Publicidade

Vírus mortal pandêmico capaz de aniquilar a humanidade intencionalmente criado por cientista

Imagine você, se um vírus mortal criado geneticamente modificado, fosse injetado em milhões de pessoas em todo o mundo, sobre a demanda de falácia de imunização em massa, e que tivesse a capacidade de ficar dentro …

Vírus mortal pandêmico capaz de aniquilar a humanidade intencionalmente criada por cientista

Imagine você, se um vírus mortal criado geneticamente modificado, fosse injetado em milhões de pessoas em todo o mundo, sobre a demanda de falácia de imunização em massa, e que tivesse a capacidade de ficar dentro do corpo entrando em uma metamorfose durante um ano, e ao final dessa metamorfose ele se revelasse dentro dos corpos atacando todo o seu corpo levando-o a morte sem expilação, bom isso é uma possibilidade bem real de acontecer.

Você provavelmente nunca ouviu falar, ou se esqueceu da pandemia de gripe H1N1 declarada em 2009. Talvez seja porque o número de pessoas que morreram como resultado, relatado pela mídia como “mortes confirmadas em laboratório”, foi de 18,449, o que é pouco comparado à pandemia de gripe espanhola (H1N1) em 1918, que matou cerca de 50 a 100 milhões de pessoas em 1918 e 1919. Esse número representa mais mortes do que o montante provocado pelas duas grandes guerras juntas. Mais do que a aids causou em 40 anos. Mas Yoshihiro Kawaoka, DVM, Ph.D. não se esqueceu desses eventos. Pois ele é o homem que recriou esse vírus mortal. 

Isso nós faz lembra do filme chamado “Contágio” Que mostra o rápido progresso de um vírus letal. ... Como a epidemia se espalha rapidamente, a comunidade médica mundial inicia uma corrida para encontrar a cura enquanto a humanidade é aniquilada rapidamente pelo vírus.  

Pois Bem, uma praga da vida real desta magnitude devastadora é agora uma possibilidade muito real, graças às maquinações desse cientista dos Estados Unidos de Wisconsin, que produziu com sucesso uma cepa letal que não pode ser combatida com o sistema imunológico mesmo sendo ele vacinado.

Seu nome é Yoshihiro Kawaoka, e a Universidade de Wisconsin-Madison (UWM) realmente o paga para desconstruir os vírus, a fim de remontá-los em cepas altamente letais capazes de matar um grande número de seres humanos. Independente do Reino Unidorelata que o Dr. Kawaoka já manipulou com sucesso a cepa H1N1 da gripe de 2009 para se desviar do sistema imunológico humano, tornando os indivíduos completamente vulneráveis ​​a doenças e morte. 

"Yoshihiro Kawaoka…. Manipulou geneticamente a cepa pandêmica de 2009 para" escapar "do controle dos anticorpos neutralizantes do sistema imunológico, tornando a população humana indefesa contra seu ressurgimento", escreveu Steve Connor para o The Independent

Destrua um vírus e faça engenharia reversa do vírus para torná-lo mais forte. 


Se é que podemos chamar alguém que cria uma arma mortal Dr, porem vamos lá, o Dr. Yoshihiro Kawaoka pode “desconstruir vírus para remontá-los geneticamente modificado”. Yoshihiro Kawaoka é provavelmente mais conhecido por seus esforços para recriar a cepa do vírus H1N1 que causou a pandemia de 1918, que é o vírus mais mortal da gripe já registrado. Apesar dos sérios perigos envolvidos nesta recriação viral, o Dr. Yoshihiro Kawaoka recebeu o Prêmio Breakthrough da Popular Mechanics em 2014, colocando-o nas fileiras de outro ganhador do prêmio, Elon Musk,CEO da Tesla. 

Independentemente do furor reverberando sobre sua recriação do vírus da gripe de 1918, Yoshihiro Kawaoka não parou por aí. Ele e sua equipe também manipularam geneticamente o vírus H1N1 de 2009. E eles fizeram isso de uma forma que foi severamente preocupante. Todas as cepas do vírus foram removidas, como relatado pelo The Independent, “que não foram neutralizadas por anticorpos humanos”. Isso significa que, se nossos corpos forem infectados por esse vírus geneticamente modificado, não temos capacidade de combatê-lo. Nem haveria uma vacinação eficaz. Se a construção do Dr. Yoshihiro Kawaoka escapar do laboratório, uma grande pandemia global será desencadeada. Por mais prejudicial que seja a poluição genética de trigo e outros alimentos da Monsanto , a liberação do vírus geneticamente modificado da Yoshihiro Kawaoka poderia eliminar a vida na Terra. 

Então observe como o vírus geneticamente modificado escapa do laboratório. 


Experiências semelhantes sobre a gripe aviária e a infame gripe espanhola de 1918 ocorreram no laboratório do Dr. Yoshihiro Kawaoka no passado, construído com o dinheiro dos contribuintes em 12,5 milhões de dólares. Conhecido como o Instituto para Pesquisa de Vírus da Influenza, o laboratório foi projetado com proteção de Nível de Biosegurança-3-Agricultura, que é um degrau abaixo do mais alto nível para os patógenos conhecidos mais perigosos.

Mas seu trabalho mais recente ocorreu no laboratório de biossegurança nível 2, que muitos críticos dizem ser irresponsável e altamente perigoso. Embora o objetivo declarado publicamente dessa pesquisa ultrajante seja descobrir como os vírus sofrem mutação para desenvolver vacinas mais eficazes, o potencial para que esse e outros vírus mortais escapem do laboratório e se espalhem pelo público é uma possibilidade certa.

"Ele pegou o vírus da gripe pandêmica de 2009 e selecionou cepas que não foram neutralizadas por anticorpos humanos", afirmou um cientista anônimo que esteve presente em um recente discurso que o Dr. Yoshihiro Kawaoka fez sobre o projeto. "Ele repetiu isso várias vezes até obter um verdadeiro vírus."
"Ele basicamente tem uma cepa conhecida de pandemia que agora é resistente à vacinação. Tudo o que ele fez antes era perigoso, mas isso é ainda mais louco. Esse é o vírus." 

Críticos pedem que o laboratório de Yoshihiro Kawaoka seja fechado 


Dr. Yoshihiro Kawaoka afirma que sua pesquisa não é uma ameaça, e que tudo isso deve primeiro passar por uma comissão de 17 seguranças de biossegurança antes de acontecer. Mas nem todos neste painel participam do programa, incluindo o professor Tom Jeffries, um dissidente que alega que nem mesmo foi informado de que o trabalho atual do Dr. Yoshihiro Kawaoka envolveria o vírus pandêmico H1N1. 

"O que estava presente nos protocolos de pesquisa foi um esboço muito breve ou um resumo do que ele estava realmente fazendo... E havia elementos que me incomodavam", afirmou Jeffries, citado pelo The Independent . "Sou uma minoria distinta nesse comitê ao levantar objeções. Estou muito desconfortável quando o trabalho envolve aumentar a transmissibilidade daquilo que já sabemos ser muito virulento". 

Comentando sobre a situação, um comentarista independente indignado usou o termo jurídico latino Hostis humani generis , que em português significa "inimigo da humanidade", para descrever o Dr. Yoshihiro Kawaoka e seu trabalho. Outros expressaram sentimentos semelhantes, pedindo ação imediata para impedir que tais abominações ocorram em nome da ciência.
Publicidade


Notícia Em: / / / /

Fabio Allves

Fundador: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais