Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Sociedade

Cientistas descobrem que a substância experimental de mRNA pode desencadear câncer

Sociedade: Cientistas descobrem que a substância experimental de mRNA pode desencadear câncer... Os cientistas descobriram evidências que apoiam uma possível ligação potencial entre o câncer e o mRNA.

Fabio Allves
Compartilhe:
Cientistas descobrem que a substância experimental de mRNA pode desencadear câncer

De acordo as descobertas em andamento em torno dessas substâncias experimentais chamadas de vacinas da COVID de tecnologia de mRNA, achei interessante dar uma olhada nas informações disponíveis e permitir que os leitores tirem suas próprias conclusões. É importante ressaltar, que as injeções de Covid de mRNA, são tecnologia experimental e não exite nenhum estudo a longo prazo para se saber quais efeitos adversos poderá desencadear no futuro.

Os cientistas postularam que "o próprio mRNA pode carregar alterações causadoras de câncer" por meio de erros de transcrição que produzem proteínas que interferem com as células antitumorais. Baseando com essa pesquisa de 2018, muitos especulam que as injeções experimentais de mRNA utilizadas nas injeções da Pfizer e Moderna podem acarretar esses possíveis efeitos cedo ou mais tarde. ( Veja também: EFEITO PREJUDICIAL: A proteína spike da vacina COVID, prejudica o reparo de danos ao DNA, que pode desencadear câncer, imunodeficiência, distúrbios autoimunes e envelhecimento acelerado)

No entanto, não é somente especulação. De acordo com uma pequisa abrangente e recente, - Esta descoberta só pode ser descrita como um verdadeiro “horror” em suas implicações. Essa impressionante nova pesquisa publicada em Viruses , parte da edição SARS-CoV-2 revela que proteínas de pico de vacina entram em núcleos celulares e causam estragos no mecanismo de reparo de DNA das células, suprimindo o reparo de DNA em tanto como 90%.

Na conclusão do artigo, os autores escrevem: “Descobrimos que a proteína spike  (das injeções de mRNA) inibiu marcadamente a formação de focos BRCA1 e 53BP1 (Figura 3D-G). Juntos, esses dados mostram que a proteína spike de comprimento total SARS – CoV – 2 inibe o reparo de danos ao DNA, impedindo o recrutamento de proteínas de reparo do DNA. ”

Erros de replicação e danos no DNA acontecem nas células de nossos corpos durante o tempo todo. Mas na maioria dos casos, eles não causam câncer, ou mesmo mutações. Isto, porque eles geralmente são detectados e corrigidos por mecanismos de revisão do DNA e correção. Mas como pode ver, o estudo deixa claro, que essas correções de DNA não são possíveis após as injeções de mRNA.

Como resultado, os seguintes "erros" são introduzidos nos cromossomos dentro dos núcleos das células humanas, todos devido à presença da proteína spike das vacinas de mRNA:

  • Mutações ou “erros” na sequência genética.
  • DELEÇÕES de segmentos inteiros do código genético.
  • INSERÇÕES de segmentos incorretos.
  • Mistura e correspondência / permutações de código genético.

Esses erros, quando expressos por meio da divisão e replicação celular, podem resultar em:

  • Uma explosão de câncer e tumores cancerosos por todo o corpo
  • Perda de produção de células B e T do sistema imunológico (ou seja, imunodeficiência induzida)
  • Doenças autoimunes
  • Envelhecimento acelerado e comprimento reduzido do telômero.
  • Perda de funcionamento de sistemas de órgãos complexos, como circulatório, neurológico, endócrino, músculo-esquelético, etc.
  • Danos celulares semelhantes a envenenamento por radiação, pois as células se destroem por dentro.

Muitos desses efeitos são, obviamente, fatais. Outros sobrecarregarão as vítimas da vacina com horrendos ferimentos debilitantes e disfunções de órgãos que exigirão uma vida inteira de intervenção médica.

Os cientistas da Sloan Kettering descobriram evidências em 2018 que evidenciam uma ligação potencial entre o câncer e o mRNA.


O potencial efeito cancerígeno das injeções de mRNA da COVID - criadas pelas empresas farmacêuticas Pfizer e Moderna - foi inicialmente levantado devido aos resultados de um estudo de 2018 baseado no Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSKCC) na cidade de Nova York.

Em um comunicado à imprensa de 27 de agosto de 2018, o MSKCC compartilhou os resultados de um estudo que descobriu que mutações em certas moléculas de mRNA podem desligar proteínas no corpo que normalmente suprimem tumores. Ao suprimir as proteínas supressoras de tumor, dizem os cientistas, abre-se a porta para o crescimento do câncer.

Essas moléculas alteradas de mRNA, diz MSKCC, “têm o mesmo efeito final de ligação de câncer conhecidos no DNA, então eles concluíram a hipótese que podem desempenhar um papel muito importante” no desenvolvimento do câncer.

A pesquisa do MSKCC se concentrou especificamente em um tipo de câncer de sangue conhecido como leucemia linfocítica crônica (LLC).  
A leucemia é o câncer dos tecidos formadores de sangue, incluindo a medula óssea. Existem muitos tipos, como leucemia linfoblástica aguda, leucemia mieloide aguda e leucemia linfocítica crônica.

Muitos pacientes com tipos de leucemia de crescimento lento não têm sintomas. Os tipos de leucemia de crescimento rápido podem causar sintomas que incluem fadiga, perda de peso, infecções frequentes e sangramento fácil ou hematomas.

Dada essa pesquisa, já circularam especulações de que esses dados de 2018 fornecem evidências de que as injeções de mRNA COVID podem possivelmente impulsionar o crescimento do câncer da mesma maneira. Mas as notícias convencionais e até o próprio MSKCC refutam  essa teoria, apesar de não haver nem um estudo de longo prazo para apoiar sua refuta dessa especulação, portanto, só o tempo é que dirá se isso irá começar a desenvolver em milhares de vacinados com as substâncias experimental de mRNA das injeções.

Há até uma isenção de responsabilidade agora no artigo: “Esta pesquisa [2018] não se relaciona de forma alguma com as vacinas COVID-19 que usam mRNA”, escreveu o MSKCC no início do comunicado à imprensa. “Existem milhares de tipos diferentes de mRNA nas células humanas. Cada tipo de mRNA faz coisas diferentes. O mRNA usado em vacinas não causa câncer nem altera o DNA. ”

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que para cada ano do triênio 2020/2022, sejam  diagnosticados no Brasil 5.920 casos novos de leucemia em homens e 4.890 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 5,67 casos novos a cada 100 mil homens e 4,56 casos novos para cada 100 mil mulheres.

A leucemia linfoide crônica afeta principalmente adultos mais velhos. A idade média no momento do diagnóstico é de 70 anos. Raramente é diagnosticada em pessoas com menos de 40 anos e é extremamente rara em crianças.

Será interessante observar se essa prevalência muda de alguma forma nos próximos meses ou anos, agora que os disparos do COVID-19 foram para os braços do público desavisado em massa.

O médico relata um "aumento de 20 vezes" no câncer entre aqueles "vacinados" contra a Covid em seu laboratório de diagnóstico.


Dr. Ryan Cole, um patologista certificado pelo conselho, proprietário e operador de laboratório de diagnóstico baseado em Idaho nos Estados Unidos, (onde as injeções de mRNA são predomindantes), divulgou novas informações chocantes sobre como as "vacinas" do coronavírus (Covid-19) estão causando um grande "aumento" em doenças autoimunes e câncer.

Dr. Cole revelou como ele agora está vendo um aumento de 2.000% de doenças crônicas em pessoas que tomaram as injeções experimentais da Covid de tecnologia de mRNA.

“Desde 1º de janeiro, no laboratório, estou vendo um aumento de 20 vezes nos cânceres de endométrio em relação ao que vejo em uma base anual”, afirmou Cole na entrevista. “Não estou exagerando porque vejo meus números ano após ano e fico tipo 'Puxa, nunca vi tantos cânceres de endométrio antes'”.

Cole revelou essas e outras estatísticas em um evento de 18 de março, dizendo aos Idahoans que as chamadas “vacinas” Covid estão invocando um tipo de “ HIV reverso” de resposta auto-imune no corpo das pessoas.

Um sistema imunológico normal e funcionando bem tem dois tipos de células que mantêm o corpo saudável: células T "auxiliares", também conhecidas como CD4, e células T "assassinas", também conhecidas como células CD8. No grupo “totalmente vacinado”, há uma supressão maciça de células T “auxiliares”, alerta o Dr, Cole, o que deixa o paciente suscetível a uma série de doenças.

“Após a vacina, o que estamos vendo é uma queda nas células T assassinas, nas células CD8”, afirmou Cole. “E o que as células CD8 fazem? Eles mantêm todos os outros vírus sob controle.”


As afirmações do Dr. Cole ressoam com os resultados de um estudo publicado no The Lancet no final do ano passado, que descobriu que as vacinas contra o vírus chinês aumentam muito o risco de uma pessoa desenvolver uma infecção pelo HIV.

Será que essas injeções de tecnologia estão codificadas para desencadear ou estão inserindo o HIV nos corpos das pessoas sob o pretexto de “vaciná-las” contra a gripe chinesa? Todos estão mentindo sobre o que esses frascos realmente contêm?

Parece que sim, com base nas últimas evidências e revelações. Enquanto o HIV é conhecido por suprimir as células T “auxiliares”, as injeções de Covid estão aparentemente suprimindo as células T “assassinas”, que o Dr. Cole diz ter um efeito similarmente negativo na imunidade.

Esta supressão de "células T assassinas" induzida pela vacina, Dr. Cole avisa, está gerando um grande aumento nos casos de câncer endometrial, melanomas, herpes, herpes zoster, mono e até mesmo papilomavírus humano (HPV) quando "olhando para o colo do útero biópsias de mulheres. ”

Outros ingredientes dessas substâncias experimentais chamadas de vacinas da Covid, incluindo o polietilenoglicol, também estão causando problemas para o sistema imunológico das pessoas. Em vez de protegê-los contra uma infecção pelo vírus da China, como afirmado, esses aditivos injetáveis ​​apresentam um sério risco de toxicidade que pode levar a ainda mais problemas de saúde além daqueles causados ​​pelos efeitos de infeções semelhantes ao HIV.

“O mais preocupante de tudo é que há um padrão desses tipos de células imunológicas no corpo que mantém o câncer sob controle”, o Dr. Cole avisa sobre o que essas injeções estão fazendo, inclusive em jovens que estavam totalmente saudáveis ​​antes de serem apunhalados.

“Estou vendo melanomas invasivos em pacientes mais jovens; normalmente os pegamos cedo, e são melanomas finos, [mas] estou vendo melanomas grossos disparando nos últimos dois meses ”.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas, questionando as raízes que constitui aparentemente nossa realidade, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tenho como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.

MAIS RECENTES