"Pessoas magnetizadas" - Conselho Médico de Ohio-EUA suspende licença de médica por criticar vacinas Covid-19

"Eles podem colocar uma chave na testa, e ela gruda", disse Tenpenny na época.


"Pessoas magnetizadas" - Conselho Médico de Ohio-EUA suspende licença de médica por criticar vacinas Covid-19

O Conselho Médico do Estado de Ohio suspendeu a licença de uma médica que fez críticas às vacinas contra a COVID-19. O conselho suspendeu a licença da Dra. Sherri Tenpenny e a multou em US$ 3.000 porque ela supostamente se recusou a responder adequadamente às reclamações que surgiram depois que ela testemunhou aos legisladores estaduais.

O conselho disse que começou a investigar a Dra. Tenpenny depois de receber aproximadamente 350 queixas após seu depoimento em junho de 2021 ao Comitê de Saúde da Câmara dos Representantes de Ohio. O depoimento incluiu alegações de que as vacinas COVID-19 estavam fazendo com que as pessoas ficassem magnetizadas.

"Eles podem colocar uma chave na testa, e ela gruda", disse Tenpenny na época.

Dra. Tenpenny se formou na Kirksville College of Osteopathic Medicine em 1984 e tem praticado medicina desde então. A licença de Ohio é para medicina e cirurgia osteopática. 

(Para complemento deste artigo, Estudos mostraram que as vacinas mRNA causam algum tipo de magnetismo nos corpos após vacinação: PESQUISA: Após vacinas Covid pessoas estão ficando MAGNETIZADAS com o passar do tempo) - Também pode ver vídeos aqui de pessoas colando objetos de metal em seus corpos aqui. - Veja também este artigo que publicamos aqui

A suspensão é por tempo indeterminado.

"Em suma, a Dra. Tenpenny não simplesmente deixou de cooperar com uma investigação do Conselho, ela se recusou a cooperar. E essa recusa foi baseada em sua crença subjetiva e sem suporte sobre o motivo do Conselho para a investigação", disse Kimberly Lee, uma autoridade estadual, na ordem de suspensão.

"Os licenciados do Conselho não podem simplesmente se recusar a cooperar nas investigações porque decidem que não gostam do que supõem ser a razão da investigação", disse Lee.

A lei estadual permite que o conselho discipline os profissionais médicos por "não cooperar em uma investigação conduzida pelo conselho".

Tenpenny disse em um vídeo após a suspensão que cooperou com o conselho.

"Cooperamos em todos os níveis. Olhamos para as cartas; respondemos de forma adequada e legal", disse Tenpenny.

"Meus advogados (...) redigiu as respostas adequadamente e mandou de volta, e eles dizem: 'Não, você não cooperou conosco'. Bem, acho que isso simplesmente significa que eles não gostaram das respostas. Mas isso não significou que deixei de cooperar."

O Testemunho e as preocupações com os efeitos adversos das vacinas mRNA



A médica também levantou preocupações sobre efeitos colaterais, incluindo inflamação cardíaca, que as autoridades dos EUA já reconheceram ser causados pelas vacinas. O conselho disse que estava investigando se a Dra. Tenpenny violou a Lei de Práticas Médicas do estado.

A lei diz que o conselho "investigará evidências que pareçam mostrar que uma pessoa violou qualquer disposição deste capítulo", incluindo fazer uma declaração falsa ou enganosa em relação ao exercício da medicina.

Marcie Pastrick, advogada do conselho, disse que as denúncias incluíam alegações que, se verdadeiras, seriam violações da lei.

No entanto, a suspensão foi por causa da suposta recusa do Dra. Tenpenny em cooperar, em oposição às alegações nessas queixas.

Thomas Renz, um advogado que representa o Dr. Tenpenny, foi citado como tendo dito ao conselho que a Dra. Tenpenny estava se recusando a cooperar com o que ele descreveu como "má-fé do conselho e ataque injustificado a sua licença, meios de subsistência e direitos constitucionais". Ele disse que o depoimento da Dra. Tenpenny foi baseado em "relatórios factuais de terceiros", incluindo estudos revisados por pares.

Tenpenny disse mais tarde ao conselho que estava investigando sem qualquer evidência que ela violou a lei estadual, mas o conselho observou o volume de reclamações e como a lei diz que o "conselho deve investigar evidências que pareçam mostrar que uma pessoa violou qualquer disposição deste capítulo".

Tenpenny deve apresentar um pedido de reintegração, pagar a multa e cooperar com o conselho se quiser que ele considere suspender a suspensão.

Renz disse que Tenpenny e seus advogados lutarão contra a suspensão no tribunal.

"A diretoria ficou brava porque quando mandaram as coisas para ela, a gente fez o que eles falaram", disse em vídeo. "Então, se, por exemplo, quando o conselho envia um questionário, e ele diz: 'você pode responder isso ou você pode se opor, e se você se opor, nós podemos obrigar' – o que significa ir à Justiça para obrigar – nós nos opusemos. Bem, eles não queriam ir à Justiça para obrigar, porque isso seria muito inconveniente."

Renz observou que a Procuradoria-Geral de Ohio disse que o processo para essas investigações "quebraria" se as autoridades tivessem que ir aos tribunais todas as vezes para obrigar."Esta é uma das coisas mais chocantes que já ouvi", disse ele. "Precisamos de reforma. Precisamos de uma reforma política. Precisamos aprovar leis agora."
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.