Vacinação

Revista Science admite que “vacinas” de Covid são inúteis e prejudiciais

Coletividade Evolutiva
Nos Apoie: Doação
Revista Science admite que “vacinas” de Covid são inúteis e prejudiciais

Pesquisadores britânicos dizem que as “vacinas” do coronavírus Wuhan (Covid-19) não fornecem nenhuma proteção real contra a mais recente “variante” da doença, que o establishment está chamando de “Ômicron”.

Um novo artigo publicado na revista Science revela que a proteção de anticorpos e células T não são encontradas em lugar algum após a injeção. Enquanto isso, as injeções deixam um rastro de substâncias misteriosas dentro do corpo de uma pessoa, muitas vezes levando a doenças crônicas ou morte precoce.

Outra coisa que o jornal descobriu é que os “totalmente vacinados” estão sofrendo as chamadas infecções “pós-vacinação” com Ômicron, já que sua resposta de células T agora é artificialmente ajustada para variantes anteriores da doença, como a Delta.

“… quando pessoas vacinadas, mas não anteriormente infectadas, sofrem infecções pós-vacinação de Ômicron, sua resposta de células T é tendenciosa para versões anteriores do Sars-Cov-2 – não para a variante Ômicron que realmente as infectou”, escreve Alex Berenson em seu Substack.

“Em outras palavras, as injeções de mRNA parecem prejudicar permanentemente o sistema imunológico das pessoas que as recebem, inclinando-as para a produção de células T que atacam variantes que não existem mais – mesmo que nunca tenham sido infectadas com essas variantes”.

Vacinas Covid destroem a imunidade natural e não específica


A imunidade natural, que não foi danificada por injeções farmacêuticas, possui um componente chamado imunidade não específica que visa patógenos invasores de forma não específica. No caso da covid, isso significa lutar contra o vírus geral e não especificamente em termos de variantes.

Depois que uma pessoa é injetada, no entanto, essa imunidade não específica é alterada e, de repente, o corpo não é mais capaz de combater infecções à medida que elas se transformam e sofrem mutações. (Relacionado: Pesquisa da Universidade de Columbia descobriu que Ômicron tem uma resistência “impressionante” a injeções de covid.)

“Enquanto os anticorpos são a primeira linha de defesa contra a infecção e tentam eliminar o vírus da corrente sanguínea, as células T são a segunda linha crucial”, acrescenta Berenson. “Eles atacam e destroem células infectadas e também trabalham com outras partes do sistema imunológico para produzir mais e melhores anticorpos direcionados”.

“Os defensores das vacinas alegaram interminavelmente que as células T geradas por mRNA ajudam a evitar que as pessoas fiquem gravemente doentes com Covid, mesmo depois que a proteção de anticorpos da linha de frente contra a infecção desaparece … Este estudo sugere que a suposta proteção pode ser um mito, e as baixas taxas de mortalidade do Ômicron são simplesmente resultado da falta de virulência geral da variante tanto em pessoas vacinadas como não vacinadas.”

O estudo britânico descobriu ainda que outra grande parte da capacidade do corpo de combater infecções, os anticorpos, também são danificados pelas vacinas. Após a injeção, o sistema imunológico fica com a capacidade de produzir apenas um tipo de anticorpo contra o coronavírus, quando a realidade é que são necessários muitos anticorpos diferentes.

Esses outros anticorpos seriam produzidos naturalmente pelo corpo sem a injeção. Mas uma vez que os produtos químicos sintéticos de mRNA (RNA mensageiro) são distribuídos, o sistema imunológico fica permanentemente danificado, sem nenhuma maneira de combater doenças que estão em constante mudança. (Recomendado: Quanto mais vacinados mais imunossuprimidos se tornarão, mas Ministério da "Saúde" empurra quarta dose)

O estudo reconheceu esse fato, mas foi enterrado em linguagem altamente técnica, sugerindo que era simplesmente politicamente incorreto demais para ser declarado claramente. O estudo também não comparou as respostas imunes dos vacinados com os não vacinados, o que é no mínimo problemático.

“Infelizmente, mas sem surpresa, os cientistas não analisaram as respostas imunes de quem não foi vacinado – com ou sem infecção anterior”, explica Berenson. “Assim, o artigo não oferece comparação direta da maneira como o Ômicron pode afetar as respostas de anticorpos e células B e T em pessoas vacinadas e não vacinadas”.

“Porque os pesquisadores não incluíram pessoas não vacinadas? Talvez porque quase todos os adultos britânicos tenham sido vacinados, bem como recebido doses de reforço, então os autores queriam se concentrar nos riscos que o Ômicron representa para as pessoas vacinadas… Ou talvez porque se preocupassem com o que encontrariam se comparassem diretamente os dois grupos.”

Veja também:


E também sempre atualizado o Substack de Berenson.
Artigo original aqui.
Publicidade
Publicidade

Continua após publicidade

Siga Coletividade Evolutiva nas redes sociais!
Publicidade
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor
Ciência Coronavírus Covid-19 Proteína Spike Vacina Vacinação


RECENTES