Evidências: Vacinas COVID podem desencadear "avalanche" de uma forma contagiosa de demência?

Mais evidências de que as vacinas de mRNA podem desencadear doenças neurológicas transmissíveis por meio de príons.

Evidências: As vacinas COVID podem desencadear "avalanche" de uma forma contagiosa de demência
Dr. Joseph Mercola  - originalmente em The Defender

De acordo com dados crescentes, um dos efeitos colaterais mais graves das vacinas de mRNA da COVID-19 pode ser demência, e essa doença anteriormente não transmissível agora pode ser "contagiosa", transmissível por meio de príons.

Resumo da história:

  • A pesquisa crescente sugere que um efeito colateral sério dos jabs do mRNA COVID-19 pode ser a demência, e os príons que a causam podem ser contagiosos.
  • Frameshifting / ou (Mudança de Quadro), como sabemos agora ocorre nas vacinas COVID-19, pode induzir a produção de príon e levar a doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ).
  • O site prions.rip de Sid Belzberg, que coletou dados sobre efeitos colaterais neurológicos pós-vacinação, encontrou uma incidência notavelmente alta de casos diagnosticados de DCJ, sugerindo uma tendência alarmante.
  • Uma série de artigos destaca vieses em ensaios clínicos e estudos observacionais, sugerindo que a segurança e eficácia das vacinas COVID-19 foram massivamente exageradas.
  • O estudo Global COVID Vaccine Safety Project – financiado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA – revela efeitos colaterais significativos, incluindo miocardite, pericardite e coágulos sanguíneos, ressaltando a necessidade de reavaliação dos riscos e benefícios da vacina COVID-19.

(Por, Dr. Joseph Mercola)
 - De acordo com dados crescentes, um dos efeitos colaterais mais graves das vacinas de mRNA da COVID-19 parece ser a demência e, pior ainda, essa doença anteriormente não transmissível agora pode ser "contagiosa", transmissível por meio de príons.

Em minha entrevista de 2021 com Stephanie Seneff, Ph.D., ela explicou por que suspeitava que as vacinas COVID-19 podem eventualmente resultar em uma avalanche de doenças neurológicas baseadas em príons, como Alzheimer.

Ela também publicou um artigo detalhando esses mecanismos na edição de 10 de maio de 2021 do International Journal of Vaccine Theory.

Como ela explicou naquele artigo:

Um artigo publicado por J. Bart Classen (2021) propôs que a proteína spike nas vacinas de mRNA poderia causar doenças semelhantes a príons, em parte por meio de sua capacidade de se ligar a muitas proteínas conhecidas e induzir seu enovelamento incorreto em príons potenciais.

"Idrees e Kumar (2021) propuseram que o componente S1 da proteína spike é propenso a agir como um amiloide funcional e formar agregados tóxicos ... e pode, em última análise, levar à neurodegeneração."

Em resumo, a conclusão do artigo de Seneff é que as vacinas COVID-19, oferecidas a centenas de milhões de pessoas, são conjuntos de instruções para seu corpo produzir uma proteína tóxica que acabará concentrada em seu baço, de onde as instruções de proteína semelhante a príons serão enviadas, levando a doenças neurodegenerativas.

O que são príons?


O termo "príon" deriva de "partícula infecciosa proteica". Os priões são conhecidos por causarem uma variedade de doenças neurodegenerativas em animais e seres humanos, tais como a DCJ nos seres humanos, a encefalopatia espongiforme bovina (EEB ou "doença das vacas loucas") nos bovinos e a doença crónica do emaciamento em veados e alces.

Essas doenças são coletivamente referidas como encefalopatias espongiformes transmissíveis. Eles são caracterizados por longos períodos de incubação, danos cerebrais, a formação de buracos no cérebro dando-lhe uma aparência de esponja e falha em induzir uma resposta inflamatória.

Em suma, os príons são agentes infecciosos compostos inteiramente de um material proteico que pode dobrar-se de múltiplas maneiras estruturalmente distintas, pelo menos uma das quais é transmissível a outras proteínas priônicas, levando a uma doença semelhante a infecções virais, mas sem ácidos nucléicos.

Ao contrário de bactérias, vírus e fungos, que contêm ácidos nucléicos (DNA ou RNA) que instruem sua replicação, os príons se propagam transmitindo seu estado proteico mal dobrado para variantes normais da mesma proteína.

De acordo com o modelo da doença do príon, as propriedades infecciosas dos príons são devidas à capacidade da proteína anormal de converter a versão normal da proteína na forma mal dobrada, desencadeando assim uma reação em cadeia que danifica progressivamente o sistema nervoso.

Os príons são notavelmente resistentes aos métodos convencionais de esterilização e podem sobreviver a condições extremas que normalmente destruiriam ácidos nucleicos ou outros patógenos, o que é parte da razão pela qual as doenças priônicas são tão difíceis de tratar.

Mais evidências de que as vacinas de mRNA podem desencadear demência


Hoje, há ainda mais evidências para apoiar a teoria de Seneff. Em agosto de 2022, o empresário de tecnologia Sid Belzberg escreveu sobre o prions.rip, um site que ele criou para coletar dados sobre os efeitos colaterais neurológicos dos jabs. (Este site não está mais no ar.)

Em poucos meses, o site recebeu cerca de 15 mil acessos e reuniu 60 relatos de pessoas que tomaram a vacina e sofreram déficits neurológicos logo em seguida, incluindo seis casos de DCJ diagnosticada.

"Normalmente, essa doença afeta 1 em cada 1.000.000 de pessoas", escreveu Belzberg.

E continuou:

"Para obter 6 casos você precisaria de 6.000.000 de acessos ao site supondo que todos denunciem.

"As chances de obter 1 caso em 15 mil acessos é de 1 em 66. Ver 6 casos em 1 grupo de 15.000 é 1/66^6 ou 1 em 82.000.000.000, ou 20 vezes mais probabilidade de ganhar uma loteria Powerball!

"Para reiterar, a DCJ é uma doença excepcionalmente rara que agora é uma reação adversa grave (EAS) conhecida e estabelecida da DEATHVAX™. Injetar essa arma biológica de morte lenta pode causar doenças que são tão prováveis de se desenvolver na palavra real quanto ser atingido por um raio duas vezes.

"A prova agora é irrefutável."

Frameshifting pode resultar na produção de príons


Em meados de dezembro de 2023, os pesquisadores relataram que a substituição do uracilo por metilpseudouridina sintética nas vacinas COVID-19 - um processo conhecido como otimização do códon - pode causar frameshifting / ou ("Mudança de Quadro"), uma falha na decodificação, desencadeando assim a produção de proteínas aberrantes fora do alvo.

Os anticorpos que se desenvolvem como resultado podem, por sua vez, desencadear reações imunes fora do alvo. De acordo com os autores, as respostas imunes celulares fora do alvo ocorrem em 25% a 30% das pessoas que receberam a vacina COVID-19. Mas isso não é tudo.

De acordo com o neurocientista britânico Dr. Kevin McCairn, esse fenômeno de mudança de quadro também foi associado à produção prejudicial de príons – e que os príons deslocados para o quadro, especificamente, são infecciosos e podem ser transmitidos de uma pessoa para outra.

Conforme relatado no Journal of Theoretical Biology em 2013:

"Uma explicação quantitativamente consistente para os títulos de infectividade encontrados em uma variedade de preparações contendo príons é fornecida com base no fato de que os agentes etiológicos da encefalopatia espongiforme transmissível compreendem uma fração populacional muito pequena de variantes da proteína priônica (PrP), que contêm elementos frameshifted em suas regiões de repetição de octapeptídeos N-terminais.

"O frameshifting explica quantitativamente a etiologia da doença priônica. Um por milhão de príons deslocados pode ser suficiente para causar doenças. O elemento semelhante ao HIV TAR no mRNA do PRNP é provavelmente um efetor do frameshifting."

McCairn explicou esse mecanismo em uma entrevista de 19 de fevereiro de 2023 à Health Alliance Australia (veja o vídeo abaixo). Nela, observou:

"Proteínas mal dobradas causadas por príons podem afetar todos os níveis do sistema de órgãos e tecidos do corpo (...) [Eles] se bioacumulam e são resistentes à degradação, acumulando-se."

Os príons podem, de fato, ser a molécula primária que está sendo "eliminada" pelos receptores da vacina COVID-19, e se esses príons forem devidos à mudança de quadro, isso pode ser uma notícia muito ruim de fato, considerando sua implicação na demência.

Outro médico que acredita que estaremos enfrentando uma "epidemia de doença priônica" é o Dr. David Cartland. No final de fevereiro, ele postou 13 artigos científicos ligando a COVID-19, doenças do príon e CJD, observando que era apenas uma "pequena seleção" do que está disponível na literatura médica.

Artigo republicado de:
Dr. Joseph Mercola  - originalmente em The Defender
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu