Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Vacinação

EFEITO PREJUDICIAL: A proteína spike da vacina COVID, prejudica o reparo de danos ao DNA, que pode desencadear câncer, imunodeficiência, distúrbios autoimunes e envelhecimento acelerado

Vacinação: EFEITO PREJUDICIAL: A proteína spike da vacina COVID, prejudica o reparo de danos ao DNA, que pode desencadear câncer, imunodeficiência, distúrbios autoimunes e envelhecimento acelerado... De acordo com esse estudo bombástico, inúmeros problemas de saúde cedo ou mais tarde prejudicarão milhares que tomaram vacinas de mRNA

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:


Uma 
nova pesquisa impressionante publicada em Viruses ,revela que parte da edição SARS-CoV-2 de proteínas de pico (Spike) da terapia genética chamada vacina de mRNA, entram em núcleos celulares e causam estragos no mecanismo de reparo de DNA das células, suprimindo o reparo de DNA em tanto quanto 90%. Vacinas com essa tecnologia experimental são produzidas pela Pfizer e Moderna que já foram introduzidas no público desavisado. Isso significa que pode causar inúmeros problemas de saúde cedo ou mais tarde. Acompanhe essa análise do estudo.

O artigo de pesquisa é intitulado, "SARS – CoV – 2 Spike prejudica a reparação de danos ao DNA e inibe a recombinação V (D) J in vitro" - Uma versão salva em PDF caso forças obscuras possam derrubar a pesquisa publicada, você pode baixar aqui (PDF).

Na conclusão do artigo, os autores escrevem: “Descobrimos que a proteína spike inibiu marcadamente a formação de focos BRCA1 e 53BP1 (Figura 3D-G). Juntos, esses dados mostram que a proteína spike de comprimento total SARS – CoV – 2 inibe o reparo de danos ao DNA, impedindo o recrutamento de proteínas de reparo de DNA. ”

O mecanismo de reparo de DNA, conhecido como NHEJ (Non-Homologous End Joining - Tradução - União de extremidade não homóloga), é um tipo de sistema de “resposta de emergência” intracelular que repara quebras de DNA de fita dupla. Sem o mecanismo NHEJ, toda vida multicelular avançada deixaria de existir. Nenhum ser humano, animal ou planta pode sobreviver com a integridade de seu código genético protegido e constantemente reparado por meio de múltiplos mecanismos forem danificados e não reparados.

Danos ao DNA podem ser causados ​​por exposição à radiação, produtos químicos encontrados em alimentos e produtos de higiene pessoal ou até mesmo exposição a equipamentos de mamografia. A exposição excessiva à luz solar também pode causar quebras no DNA, e pequenas mutações no DNA ocorrem espontaneamente em todos os organismos vivos. Os pilotos de avião, por exemplo, são rotineiramente expostos à radiação ionizante devido a voar em altitude.

Em uma pessoa normal e saudável, o mecanismo NHEJ repara o DNA e evita que uma mutação patogênica ocorra. Mas na presença da proteína pico da vacina, a eficácia da reparação do NHEJ é suprimida em até 90%, o que significa que ele é incapaz de fazer seu trabalho devido à capacidade suprimida de recrutar proteínas para reparo. (Vejam também: Cientistas descobrem que a substância experimental de mRNA pode desencadear câncer)

Como resultado, os seguintes "erros" são introduzidos nos cromossomos dentro dos núcleos das células humanas, todos devido à presença da proteína spike das vacinas de mRNA:

  • Mutações ou “erros” na sequência genética.
  • DELEÇÕES de segmentos inteiros do código genético.
  • INSERÇÕES de segmentos incorretos.
  • Mistura e correspondência / permutações de código genético.

Esses erros, quando expressos por meio da divisão e replicação celular, resultam em:

  • Uma explosão de câncer e tumores cancerosos por todo o corpo
  • Perda de produção de células B e T do sistema imunológico (ou seja, imunodeficiência induzida)
  • Doenças autoimunes
  • Envelhecimento acelerado e comprimento reduzido do telômero
  • Perda de funcionamento de sistemas de órgãos complexos, como circulatório, neurológico, endócrino, músculo-esquelético, etc.
  • Danos celulares semelhantes a envenenamento por radiação, pois as células se destroem por dentro

Muitos desses efeitos são, obviamente, fatais. Outros sobrecarregarão as vítimas da vacina com horrendos ferimentos debilitantes e disfunções de órgãos que exigirão uma vida inteira de intervenção médica.

A proteína Spike vai para o núcleo da célula


Do artigo com link acima:

Mecanisticamente, descobrimos que a proteína spike se localiza no núcleo e inibe o reparo de danos no DNA, impedindo o recrutamento da proteína chave de reparo BRCA1 e 53BP1 para o local do dano.

Isso significa que a proteína spike, que é gerada nos ribossomos celulares depois que as células foram sequestradas por vacinas de mRNA, nem sempre deixa a célula e entra na corrente sanguínea, como nos dizem os proponentes da vacina de mRNA. Em alguns casos, a proteína de pico (Spike) entra no núcleo da célula . Lá, ele interfere com o mecanismo de reparo do DNA, conforme descrito ao longo deste artigo.

“Surpreendentemente, encontramos a abundância da proteína spike no núcleo (Figura 1A),” concluíram os autores do estudo.

Isso significa, sem dúvida, que as vacinas de mRNA resultam em alterações cromossômicas nas células do corpo . É a confirmação de que tais vacinas estão, de fato, causando estragos na integridade genética e exibindo efeitos colaterais que não foram previstos ou descritos pelos proponentes da vacina de mRNA, nos estudos de apenas alguns meses.

O Dr. Thomas Levy escreve sobre a toxicidade da proteína spike em Orthomolecular.org :

A preocupação foi levantada em relação à disseminação da proteína spike por todo o corpo após a vacinação. Em vez de ficar localizada no local da injeção a fim de provocar a resposta imune e nada mais, a presença de proteína de pico foi detectada em todo o corpo de alguns indivíduos vacinados. Além disso, parece que algumas das proteínas de pico circulantes simplesmente se ligam aos receptores ACE2 sem entrar na célula, induzindo uma resposta auto-imune a toda a entidade da proteína de pico de célula. Dependendo do tipo de célula que se liga à proteína do pico, podem desencadear várias doenças autoimunes.

De forma mais alarmante, o Dr. Levy explica que as evidências atuais mostram que a proteína spike continua a ser produzida no corpo, após a injeção inicial de mRNA . Ele explica:

Enquanto a patologia subjacente ainda precisa ser completamente definida, uma explicação para os problemas com tendências trombóticas e outra sintomatologia observada com COVID crônica e pacientes pós-vacinação relaciona-se diretamente com a presença persistente da parte da proteína spike do coronavírus. Alguns relatórios afirmam que a proteína spike pode continuar a ser produzida após a ligação inicial aos receptores ACE2 e a entrada em algumas das células que ela inicialmente tem como alvo. Os quadros clínicos de COVID crônica e toxicidade pós-vacina parecem muito semelhantes, e ambos são provavelmente devido a esta presença contínua e disseminação por todo o corpo da proteína spike (Mendelson et al., 2020; Aucott e Rebman, 2021; Levy , 2021; Raveendran, 2021).

A proteína spike de comprimento total resultou na maior supressão do mecanismo de reparo de DNA NHEJ


Veja as figuras abaixo. Os fragmentos virais SARS-CoV-2 são denominados “Nsp1, Nsp5” e assim por diante. O pico de comprimento total é chamado de “pico” e o nucleocapsídeo - outra parte estrutural de todo o patógeno da proteína do pico - é identificado separadamente.

Do estudo:

A superexpressão das proteínas Nsp1, Nsp5, Nsp13, Nsp14 e spike diminuiu a eficiência do reparo de HR e NHEJ (Figura 1B-E e Figura S2A, B).

As Figuras C e E mostram a supressão do reparo de NHEJ por essas várias porções de fragmentos virais. (Veja as linhas azuis do gráfico vertical que representam os níveis de atividade / eficiência do mecanismo de reparo do DNA).



O que esses dados mostram é que a maior supressão da atividade NHEJ é medida quando a proteína spike completa está presente.

 Do estudo:

Juntos, esses dados mostram que a proteína spike de comprimento total SARS – CoV – 2 inibe o reparo de danos ao DNA, impedindo o recrutamento da proteína de reparo do DNA.

Esta é a proteína de pico que é gerada pelas próprias células do corpo após serem injetadas com uma vacina de mRNA:


Na figura 2, abaixo, vemos que a supressão da atividade NHEJ exibe uma resposta dependente da dose para a presença de proteína de pico (figuras 2B e 2C). Isso indica que quanto mais proteínas de pico estiverem presentes, maior será a supressão do reparo do DNA:



A figura inferior direita, 2G, mostra como a presença da proteína spike inibe o reparo do DNA após vários insultos ao DNA, como radiação, exposição química ou oxidação. É importante, como explicam os autores do estudo:

Após diferentes tratamentos de danos ao DNA, como? –Irradiação, tratamento com doxorrubicina e tratamento com H2O2, há menos reparo na presença da proteína de pico (Figura 2F, G). Juntos, esses dados demonstram que a proteína spike afeta diretamente o reparo do DNA no núcleo.

A exposição a 5G ou subsequentes, a exposição a quimio, a alimentos químicos, a mamografia e até mesmo a exposição à luz solar irão causar estragos em quem tomou vacinas de mRNA


O resultado terrível dessa descoberta é que as pessoas que tomaram vacinas de mRNA experimentarão o reparo do DNA suprimido, aumentando as exposições que antes eram consideradas problemas menores para ameaças significativas à sua saúde.

Em outras palavras, as pessoas expostas à radiação 5G, exames de mamografia, produtos químicos plastificantes em produtos alimentícios e carcinógenos em produtos de higiene pessoal (detergentes para a roupa, perfumes, xampus, loções para a pele, etc.) não serão capazes de reparar os danos ao DNA causados ​​por aquelas exposições. Após exposições relativamente pequenas, eles começarão a sofrer mutações e desenvolver cânceres em todo o corpo.

Não se esqueça de que a exposição ao 5G resulta na produção de peroxinitrito no sangue, um radical livre extremamente perigoso que causa danos ao DNA nas células cerebrais e nos tecidos do corpo.

Isso poderia até ser descrito como um tipo de sistema de arma binária em que as vacinas de mRNA enfraquecem o reparo do DNA, e a exposição a 5G (ou exposição química no suprimento de alimentos) fornece a arma que quebra os filamentos de DNA e faz com que o corpo seja incapaz de manter a integridade genética durante replicação celular. Isso não leva muito tempo para ser expresso de formas físicas horríveis, como a tentativa de crescimento de tecidos de órgãos internos na superfície da pele ou rosto, motivo pelo qual Mike Adams publicou o podcast de Atualização da Situação de hoje, “Monstros, Zumbis e Mutantes.

A presença da proteína spike interfere na função imunológica normal e leva à imunodeficiência (uma condição semelhante à AIDS)


Esta pesquisa também descobriu que proteínas de pico de vacinas de mRNA podem levar a condições de imunodeficiência, semelhantes à AIDS. Isso é consistente com o que relatamos anteriormente sobre a queda da função imunológica em cerca de 5% por semana em pessoas que tomaram vacinas Covid. Do estudo:

…  os da função de proteínas-chave de reparo de DNA, como ATM, DNA-PKcs, 53BP1, et al., Leva a defeitos no reparo de NHEJ que inibem a produção de células B e T funcionais, levando à imunodeficiência.

A função imunológica também é afetada de forma crítica pela presença da proteína spike, potencialmente levando a mutações cancerosas em todas as células do corpo. Como o estudo explica:

O reparo de danos ao DNA, especialmente o reparo de NHEJ, é essencial para a recombinação V (D) J, que está no cerne da imunidade das células B e T.

Como o Science Direct também explica :

Manter a integridade genômica é fundamental para a sobrevivência de um organismo. Entre os diferentes danos ao DNA, as quebras de fita dupla (DSBs) são consideradas as mais deletérias, pois podem levar à morte celular se não forem reparadas ou a rearranjos cromossômicos quando mal reparados, levando ao câncer.

Além disso, as mutações nos genes NHEJ, incluindo Ku70 e Ku80, foram associadas à redução da expectativa de vida em camundongos [54]. Além disso, defeitos no DNA-PKcs (proteína quinase dependente do DNA) resultaram em manutenção prejudicada do telômero e redução da expectativa de vida em camundongos [55]. Juntas, essas linhas de evidência sugerem que NHEJ desempenha um papel importante na prevenção do aumento relacionado à idade na instabilidade genômica e declínio funcional.

Na verdade, isso significa que a supressão da proteína do pico do mecanismo de reparo do DNA NHEJ também leva à redução da expectativa de vida e ao envelhecimento acelerado.

Segundo algumas estimativas, 50% das pessoas injetadas com vacinas de mRNA morrerão em cinco anos. Agora temos uma compreensão mais profunda dos mecanismos pelos quais essas fatalidades induzidas pela vacina podem ocorrer.

Por Mike Adams | Originalmente em | Naturalnews.com
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Coletividade Evolutiva

Autor: Coletividade Evolutiva

Visa informar a sociedade de forma que possa ajudar no despertar, enxergar através das cortinas que limitam o pensamento, quebrando assim, as velhas formas de pensar. Examina o que percebe como os problemas mais importantes da sociedade atual, publica possíveis soluções e alternativas que podem ajudar a reconstruir a sociedade por meio do despertar e pensamento. Publica informações que desafia o pensamento e os preconceitos sem descuidar das principais regras que regem.

MAIS RECENTES