Não seja enganado, o Coronavírus é arma biológica modificada em laboratório

Compartilhar - ignore a censura, compartilhe esse link no Facebook |Copiar
Não seja enganado, o Coronavírus é arma biológica modificado em laboratório

Não é segredo há muito tempo que o novo coronavírus covid-19 é uma arma biológica, criada em um laboratório de Nível de Biosegurança-4 (o mais alto) na cidade central da China. Este é um dos únicos laboratórios do mundo classificados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como capaz de lidar com patógenos mortais ao ser humano... Não se engane, os vírus sempre foram projetados intencionalmente como armas biológicas, embora as narrativas oficialmente declaradas para o público dessas pesquisas ultrajantes sejam sempre descobrir como os vírus sofrem mutações para desenvolver "vacinas mais eficazes", no entanto, essas armas biológicas de níveis mais baixo, sempre foram espalhadas de forma sutil na sociedade, levando a doenças e compras de mais e mais vacinas e remédios durante décadas, e agora, para alcançar os objetivos dos globalistas, ー o que parece é que a bola da vez, é o covid-19 que claramente não é sutil nem "comum".

A comunidade de pesquisadores americanos de armas biológicas que, em 1969, os EUA haviam desenvolvido seis armas biológicas prontas para a "batalha", produzidas em massa, na forma de agentes que causam antraz, tularemia, brucelose, febre Q, VEE e Botulismo, H1N1, cada um, uma doença mortal capaz de emergir em forma de uma pandemia. Além disso, a enterotoxina estafilocócica B foi produzida como um agente incapacitante pelo programa.

Um biólogo de origem indiana, com longa experiência em pesquisas nos principais laboratórios biológicos dos EUA, disse ao Northeast Now nesta semana que, em 1969, o programa de armas biológicas dos Estados Unidos havia conduzido uma pesquisa detalhada para o armamento de pelo menos mais 20 agentes, todos os vírus mortais.Ele disse sob condição de anonimato, citando possíveis implicações no financiamento de pesquisas futuras, que os 20 agentes biológicos desenvolvidos pelo programa incluíam tanto o Hantavírus quanto o Coronavírus.



Os outros bioagentes desenvolvidos pelo programa foram varíola, EEE e WEE, AHF, febre de Lassa, melioidose, peste, febre-amarela, psitacose, tifo, dengue, 
Febre do Vale do Rift (RVF), Chikungunya (CHIKV), praga tardia da batata, peste bovina, Doença de Newcastle, gripe aviária e toxina ricina. Segundo ele, o biólogo de origem indiana "não é um grande segredo" e é bastante conhecido na comunidade de biólogos americanos, especialmente cientistas que já haviam trabalhado no elaborado programa de armas biológicas do país.

As autoridades de saúde estão mentindo sobre as origens do coronavírus: Sim, o coronavírus contém sequências genéticas de ganho de função que foram INSERIDAS no vírus


Por meses, as autoridades de saúde divulgou uma narrativa alegando que o coronavírus Wuhan (COVID-19) é um fenômeno natural, embora misterioso e inexplicável, que provavelmente se originou no mercado chinês de carne. Mas evidências contrárias continuam a surgir, sugerindo que o vírus realmente se originou dentro de um laboratório de Nível de biosegurança-4 no centro da cidade chinesa.

Muitos virologistas e autoridades de saúde, continuam negando isso, é claro, alegando que não há evidências para apoiar a noção de que o coronavírus Wuhan (COVID-19) possa, de alguma forma, não ser natural. Mas as características genéticas que eles procuram como prova podem não ser tão evidentes quanto se acreditava anteriormente, porque a engenharia genética moderna pode ser feita sem deixar vestígios.

Acredite ou não, uma equipe de pesquisa suíça conseguiu criar um clone sintético do coronavírus Wuhan (COVID-19) em menos de um mês. E eles fizeram isso inserindo fragmentos genéticos de tal maneira que, a menos que um cientista soubesse exatamente o que procurar, não seria necessariamente aparente.

Nos últimos 15 a 20 anos, os pesquisadores estudaram, dissecaram, reconstruíram e violaram ativamente os coronavírus de vários tipos. Isso inclui o coronavírus Wuhan (COVID-19), que um pesquisador científico descreve como uma "quimera óbvia", o que significa que é uma combinação de pelo menos dois vírus pré-existentes.

Este cientista, que leva o nome de Yuri Deigin e edita o periódico Open Longevity em russo e inglês, diz que o coronavírus Wuhan (COVID-19) é baseado em uma cepa ancestral de coronavírus conhecida como RaTG13, mas com uma substituição motivo de ligação ao receptor (RBM) na sua proteína espiga.

O coronavírus de Wuhan (COVID-19) também contém um trecho adicional de quatro aminoácidos diferentes que, segundo ele, foram inseridos no vírus, criando um local de clivagem de furina “que, como os virologistas estabeleceram anteriormente, expande significativamente o 'repertório' do vírus em termos de cujas células ele pode penetrar. "

Por causa disso, especula Deigin, o coronavírus Wuhan (COVID-19) provavelmente foi capaz de sofrer mutações e pular espécies, deixando seu hospedeiro original e infectando seres humanos. E acontece que esse mesmo tipo de pesquisa estava ocorrendo no infame Instituto de Virologia Wuhan em Wuhan, China, onde é originário o coronavírus Wuhan (COVID-19).

Deologistas afirmam que virologistas como Shi Zhengli "fizeram muitas coisas semelhantes no passado", incluindo a substituição do RBM em um tipo de vírus pelo RBM de outro. Eles também adicionaram novos locais de furin aos coronavírus, criando novos coronavírus artificiais específicos de espécies que são emprestados de outros coronavírus na capacidade de fazer coisas novas.

Agora, isso não significa necessariamente que o coronavírus Wuhan (COVID-19) era uma arma biológica intencional, pelo menos na visão de Deigin. Pode ser que tenha sido um experimento que deu errado e não um esforço intencional de mergulhar o mundo inteiro em uma pandemia. Ao mesmo tempo, parece claro que o vírus veio de fato de um laboratório e provavelmente do Instituto de Virologia Wuhan.
Continue lendo após a publicidade
Continue lendo após a publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram

Compartilhar

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram