COVID-19: Dados da Pfizer revelam que 80% das crianças vacinadas desenvolvem efeitos adversos

Vacinação: COVID-19: Dados da Pfizer revelam que 80% das crianças vacinadas desenvolvem efeitos adversos - Mais de 80% das crianças que receberam a injeção experimental da Pfizer- Biontech sofreram efeitos colaterais

Fabio Allves
Mais de 80% das crianças que receberam a injeção experimental da Pfizer sofreram efeitos colaterais

A Pfizer-Biontech publicou um relatório de 37 páginas em 19 de maio sobre a segurança e o uso de sua tecnologia experimental de mRNA chamada de "vacina" em crianças. Refere-se ao estado atual dos experimentos de vacinação no contexto da aprovação do uso emergência nos EUA . 

Tal conteúdo é mantido em oculto pela grande mídia, que são cúmplices em repetir o dogma dos governantes e "organizações de saúde": o benefício seria maior do que os efeitos adversos que agora estão colocando nas mentes das massas como "normais". Na verdade, as crianças raramente ficam doentes - mas pelo menos 80% podem esperar efeitos colaterais traumáticos. Recomendado: ALERTA: crianças não devem ser vacinadas contra COVID-19

O documento revela que a grande maioria das crianças injetadas com essa tecnologia experimental de mRNA agora sofrem efeitos colaterais que podem deixá-las feridas ou traumatizadas para o resto da vida. Mesmo que as crianças tenham um risco quase zero de adoecer e testar "positivo" para o vírus chinês, a Pfizer-BioNTech deseja injetar em todas elas um veneno que agora sabemos que tem pelo menos 80 por cento de chance de causar efeitos adversos em curto prazo e a longo prazo ainda são desconhecidos.

O “folheto informativo” da empresa explica que as injeções foram testadas em 1.097 crianças e adolescentes com idades entre 12 e 15 anos. Destes, pelo menos 866 das crianças desenvolveram efeitos colaterais, cerca de metade dos quais foram descritos como “leves” e a outra metade como "moderado" ou "grave". Recomendado: Injeção da Pfizer causa danos em quase todos os sistemas do corpo, revela relatório

O estudo experimental de cobaias as crianças, foi duplo-cego, o que significa que nem os participantes nem os experimentadores sabiam quais crianças receberam a vacina real e quais receberam o placebo. Em comparação com o grupo do placebo, o grupo vacinado relatou cinco vezes mais efeitos adversos nos primeiros sete dias após a injeção.

Essas injeções podem estar modificando as crianças para sempre


Depois da primeira e da segunda injeção real, as crianças relataram coisas como febre, dor de cabeça, fadiga, calafrios, vômitos, diarreia, dores musculares e nas articulações. Alguns também sofreram apendicite e outros eventos adversos mais sérios.

A Pfizer-BioNTech ainda afirma que apenas entre 0,4 - 0,8 por cento das pessoas injetadas sofrerão efeitos adversos imediatos - ênfase na palavra imediato. No entanto, muito mais pessoas sofrerão efeitos adversos de longo prazo que podem levar meses ou até anos para se manifestar totalmente.

Tudo depende de quanto tempo leva para as proteínas de “pico” da vacina seguirem seu curso no corpo de uma pessoa. O momento parece ser diferente para cada pessoa e também depende do tipo de injeção que recebem.

A injeção da Pfizer-BioNTech é baseado na tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), que reprograma o corpo para se tornar uma máquina de fabricação de proteína de pico. As injeções de vetor viral do vírus chinês da Johnson & Johnson (J&J) e AstraZeneca, por outro lado, na verdade contêm proteínas de pico na seringa, razão pela qual muitos receptores estão desenvolvendo coágulos sanguíneos mortais quase que instantaneamente.

Verdade seja dita, nenhuma dessas chamadas “vacinas” para o vírus chinês é realmente vacina. São injeções experimentais de terapia gênica, cujos efeitos de longo prazo são atualmente desconhecidos. Colocar essas coisas dentro do corpo de qualquer pessoa, quanto mais de crianças pequenas, é simplesmente um crime. 
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Compartilhe :COVID-19: Dados da Pfizer revelam que 80% das crianças vacinadas desenvolvem efeitos adversos

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Ansiedade | Autismo | Câncer | Ciência | Ciência e tecnologia | Coronavírus | Covid-19 | Governo | medicina | saúde | Sociedade | Tecnologia | Vacina | Vacinação


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.