Será crime pensar diferente: Fórum Econômico Mundial vai censurar o que eles acham ser "conteúdo e conduta nociva online"

Tecnologia: Será crime pensar diferente: Fórum Econômico Mundial vai censurar o que eles acham ser "conteúdo e conduta nociva online"... O Fórum Econômico Mundial formou uma nova "Coalizão Global para Censurar na forma Segurança Digital" composta pelos gigantes da tecnologia e governo

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Será crime pensar diferente: Fórum Econômico Mundial vai censurar para "combater conteúdo e conduta nociva online"

Preparem para o fim da liberdade de expressão, crime de pensamento e a derrubada da internet, no sentido de conteúdos que os globalistas acham ser nociva para agenda global deles. Será a mordaça final. O Fórum Econômico Mundial, um grupo globalista internacional que trabalha para "moldar as agendas globais, regionais e da indústria", formou uma nova "Coalizão Global para o que eles chamam de Segurança Digital" composta pelos ditadores dos gigantes da tecnologia e funcionários do governo e, pretende vir com novas “inovações” para policiar “conteúdos e condutas que eles não querem que seja descoberto pelo público, rotulando como condutas online prejudiciais”.

O escopo do conteúdo denominado "prejudicial" que será direcionado por esta Coalizão Global para Segurança Digital é abrangente e abrange tanto conteúdo legal (como "desinformação sobre saúde" e "conteúdo antivacinas") e conteúdo ilegal (como exploração e abuso infantil e extremismo violento).

As grandes empresas de tecnologia já censuram milhões de postagens de acordo com suas regras de longo alcance que proíbem conteúdo prejudicial e conteúdos que eles afirmam ser desinformação o que muitas das vezes não é. Eles também publicam relatórios trimestrais detalhados sobre essa censura.

Mas, de acordo com o Fórum Econômico Mundial, as atuais métricas, sistemas de recomendação e sistemas de reclamações dos gigantes da tecnologia são "deficientes", razão pela qual é necessária "uma coordenação mais deliberada entre os setores público e privado".

O Fórum Econômico Mundial pretende fornecer essa “coordenação mais deliberada” por meio de sua Coalizão Global para Segurança Digital, que trabalhará para combater o que considera conteúdo prejudicial por meio de uma série de medidas.

Essas medidas incluem a troca de "melhores práticas para novas regulamentações de segurança online", "ações coordenadas para reduzir o risco de danos online" e a criação de definições globais de conteúdo prejudicial "para permitir a aplicação, relatórios e medição padronizados em todas as regiões".

Os membros desta Coalizão Global para Segurança Digital incluem funcionários de governos ou reguladores governamentais na Austrália, Reino Unido, Indonésia, Ucrânia, Bangladesh e Cingapura, um executivo da gigante de tecnologia Microsoft e o fundador da inteligência artificial (IA) plataforma de moderação de conteúdo alimentada por filtro de profanação Two Hat Security.

“A segurança online global é uma meta coletiva que deve ser abordada trabalhando além das fronteiras, bem como por nações individuais”, disse a presidente-executiva do Ofcom, Melanie Daws. “Estamos ansiosos para colaborar com os membros da coalizão internacional para reduzir o risco de danos online e construir uma vida online mais segura para todos.”

A diretora de segurança digital da Microsoft, Courtney Gregoire, acrescentou: “O Fórum Econômico Mundial está em uma posição única para acelerar a colaboração público-privada necessária para o avanço da segurança digital em todo o mundo. A Microsoft está ansiosa para participar e ajudar a construir soluções para toda a sociedade. Problemas da sociedade. ”
A formação dessa coalizão global é reflexo da maior disposição das empresas de tecnologia em colaborar com os governos globais para censurar o conteúdo jurídico que eles consideram prejudicial e para pressionar esses governos a introduzirem regulamentações de discurso mais amplas.

Poucos meses antes de essa coalizão ser anunciada, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, convocou coalizões globais para abordar o conteúdo que é “legal, mas pode ser prejudicial” no Fórum Econômico Mundial Global da Cúpula de Governança de Tecnologia 2021.

E no ano passado, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, pressionou por “mais orientação e regulamentação” dos líderes mundiais sobre o que as pessoas podem dizer online. Em outras palavras, você será policiado pela polícia do pensamento, assim como escrito no livro de George Orwell de 1984, que 
descreve uma sociedade governada por um estado totalitário de vigilância contínua, (Big Brother - Grande Irmão) - que persegue todo o processo da vida das pessoas e o pensamento crítico independente como "crimes de pensamento" que devem ser aplicados pela "polícia do pensamento". 

Coalizões globais semelhantes que tentaram criar padrões globais de censura, como o Fórum Global da Internet para Contra o Terrorismo (GIFCT) , resultaram na censura automatizada da sátira, reportagens da mídia e outros tipos de conteúdo legal.

Por isso que estamos migrando para a plataforma alternativa ao Facebook - Bom Perfil, vamos formar nossa comunidade, sigam, curtam, comentem e compartilhem nossa página: http://bomperfil.com/pagina/coletividadeevolutiva

Fonte: ReclaimTheNet.org e Sociedade e governo - Coletividade Evolutiva

Coletividade Evolutiva , Será crime pensar diferente: Fórum Econômico Mundial vai censurar o que eles acham ser "conteúdo e conduta nociva online" , Ciência e tecnologia , Governo , manipulação , Sociedade , Sociedade e governo , Tecnologia ,

Explore mais sobre:

Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Coletividade Evolutiva

Autor: Coletividade Evolutiva

O Coletividade Evolutiva, esta ligado ao dever e justiça de informar a sociedade de forma que ajudarão a viver melhor, enxergar através das cortinas que nos limitam o pensamento, quebrando assim as velhas formas de pensar. Examinamos o que percebemos como os problemas mais importantes em nossa sociedade atual, discutimos possíveis soluções e alternativas que podem nos ajudar a reconstruir nossa sociedade.Publicamos informações que nos desafiam o pensamento e os nossos preconceitos.