reativas de oxigênio na atividade anticancerígena do fenbendazol, um anti-helmíntico benzimidazol (leucemia)


  • Neste estudo, investigamos se o fenbendazol tem atividade anticancerígena em células HL-60, uma linhagem celular de leucemia humana
  • fenbendazol diminuiu significativamente a atividade metabólica das células leucêmicas
  • fenbendazol diminuiu o potencial de membrana mitocondrial de células leucêmicas de forma concentração-dependente
  • fenbendazol aumentou a apoptose e necrose das células leucêmicas
  • Conclusão: o fenbendazol exerce atividade anticancerígena contra células leucêmicas, em parte, via produção de ROS (espécies reativas de oxigênio)

2018 Aug – Dogra et al – O fenbendazol atua como um agente desestabilizador moderado de microtúbulos e causa morte de células cancerígenas modulando múltiplas vias celulares


  • O fenbendazol é conhecido por ter uma alta margem de segurança e a maioria das espécies tolera-o muito bem
  • Fenbendazol tem como alvo microtúbulos em células de câncer de pulmão do CPNPC humano
  • O tratamento com fenbendazol resulta em bloqueio G2/M precoce acompanhado de morte celular
  • Linhagens de células tumorais com p53 selvagem mostram sensibilidade aumentaday à apoptose induzida pelo fenbendazol
  • Inibição da captação de glicose pelo fenbendazol sensibiliza as células cancerosas a sofrerem apoptose
  • Fenbendazol efetivamente inibe a formação de colônias de células humanas de câncer de pulmão NSCLC em cultura
  • In Vivo: Fenbendazol suprime o crescimento do tumor
  • O fenbendazol possui uma capacidade única de induzir p53 a um nível consideravelmente alto (!)
  • Conclusão: Em conjunto, nossos achados mostram ruptura de microtúbulos, estabilização do p53 e interferência com o metabolismo da glicose como mecanismos subjacentes coletivos da eliminação preferencial induzida pelo fenbendazol de células cancerígenas tanto in vitro quanto in vivo.

Considerações finais do Dr. DR. WILLIAM MAKIS MD...


A ivermectina é aprovada pela FDA.

O fenbendazol NÃO é aprovado para uso humano pela Food and Drug Administration (FDA) e pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA). Está disponível como um medicamento veterinário.

O fenbendazol faz parte de um grupo maior de drogas conhecidas como benzimidazóis, que são drogas anti-helmínticas (ou seja, drogas que matam vermes parasitas). Outro benzimidazol é o mebendazol, que pode ser prescrito para humanos com certas infecções parasitárias.

Mebendazol (Vermox) é aprovado pela FDA para uso humano, Mas é significativamente mais caro.

Por que o fenbendazol é tão popular? A história de Joe Tippens e seu câncer de pulmão de pequenas células em estágio 4 terminal


Protocolo de câncer de Joe Tippens:

  • Fenbendazol 222mg / dia com alimentos (originalmente 3 dias em, 4 dias fora)
  • Curcumina 600mg / dia
  • Óleo CBD: 25mg sublingual por dia
  • Vitamina E: 800UI por dia

Dr. Tom Rogers MD (Performance Medicine – Knoxville, TN) sugere vários protocolos utilizando fenbendazol que são interessantes:

TRATAMENTO ATIVO DO CÂNCERPara o câncer ativo, tome uma cápsula de fenbendazol (444 mg) diariamente. Algumas pessoas recomendam que você tire um dia de folga por semana. Obs: Acho que só tiraria os domingos de folga. Novamente, você não deve desenvolver uma tolerância a isso, mas fazer uma pequena pausa é provavelmente uma boa ideia. Para melhorar o protocolo, tome óleo CBD (25mg) 1-2 gotas todas as noites antes de dormir. Para fortalecer o protocolo tomar curcumina (600mg) duas vezes por dia com alimentos. Para apoiar o fígado, tomar cardo de leite (250mg) duas vezes por dia com alimentos. Nota: O fenbendazol deve ser tomado com ou após uma refeição para melhorar a absorção.

TRATAMENTO COMPLEMENTAR DO CÂNCERTome uma cápsula de fenbendazol (222mg) todos os dias, uma vez por dia após uma refeição gordurosa; Curcumina (600mg) uma cápsula, duas vezes ao dia após o café da manhã e almoço; Óleo CBD (25mg) 1-2 gotas sob a língua todos os dias antes de dormir.

PREVENÇÃO DE RECAÍDA DO CÂNCERTomar fenbendazol para prevenção de câncer ativo e recaída do câncer, tomar uma cápsula (222 mg) três vezes por semana, uma vez por dia após uma refeição gordurosa. Além disso, tome curcumina (600mg) uma cápsula / duas vezes por dia após o café da manhã e almoço, cardo de leite, e óleo CBD (25mg) 1-2 gotas sob a língua todos os dias antes de dormir. Nota: Peça ao seu médico que acompanhe e verifique os testes de função hepática e renal. É fácil, barato, e você pode obter isso em qualquer consultório médico.

PREVENÇÃO DO CÂNCER (profilático)Aqueles que fizeram testes genéticos e sabem que são realmente propensos a ter câncer podem tomar fenbendazol profilaticamente. Tome uma cápsula (222 mg) 3 vezes por semana, uma vez por dia após uma refeição gordurosa. Em seguida, sem fenbendazol por quatro dias. Repita por 10 semanas e depois tire 10 semanas de folga; Curcumina (600 mg) uma cápsula duas vezes ao dia após o café da manhã e almoço; Óleo CBD (25mg) 1-2 gotas sob a língua todos os dias antes de dormir. Continue esse regime indefinidamente.

Pensamentos do Dr. DR. WILLIAM MAKIS MD


O fenbendazol não é tão controverso quando você considera as evidências científicas objetivamente.

O fenbendazol tem pelo menos 12 mecanismos anticancerígenos comprovados in vitro e in vivo:


  • interrompe a polimerização de microtúbulos (mecanismo principal)
  • induz a parada do ciclo celular (G2/M)
  • bloqueia o transporte de glicose e prejudica a utilização de glicose pelas células cancerosas (major)
  • aumenta os níveis de supressor tumoral p53 (major)
  • inibe a viabilidade das células cancerígenas (mTOR)
  • inibe a migração e invasão de células cancerosas (via EMT)
  • induz apoptose
  • induz autofagia
  • induz piroptose e necrose
  • induz diferenciação e senescência
  • inibe a angiogênese tumoral
  • reduz a formação de colônias e inibe a formação de troncos em células cancerígenas
  • inibe a resistência a drogas e sensibiliza as células à quimioterapia convencional, bem como à radioterapia

Uma droga muito semelhante na mesma família como fenbendazol é aprovado pela FDA:

  • Mebendazol, e está em vários ensaios clínicos agora para cânceres cerebrais e cânceres de cólon.
  • Então, por que não há ensaios clínicos de fenbendazol para câncer?
  • A resposta parece bastante óbvia: é muito barato, é seguro e parece ser muito eficaz.
  • O fenbendazol não vai deixar ninguém rico, e nos tratamentos contra o câncer, isso não é um começo.
  • E quanto aos cânceres turbo induzidos pela vacina de mRNA COVID-19?
  • O fenbendazol apresenta atividade in vitro e/ou in vivo contra estes cancros:câncer de mama (incluindo câncer de mama triplo negativo – que é visto em indivíduos vacinados com mRNA COVID-19 com câncer Turbo)
  • linfomas (estes são os cancros mais comuns da vacina COVID-19 mRNA e há mais evidências de fenbendazol com linfomas do que com ivermectina)
  • leucemias (mais agressivo COVID-19 mRNA Vaccine Turbo Cancers)
  • glioblastomas e gliomas (extremamente agressivos COVID-19 mRNA Vaccine Turbo Cancers)
  • câncer de pulmão (CPCNP) (sinal forte para COVID-19 mRNA Vaccine Turbo Cancers)
  • carcinoma hepatocelular (sinal para COVID-19 mRNA Vaccine Turbo Cancers)
  • rabdomiossarcomas (possível sinal para COVID-19 mRNA Vaccine Turbo Cancers, sarcomas em geral estão em ascensão)
  • cânceres de ovário
  • cânceres uroteliais

CONCLUSÃO:

Embora o antiparasitário fenbendazol não seja aprovado pelo FDA para uso humano, há extensas evidências de efeitos antineoplásicos na literatura publicada, tanto in vitro quanto in vivo, e este não é um medicamento controverso, como tem sido feito para ser.

O fenbendazol tem um excelente perfil de segurança e seu parente próximo, o mebendazol é aprovado pela FDA, e está passando por vários ensaios clínicos para tratamentos de câncer nos EUA agora, incluindo cânceres de cólon e cânceres cerebrais.

Eu acredito que é uma hipótese razoável que câncer turbo/ agressivo induzido pela vacinação COVID-19 mRNA em pacientes poderiam se beneficiar significativamente de mebendazol ou fenbendazol e eu adoraria ver ensaios clínicos urgentes com ambos.

Veja também: A ivermectina tem pelo menos 15 mecanismos de ação anticâncer. Pode tratar cânceres turbo induzidos pela vacina Covid mRNA?

_________________________________

Leia mais em: MakisMD.Substack.com - Está é uma análise abrangente do Dr. William Makis, um médico canadense com experiência em Radiologia, Oncologia e Imunologia. Medalha do Governador Geral, Bolsista da Universidade de Toronto. Autor de 100+ publicações médicas revisadas por pares.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR