Agenda 2024 a 2030: OMS Aprova Emendas do RSI e Objetiva Controle Global da Saúde em Apenas Um Ano

A OMS aprovou um conjunto de revisões fracas do Regulamento Sanitário Internacional pouco antes do prazo final de 1º de junho.


OMS aprova emendas do RSI e planeja reativar o tratado sobre pandemia "dentro de um ano"

(The Defender) - intitulado originalmente: OMS aprova emendas "diluídas" do RSI e planeja reativar tratado sobre pandemia "dentro de um ano" - A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou um conjunto de revisões do Regulamento Sanitário Internacional (RSI) pouco antes do prazo final de 1º de junho, em um resultado que a agência descreveu como "histórico".

Mas alguns críticos das emendas chamaram-nas de uma vitória pírrica para a OMS, observando que as emendas aprovadas carecem da maioria das propostas combatidas por ativistas da liberdade de saúde, que citaram riscos à soberania nacional e às liberdades pessoais e disseram que as propostas originais promoviam um esquema de identificação digital.

Em seu anúncio após a conclusão da Assembleia Mundial da Saúde, realizada na semana passada em Genebra, na Suíça, a OMS disse que as emendas "garantem que sistemas abrangentes e robustos estejam em vigor em todos os países para proteger a saúde e a segurança de todas as pessoas em todos os lugares do risco de futuros surtos e pandemias".

Os negociadores não chegaram a um acordo sobre um rascunho final do "acordo sobre a pandemia" - ou "tratado da pandemia" -, mas assumiram "compromissos concretos para concluir as negociações sobre um acordo global sobre a pandemia no prazo máximo de um ano, o mais tardar", afirmou a OMS.

De acordo com os Arquivos de Saúde de Genebra, a adoção das emendas do RSI é um resultado "importante" e "um testemunho do multilateralismo" - embora esse resultado também tenha sido descrito como "uma grande vitória para os Estados Unidos, entre outros, que lideraram o processo de emendas em 2021".

Mas para a ativista pela liberdade de saúde Meryl Nass, internista e fundadora da Door to Freedom, uma organização que fez lobby contra as propostas da OMS, o resultado da Assembleia Mundial da Saúde deste ano "foi uma grande vitória".

"Os globalistas não receberam essencialmente nada que fosse importante para eles", escreveu Nass no Substack. "Eles vão continuar tentando. Vamos continuar a pará-los. A reunião acabou de terminar. O Tratado da Pandemia deve ser negociado por mais um ano. Então, não podemos desistir, mas vencemos o primeiro turno."

Observando que muitas das propostas mais restritivas não fizeram o conjunto final de emendas, Nass escreveu que a Assembleia Mundial da Saúde "teve que adotar algo para salvar a face, e tornou-se evidente para os globalistas que eles não fariam melhor se atrasassem uma decisão".

"O tratado da pandemia continuará a ser negociado, mas também foi praticamente esvaziado", acrescentou Nass. "Vamos continuar vigilantes. Continuaremos a educar sobre a preparação para a pandemia."

Falando em uma coletiva de imprensa em Genebra no sábado, o advogado suíço Philipp Kruse disse que as emendas do RSI, mesmo em sua forma diluída, foram produto da pressão dos EUA.

"Havia negociações intensas acontecendo até tarde desta noite sob a tremenda pressão dos representantes dos Estados Unidos para chegar a uma conclusão", disse Kruse.

Durante a mesma conferência de imprensa, Shabnam Palesa Mohamed, diretora executiva da Children's Health Defense (CHD) África e fundadora da Transformative Health Justice, disse que muitos Estados-membros da OMS se queixaram de "serem apressados" ou "serem ameaçados de terem de sair deste processo com as emendas do RSI a serem assinadas".

Mas os especialistas também observaram que, apesar de adotar uma versão diluída das emendas do RSI, novas negociações não parecem estar nos planos.

Em declarações ao The Defender após a conferência de imprensa de sábado, Kruse disse: "O mandato para fornecer estes dois instrumentos legais para uma votação na Assembleia Mundial da Saúde foi terminado".

Para Steve Kirsch, fundador da Vaccine Safety Research Foundation, o resultado resultou da pressão popular em escala global, o que levou algumas nações a recusarem o conjunto completo de propostas nos dois documentos.

Maria Hubmer Mogg, candidata da Áustria às eleições parlamentares europeias desta semana, concordou. Ela disse ao The Defender que "as pessoas estão acordando" em todo o mundo. Como resultado, negociadores da OMS e proponentes das duas propostas estão "recuando e depois estão tentando novamente".

"Isso é parte do retrocesso que acredito que resultará no fracasso deste ataque da OMS à soberania e à liberdade em geral", disse Frank Gaffney, fundador e presidente executivo do Centro de Política de Segurança, ao The Defender.

Falando num comício em Genebra no sábado contra os dois documentos, Joana Amaral Dias, candidata de Portugal às eleições para o Parlamento Europeu, disse ao The Defender que "as pessoas que estão aqui são as sementes da mudança. Eles conseguiram – nós conseguimos – parar a pandemia."

"O momento político contra a OMS é crucial porque estamos travando uma das guerras mais importantes. Se puderem defender a nossa saúde e a saúde das nossas crianças, estamos cumprindo a principal tarefa e a principal missão que cada geração tem que proteger", acrescentou.

'Grandes balas' foram 'desviadas'


As emendas podem ser mais notáveis não pelo que contêm, mas pelo que ficou de fora. De acordo com Nass, várias propostas cruciais não chegaram ao conjunto final de emendas, chamando esses itens excluídos de "grandes balas" que foram "desviadas".

Isso inclui o sistema de acesso a patógenos e compartilhamento de benefícios, disposições que incorporam o conceito One Health, mandatos médicos, uma proposta para a OMS ordenar que os países aprovem leis que exige, a capacidade de declarar emergências por razões não relacionadas à saúde e propostas para fornecer escudos de responsabilidade para vacinas e tratamentos não licenciados ou para exigir seu lançamento.

Nass comparou a versão final das emendas com as propostas em fevereiro de 2023, observando que as referências à terapia genética foram removidas, enquanto a linguagem que protege os direitos humanos e a dignidade, e afirmando o caráter não vinculativo das emendas, foi restabelecida.

"Uma coisa ruim permaneceu no RSI, que foi 'abordar' a desinformação e a desinformação, mas o RSI não disse às nações como lidar com isso", disse Nass. Ela também observou que, com ou sem essas emendas, a maioria dos governos está prosseguindo com seus próprios planos para combater a "desinformação" e a "desinformação".

Em outro post do Substack, Nass escreveu que "as pessoas estão descontentes com várias disposições do documento, sem perceber que a maioria das questões de que não gostam estão no RSI existente e estão lá há muitos anos".

Nass, por exemplo, citou os certificados de vacinação, que "sempre estiveram nos RSI". As alterações feitas a esta disposição nas novas alterações "são menores, em comparação com o que foi proposto, e (...) são recomendações, não ordens da OMS".

"Eles não precisarão ser digitais, o que é um ponto crucial – pois seriam a porta de entrada para a identidade digital, o dinheiro digital e o aumento massivo da vigilância. Eles precisam ser assinados por um médico, o que já era verdade em muitos países", acrescentou Nass.

Permanecem dúvidas sobre a legalidade das novas emendas ao RSI, uma vez que a versão final foi proposta menos de quatro meses antes da Assembleia Mundial da Saúde, em violação do Artigo 55, Seção 2 do RSI existente. Em vez disso, o texto final foi divulgado em 1º de junho e a votação ocorreu uma hora antes do fim da assembleia.

Nass disse ao The Defender que, embora alguns países, como a Eslováquia, já tenham rejeitado as novas emendas do RSI ou "se distanciado" delas, a maioria dos países provavelmente não tomará nenhuma medida, pois "não se transformou em um documento de governo, como desejado, e não fará muita diferença prática para as nações".

Nass também observou que a maioria das nações terá "pelo menos 10 meses para evitar quaisquer disposições que não goste no documento recém-alterado", simplesmente notificando a OMS de sua rejeição.

Para as nações que rejeitaram as emendas do RSI de 2022, que criaram um período de revisão truncado de 10 meses, o período anterior de 18 meses permanece em vigor, disse Kruse ao The Defender. Essas alterações entraram em vigor no sábado.

O Defender é 100% suportado pelo leitor. Sem patrocinadores corporativos. Sem paywalls. Nossos escritores e editores confiam em você para financiar histórias como essa que a mídia tradicional não escreve.

Milhares de pessoas manifestaram-se em Genebra contra as propostas da OMS


Enquanto a OMS deliberava as emendas do RSI no sábado, milhares de manifestantes se reuniram em frente ao escritório das Nações Unidas em Genebra para a manifestação "We Are The Change" contra as duas propostas da OMS. Muitos participantes convergiram em Genebra como parte da carreata "Road to Geneva".

Andrea Nazarenko, Ph.D., da The Inspired Network, uma das organizadoras do comício, disse ao The Defender: "É um esforço coletivo onde todos desempenharam um papel e criaram algo muito maior do que poderíamos imaginar... Quando 8 bilhões de pessoas se unem e se unem, o futuro é nosso."

Dan Astin-Gregory, da Free Humanity, que coorganizou o comício, disse: "O Caminho para Genebra foi um belo comboio ... Estamos todos aqui para defender fortemente a liberdade, a independência e o direito à autodeterminação. Estou muito orgulhoso do que criamos."

"Estamos declarando nossa soberania e dizendo que o sistema está quebrado", disse a Dra. Kat Lindley, presidente do Projeto de Saúde Global e diretora da Cúpula Global Covid. "Não estamos dando a essas agências supranacionais poder sobre nós. A verdade é como um leão. Você não precisa defendê-lo. Solta e ela vai se defender".

Robyn Cosford, professora e presidente do conselho da CHD Australia, disse ao The Defender que se sentiu "muito empoderada e encorajada" pelo "maravilhoso senso de unidade" no comício.

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.