Estudo Revela: Pessoas que se Recuperaram da COVID-19 e Receberam Vacina são Mais Propensas a Reações Adversas

Infecção prévia identificada como potencial preditor de reações adversas.

Coletividade EvolutivaCoronavírusEstudo Revela: Pessoas que se Recuperaram da COVID-19 e Receberam Vacina são Mais Propensas a Reações Adversas

Estudo Revela: Pessoas que se Recuperaram da COVID-19 e Receberam Vacina são Mais Propensas a Reações Adversas

Um novo estudo realizado por pesquisadores na Europa revelou uma descoberta intrigante: pessoas que se recuperaram da COVID-19 e posteriormente receberam uma vacina contra o coronavírus eram mais propensas a experimentar reações adversas em comparação com aquelas que não haviam sido infectadas anteriormente.

Os participantes do estudo demonstraram uma maior incidência de reações adversas após a vacinação, independentemente do tipo de vacina administrada, exceto por uma única exceção, conforme relatado pelos pesquisadores.

De acordo com os resultados do estudo, as pessoas que haviam contraído COVID-19 anteriormente apresentavam uma probabilidade 2,6 vezes maior de sofrer uma reação adversa após a primeira dose da vacina em comparação com aquelas sem histórico da doença. 

Essas descobertas são significativas, considerando que os indivíduos que se recuperaram da COVID-19 são frequentemente considerados como tendo algum nível de imunidade natural após a recuperação.

Além disso, os dados revelaram que as pessoas com histórico de COVID-19 também tinham 1,25 vezes mais probabilidade de experimentar uma reação adversa após a segunda dose da vacina.

Esses padrões se mantiveram consistentes em relação a todos os tipos de vacinas após a primeira dose.


Por exemplo, entre as participantes do sexo feminino que receberam a vacina Pfizer-BioNTech, 82% daquelas que haviam contraído COVID-19 anteriormente relataram uma reação adversa após a primeira dose, em comparação com 59% das mulheres sem histórico da doença.

No entanto, houve uma exceção notável na tendência observada. Entre os homens que receberam a segunda dose da vacina AstraZeneca, a porcentagem daqueles que experimentaram uma reação adversa foi maior (33%) em comparação com aqueles sem histórico de COVID-19 (24%).

Os pesquisadores concluíram que os participantes que haviam sido previamente infectados pelo SARS-CoV-2 apresentaram uma frequência maior de reações adversas após a primeira dose em comparação com aqueles que não haviam contraído a doença. Essa tendência foi observada em homens e mulheres, bem como em todas as marcas de vacinas analisadas.

Esses resultados levantam questões importantes sobre a interação entre a imunidade natural adquirida após a infecção por COVID-19 e a resposta do corpo à vacinação. Mais pesquisas são necessárias para entender completamente os mecanismos por trás dessas descobertas e como elas podem impactar as estratégias de vacinação e saúde pública no futuro.

Este estudo destaca a importância contínua da vigilância e pesquisa de farmacovigilância para monitorar de perto os efeitos das vacinas COVID-19 e garantir a segurança e eficácia contínuas dessas intervenções cruciais na luta contra a pandemia.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar

OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui. Fortalece o sistema imunológico, Poderosa ação antioxidante (antienvelhecimento), Atua contra o processo de inflamação do organismo - anti-inflamatório, Combate problemas de saúde ocasionados nas vias respiratórias e Tem poderosa ação antifúngica, antibiótica, acelerando a cicatrização
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR