Coletividade Evolutiva , Hemorragia vaginal: Estudo liga injeções de mRNA COVID a sangramento vaginal , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , saúde , Vacina , Vacinação ,

Hemorragia vaginal: Estudo liga injeções de mRNA COVID a sangramento vaginal

Mulheres jovens e idosas aumentam significativamente o risco de sangramento vaginal ao serem vacinadas com mRNA Covid-19


Hemorragia vaginal: Estudo liga injeções de mRNA COVID a sangramento vaginal
Uma nova pesquisa publicada no British Medical Journal (BMJ) traz mais uma má notícia para as mulheres que se "vacinaram" contra o coronavírus de Wuhan (COVID-19). De acordo com o artigo, mulheres jovens e idosas aumentam significativamente o risco de sangramento vaginal ao serem vacinadas com injeções genéticas de mRNA da Pfizer ou da Moderna.

Uma ou mais doses da substância demonstrou um risco potencial de prejudicar mulheres com idades entre 12 e 74 anos, o que praticamente cobre todos os grupos demográficos para os quais as vacinas foram autorizadas e aprovadas.

Mesmo depois de fazer certos ajustes de dados que removeram alguns dos outros fatores de risco aumentados, as mulheres em geral foram demonstrando potencial de ser prejudicadas vaginalmente pelas injeções. (Recomendado: Agência Europeia (EMA) alerta sobre sangramento menstrual intenso após injeções Covid)

As mulheres mais jovens enfrentam os maiores riscos após a primeira e terceira doses, enquanto as mulheres mais velhas são as mais prejudicadas pelas três doses, descobriram os pesquisadores da Suécia após a investigação. Na primavera passada, pesquisadores escandinavos também confirmaram que venenos de mRNA danificam o coração, aumentando o risco de miocardite.

Mulheres: Valeu mesmo a pena?


Para a pesquisa, os cientistas analisaram dados nacionais de seu país abrangendo mulheres de 12 a 74 anos. Foram excluídas aquelas com histórico de determinadas condições relacionadas, incluindo distúrbios menstruais, e que residiam em uma instituição de cuidados especiais.

Além disso, a equipe incluiu apenas casos que foram diagnosticados em um hospital ou outra unidade de saúde, deixando 2,94 milhões de casos no grupo de estudo. (Recomendado: CONFIRMADO: Injeções de COVID-19 alteram o ciclo menstrual das mulheres, revela estudo
)

Usando um modelo de computador que eles desenvolveram que compara os resultados de saúde de mulheres vacinadas e não vacinadas, a equipe de pesquisa determinou que quanto mais vacinas COVID uma mulher recebeu, maior o risco de sofrer sangramento vaginal.
Mesmo depois de fazer certos ajustes com base no estado civil e no tempo de internação, a equipe determinou que as vacinas COVID aumentam o risco de sangramento vaginal e outros problemas reprodutivos da mulher.

"Antes do ajuste, mulheres de todas as idades da população estavam em maior risco de sangramento vaginal após a vacinação", disseram os relatórios.

"As mulheres mais jovens também estavam em um risco aumentado de distúrbio menstrual, definido como sendo diagnosticado com 'menstruação ausente, escassa e rara' ou 'menstruação excessiva, frequente e irregular'."

"Os resultados ajustados significam que as mulheres mais velhas vacinadas tinham cerca de 25% mais probabilidade de experimentar o sangramento após uma terceira dose e cerca de 15% mais probabilidade após qualquer dose", observam os relatórios.

Apesar das evidências: a negação


Ao comentar as descobertas, o Dr. Rickard Ljung, da Agência Sueca de Produtos Médicos, um dos coautores do estudo, fez questão de minimizar sua gravidade. Ele sugeriu que as mulheres ainda devem ser injetadas independentemente disso.

"Observamos associações fracas e inconsistentes entre a vacinação contra o SARS-CoV-2 e os contatos de saúde para sangramento pós-menopausa, e ainda menos consistentes para distúrbios menstruais e sangramento pré-menstrual", escreveram Ljung e seus colegas coautores.

"O ajuste extensivo para confundimento atenuou a maioria das estimativas de risco. Os padrões de associação não são consistentes com um efeito causal. Estes resultados não fornecem qualquer apoio substancial para uma associação causal entre a vacinação SARS-CoV-2 e os contactos de saúde relacionados com distúrbios menstruais ou hemorrágicos."

Nos casos em que as mulheres sofreram sangramento vaginal dentro de sete dias após serem vacinadas, Ljung alegou que essas mesmas mulheres teriam sangrado independentemente de terem sido injetadas ou não.

A preocupação da ginecologista


Horrorizada com a negação dos fatos por Ljung et al., a Dra. Shelley Cole, ginecologista-obstetra no Texas, disse ao The Epoch Times que talvez eles devam reavaliar como eles se envolvem com o método científico.

"Houve um aumento de 26% nos distúrbios menstruais no período de 1 a 7 dias", escreveu Cole em um e-mail. "No entanto, eles não podem tirar nenhuma conclusão sobre uma relação causal com a vacina? Talvez eles precisem pensar um pouco mais." Referência: ChemicalViolence.com.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR