CONTROLE MENTAL: proteína "Magneto" capaz de controlar remotamente o cérebro e o comportamento

Vacinação: CONTROLE MENTAL: proteína "Magneto" capaz de controlar remotamente o cérebro e o comportamento - Os cientistas desenvolveram um novo método de controlar certas células nervosas do cérebro para manipular comportamentos

Fabio Allves
CONTROLE MENTAL: proteína "Magneto" capaz de controlar remotamente o cérebro e o comportamento

Se você viu algum dos vídeos recentes de ímãs e outros objetos de metais colando nos braços das pessoas depois de serem vacinadas, as deixando magnetizadas, algo como receptores de eletromagnetismo, então, você pode estar se perguntando: Existem nanopartículas magnéticas nessas vacinas? Isso pode está ligado ao 5G? É importante ressaltar que o professor canadense de teologia Dr. Pierre Gilbert, durante uma palestra em 1995, alertou sobre a chegada de uma vacina obrigatória contendo cristais líquidos que, quando expostos a frequências magnéticas, transformam os receptores da vacina em “zumbis”.

“Na destruição biológica existem as tempestades organizadas nos campos magnéticos”, disse Gilbert. “O que se seguirá é uma contaminação da corrente sanguínea da humanidade, criando infecções intencionais.”

“Isso será aplicado por meio de leis que tornarão a vacinação obrigatória”, continuou ele. “E essas vacinas vão possibilitar o controle das pessoas”.

“As vacinas terão cristais líquidos que ficarão hospedados nas células cerebrais, que se tornarão micro-receptores de campos eletromagnéticos para onde serão enviadas ondas de baixíssimas frequências”.

“E por meio dessas ondas de baixa frequência, as pessoas não conseguirão pensar, você se transformará em um zumbi.”

“Não pense nisso como uma hipótese. Isso foi feito. Pense em Ruanda ”, acrescentou ele, sugerindo que essa tecnologia estava por trás do genocídio de 1994 em Ruanda.

Um estudo publicado na National Library of Medicine em 2014 prova que “nanopartículas superparamagnéticas” são entregues com sucesso no corpo por meio de vacinas e, uma vez no corpo, podem ser usadas para injetar DNA nas células, alterando sua genética. O estudo é intitulado Entrega de nanopartículas superparamagnéticas de vacina de DNA .

Afirma:

O uso de nanopartículas de óxido de ferro superparamagnético (SPIONs) para entregar genes via magnetofecção mostra-se promissor na melhoria da eficiência da entrega de genes in vitro e in vivo ... A polietilenimina foi escolhida para modificar a superfície de SPIONs para auxiliar na entrega de DNA plasmídico em células de mamíferos devido à extensa capacidade de buffer do polímero através do efeito “esponja de prótons”.

Um segundo estudo, também publicado no PubMed / National Library of Medicine, afirma que as nanopartículas superparamagnéticas podem ser conduzidas para as células do cérebro através do uso de ímãs externos. Veja também: BOMBA: Nanopartículas de "vacina de mRNA" circulam pelos órgãos: cérebro, coração, fígado, ovários, testículos e muito mais

Esse estudo é intitulado Entrega de nanopartículas superparamagnéticas à cóclea através de janela redonda por campo magnético externo: viabilidade e toxicidade .

O estudo descobriu que ímãs externos eram capazes de controlar SPIONs para injetar material genético (DNA) nas células de ratos. Isso significa que campos magnéticos externos (como, por exemplo, a tecnologia 5G),  podem ser usados ​​para causar “magnetofecção”, o que significa a alteração do DNA usando campos magnéticos externos combinados com nanopartículas especiais que são injetadas. Recomendado: Tecnologia 5G: Você se tornará uma antena controlada mentalmente

O que isso nos diz é crucial para entender: cientistas de vacinas têm experimentado nanopartículas magnéticas por muitos anos e já criaram técnicas para usar injeções de vacinas para entregar nanopartículas ao cérebro, permitindo que sejam controladas por campos magnéticos externos.

Controle da mente: cientistas criaram uma proteína chamada de "Magneto" capaz de controlar remotamente o cérebro e o comportamento


Os cientistas desenvolveram um novo método de controlar certas células nervosas do cérebro para manipular comportamentos - e é entregue por meio de injeção viral.

Em 2016, pesquisadores da University of Virginia em Charlottesville desenvolveram geneticamente uma proteína magnetizada, chamada Magneto, que é inserida em um vírus que é injetado no cérebro de um animal para manipular a atividade neural sob a influência remota de campos magnéticos.

Do The Guardian :

Em seguida, os pesquisadores inseriram a sequência de DNA do Magneto no genoma de um vírus , junto com o gene que codifica a proteína fluorescente verde, e sequências de DNA regulatórias que fazem com que a construção seja expressa apenas em tipos específicos de neurônios. Eles então injetaram o vírus no cérebro de camundongos , tendo como alvo o córtex entorrinal, e dissecaram os cérebros dos animais para identificar as células que emitiam fluorescência verde. Usando microeletrodos, eles mostraram que a aplicação de um campo magnético nas fatias do cérebro ativou Magneto para que as células produzissem impulsos nervosos.

Em um experimento final, os pesquisadores injetaram Magneto no corpo estriado de camundongos que se comportavam livremente, uma estrutura cerebral profunda contendo neurônios produtores de dopamina que estão envolvidos na recompensa e motivação, e então colocaram os animais em um aparelho dividido em seções magnetizadas e não magnetizadas. Os camundongos que expressam Magneto passaram muito mais tempo nas áreas magnetizadas do que os que não o fizeram, porque a ativação da proteína fez com que os neurônios do estriado que a expressassem liberassem dopamina, de modo que os camundongos descobriram estar nessas áreas gratificantes. Isso mostra que Magneto pode controlar remotamente o disparo de neurônios nas profundezas do cérebro, e também controlar comportamentos complexos.

Magneto foi projetado para ativar um grupo específico de células nervosas dentro do corpo, e essa ativação pode ser feita à distância - talvez de uma torre 5G ? 

A alegação superficial é que a tecnologia é necessária para estudar como o cérebro afeta o comportamento. A teoria da toca do coelho, no entanto, é que a tecnologia permite o controle da mente em massa.

Pessoas vacinadas estão relatando magnetização em seus corpos, podem estar sendo cobaias desses experimentos?


A razão pela qual os ratos magnetizados gostaram de estar na área magnetizada é que seus cérebros foram geneticamente modificados por meio da injeção viral para produzir dopamina dessa forma. Em outras palavras, os ratos se sentiram “felizes” e “recompensados” por estarem próximos aos ímãs.

Considerando as últimas notícias sobre ímãs grudados em locais de injeção em pessoas que foram vacinadas recentemente, pode-se perguntar se as injeções de coronavírus Wuhan (Covid-19) contêm Magneto, ou algum derivado dele, que funciona de maneira semelhante.

Se for esse o caso, as pessoas vacinadas se sentirão “felizes” e “recompensadas” ou até mesmo podemos pensar na possibilidades de tornar essas pessoas irracionais e ferozes umas com as outras na presença de estímulos como torres de radiação 5G ou outros pontos de controle. Os responsáveis ​​pela campanha de injeção em massa teoricamente terão o poder e a capacidade de conduzir os vacinados de uma forma ou de outra, enganando seus cérebros. 

Logo abaixo, veja esse pequeno Trailer : Nesse filme (Conexão Mortal ) o personagem Clay Riddell, testemunha um estranho fenômeno: uma transmissão de um sinal misterioso através da rede mundial de celulares que transforma a maioria dos seres humanos em ferozes animais irracionais. Agora, ele e alguns sobreviventes tentam encontrar e parar a pessoa que controla esse misterioso sinal, além de seu filho, antes que seja tarde demais.

Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Compartilhe :CONTROLE MENTAL: proteína "Magneto" capaz de controlar remotamente o cérebro e o comportamento

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] apocalipse | Bill gates | Ciência | Ciência e tecnologia | descobrindo | Governo | saúde | Tecnologia | Vacina | Vacinação


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.