Injeções com a substância COVID perpetuam uma "pandemia vacinal" sem fim, revela estudo alemão

O artigo publicado na Science Immunology teve implicações tremendas, mas as principais fontes da mídia permaneceram em silêncio.


Injeções de COVID perpetuam uma "pandemia vacinal" sem fim, revela estudo alemão

Embora publicamos inúmeros artigos alertando sobre isso, a maioria dos brasileiros nunca soube disso, um estudo alemão recente revelou que as injeções de COVID estão prolongando uma pandemia sem fim. As descobertas do estudo contrastam diretamente com a narrativa promovida pelas gigantes farmacêuticas, autoridade de saúde, governo e pela grande mídia.

O artigo publicado na Science Immunology teve implicações tremendas, mas as principais fontes da mídia permaneceram em silêncio. Então, vamos quebrar o silêncio, certo?
As injeções de mRNA COVID da Pfizer criam um ciclo de feedback sem fim de escape imunológico viral, segundo estudo.Veja também; Revista Science admite que “vacinas” de Covid são inúteis e prejudiciais

Os autores do estudo alemão mencionado acima descobriram que as vacinas COVID alteraram o corpo humano para gerar anticorpos que têm uma tolerância aumentada a patógenos na posteridade. Em termos simples, injeções sucessivas de COVID estão mudando o corpo humano para tolerar o coronavírus e possivelmente preparando o terreno para mutações contínuas que prolongam a pandemia, potencialmente indefinidamente.

Se os pesquisadores alemães estiverem corretos, as injeções de mRNA feitas pela Pfizer e pela Moderna forçam o sistema imunológico a funcionar mal, estimulando um loop infinito no qual o vírus não apenas persiste e se espalha, mas também sofre mutações para novas variações que causam estragos na população global. Como resultado, existe a possibilidade de o vírus continuar se espalhando, potencialmente por anos, décadas ou mesmo séculos.

A questão premente é se as injeções de mRNA farão com que o COVID se transforme em uma cepa ainda mais potente ou enfraqueça gradualmente a ponto de se igualar ao resfriado comum.

Governos ignoram aumento acentuado no excesso de mortes, doenças e continuam pressionando reforços COVID


Muito se falou sobre a suposta necessidade de injeções sucessivas de mRNA para combater novas variantes de COVID que surgem aparentemente a cada poucos meses. No entanto, observe atentamente os países com as maiores taxas de injeção de COVID. Você descobrirá que eles sofrem efeitos colaterais significativos das injeções e resultados terríveis de saúde resultantes da propagação do vírus. Tais declínios na saúde humana vão contra a narrativa publicamente aceita de que doses de reforço sequenciais impedem a propagação do vírus enquanto atenuam seu impacto no corpo humano.

Os cientistas que conduziram o estudo mencionado acima também destacam os resultados de saúde em países com níveis altos e baixos de injeções. Os países da Orla do Pacífico e da África continental não tiveram altas taxas de mortalidade por infecção por COVID. No entanto, o Japão sofreu um número significativo de mortes precoces em indivíduos saudáveis ​​após seu programa de vacinas em massa.

O Japão, uma nação insular que promove mascaramento generalizado e injeções sequenciais de COVID, sofreu uma forte inclinação na curva de mortalidade após programas de reforço generalizados. A crescente curva de mortalidade do país surpreendeu os epidemiologistas, pois a variante Omicron do vírus não é tão patogênica quanto as cepas anteriores. O Japão é agora o líder global em casos de vírus COVID per capita, apesar de sua alta taxa de vacinas.

Não é hora das autoridades que promoveram o veneno pior que um suposto vírus, ser responsabilizados?


A moral da história é que o Grande Governo, e os lacaios da grande mídia e a Grande Indústria Farmacêutica fizeram uma lavagem cerebral nas massas em todo o mundo para que acreditassem que doses de reforço sequenciais combatem com sucesso o impacto e a propagação do vírus. Na realidade, as doses de reforço não geram a importante defesa de anticorpos IgA necessária para impedir a disseminação e a mutação do vírus.

Vamos ser sinceros, a promoção das vacinas como a “saída” da pandemia nada mais foi do que uma campanha de propaganda espalhada pelos principais falantes da mídia para coagir bilhões em todo o mundo a fazer fila para a injeção. Infelizmente, a missão foi parcialmente cumprida. 

Quanto ao futuro, esperamos que as pessoas aprendam com seus erros – ou com os erros dos outros – e confiem em seus sistemas imunológicos em vez de em produtos farmacêuticos que alteram os genes. — Referência: naturalhealth365.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu